Música

terça-feira, maio 22, 2012

A busca da felicidade...


Temos o sentido de ritmo, já nos foi dado o padrão de harmonia... que nos falta para ser felizes?

Nesta vida que é uma dança, podemos começar por ver tudo o de positivo e bom que a Natureza coloca à nossa volta... desde o riso de uma criança, à rosa que desponta plena de vida; desde o Sol pôr numa praia até o passeio entre árvores antigas...já tenho intenção...

Depois.... o foco.
Para onde dirijo a maior parte da minha energia, para onde se orienta a maior parte da minha atenção?

Passo o dia a resolver problemas, ou procuro plantar sementes de sonho... um novo mundo... uma nova visão?...

Aqui estabeleço um compromisso comigo mesmo... quero ir mais longe, sentir mais fundo, ver mais alto.... em resumo, amar mais a vida... coerência e opção

Se já tenho em mente o foco e sei que pretendo crescer... no sentido de ser e concretizar aquilo que sou... então preciso precisão...

Se já sei que quero harmonia, maravilha, magia... que pretendo ajudar, promover e fazer crescer... libertar... então toda a minha atenção, a pequena opção do dia a dia: onde coloco o meu dinheiro, de que forma descanso, como regulo a minha actividade... encaminham-me para pessoas e lugares onde se cultive o bem estar, a saúde integral, a autonomia das pessoas, a visão alargada do mundo e um ideal...



Se creio no ser humano como um todo, e o meu caminho assim mo fez entender, vou procurar actividades de vida que me ajudem a ser e a transparecer essa mesma crença ou visão... qual então a intuição?

Um lugar onde se promova a terapia - não no sentido de cura ou substituição - mais como uma academia, onde se forneçam ferramentas úteis para o crescimento: a auto-bulição...

Neste caminho já sei identificar patologias.. passei bastante tempo no mundo da "saúde" a labutar... tenho ferramentas que me permitem mobilizar outros - como forma física, projecção de pensamento e consciência de movimento... no fundo, o caminho da arte marcial...

Muitos pensam que o treino regular é apenas exigência do momento - forma de manter uma certa "forma" física exterior... mas, na arte marcial, há muito mais...

Há a consciência da vida que nos preenche e dos pontos onde nos pode ainda ajudar a crescer mais.
Há o desenvolvimento de estados conscientes de pensamento, vivência de estados anímicos que em sociedade nos podem ajudar...

Há a junção da vontade ao corpo e o prazer do sentido holista de cooperar..

Há o crescimento de sintonias... em cada praticante e no grupo em geral...



Agora a busca:

Já tens a tua "espada" - ferramenta de trabalho que te ajuda a manifestar os valores que são guardados no teu coração... e cuidado - que há muito por ai que ame a espada pelo simples poder que esta lhe dá e outros tantos que admiram as milhentas espadas que outros tantos trazem penduradas só para se fazer notar...

A tua espada, mago-guerreiro do coração... é o saber que incorporas na tua essência e que serve para a libertação... em cada ser humano que ajudas a caminhar, em cada momento que ofereces vida e dinamismo para poderem avançar, em cada sonho desperto que ajudas a despertar... olhos abertos, mente alerta, coragem para continuar.... estás a plantar cada vez mais sementes de luz neste jardim... e a luz vai triunfar...

A tua espada dança... com a sombra: a dificuldade e a ameaça que se te quer atravessar... lembra que o medo é apenas a resistência que te mostra a força do teu verdadeiro caminhar... nenhuma montanha tem culpa de ser íngreme por nela estares a avançar... mas quando sobes e olhas em frente compreendes a força que te ensinou a canalizar...



Medo, dúvida e falta de fé... três oponentes frequentes nas tuas danças com o amanhã... procura os companheiros dignos, que contigo querem dançar... dançar só, entre as sombras, é inseguro... dança sempre no teu grupo e no teu lugar...

Se desafiares algum dia a lua e suas sombras para te fazer notar... lembra: por detrás das paredes escuras há sempre seres de luz para te ajudar...



O que te quero dizer... apesar de tanto descrever... é que poderá tua mente temer e se escudar... dizer-te que estás só neste peregrinar...

Lembra - sempre - cada coração já está em viagem... e todos vamos para o mesmo lugar... apenas os que conduzem as carroças neste mundo, ainda não quiseram as rédeas entregar...

Assim alguns puxam quando podiam acelerar e outros açoitam suas montadas viventes quando estas deviam descansar...

O último truque é encontrar teu rimo, teu passo, teu andar...
Uma vez sintas que já vais dançando, o resto passa bem e a brincar...

Somos peregrinos da vida... vida feita pó a caminhar...
Pó que caminha no sentido da vida... pó feito para amar

E - se um dia sentires que o caminho não te leva a nenhum lugar
lembra que tu mesmo existes... em ti já há luz, paz e jardins a plantar...

Por isso senta-te, baixo uma árvore... numa rocha a descansar...
Verás que mais cedo ou mais tarde... um outro por ti virá...

E encontrando tua sombra inquietante, contigo se porá a falar...
E ai mostrarás tua luz, teu coração, teu acreditar...

E sereis dois a caminho, sereis dois para dançar...
Neste rio que flui, fonte que mana para o seu mar
Há caminhos que a vida conduz, outros que são para estagnar...

Tu que lês já sabes a quem pertences, já conheces o verdadeiro som do teu próprio falar
Pois - se aqui chegaste e até aqui leste - é porque és alma amiga, espírito irmão...

Agora - já estamos mais juntos - tu e eu - mão em mão...
Etéreo dormente despertando a razão...



Seremos luz que se espalha sem cessar
rostos sem forma que sorriem sem descansar
corações vivos num eterno palpitar...

Poderá a rosa esconder sua beleza, poderá a ave deixar de voar?
Poderá o humano deixar de sonhar?

Mão em mão... irmão
Tu que aqui chegas e vês a razão
Pela qual os filamentos de luz que nos cercam se vão esvair
E as aparências que velam o templo deixarão de obstruir
A clara visão do mundo real
A doce sensação de estar... chegar...

Pois - livres - do tempo e de lugar...
Das paixões, do prender, do desejar...
Estaremos já no cimo e a paisagem será para contemplar

Veremos o porquê das coisas, o sentido de tanto divagar...
Olharemos as espirais dos irmãos a caminhar...
sentiremos prata fluída, sentido da vida na tela do eterno a palpitar...


Será pintura garrida, estrutura não tecida, plena de luz e de cor... devida

e veremos que - onde aparecia cinzento, eram apenas sombras de árvores a agitar ao luar... fruto prateado da tua vocação de amar...
e onde parecia dourado.. eram maçãs de Inverno recolhidas nas mãos do Verão... sinal dos tempos nos que todo o ser será teu irmão...




Sem comentários: