Música

sexta-feira, fevereiro 28, 2014

A magia das palavras - ou como esperadança implica ser Homen, jovem ou criança... quem falta?

Ser poeta e voar, ser artista - optimista - e crer
sem duvidar
ser cientista e terfé
que entre as linhas
e entre linhas
encontrará
a fundamental
a fórmula de encantar...

Ser sacerdote e crer - sem duvidar - na pedra firme que sustem um altar

ser alguém
a quem importar
a vida
que tem em si
entre tecida
a mais valia
a manifestar

palavras
que traduzem
vida

vidas que se fazem melodias

gotas de uma corrente
devida
entre as linhas de um dia

entre as ondas que se anunciam
entre as vidas que são
cada dia

mais vida
e melhor vivida

Existe um certo lugar
existe uma zona
uma probabilidade
a crescer
para quem assim
quiser
encontrar

existe uma possibilidade
uma perspectiva
recomeçar
existe uma forma complementar
de dar nome
a um novo nome
e deste nome
ser parte
ntegrante
de proposta
a integrar

seja uma terra
nobre
seja a vida
human
em si mesma
valorizada

seja a mais valia
esquecida
entre o tempo
da estiva
e o calendario
que mais não mentia
que dizia
que a vida se erguia
entre o Mar
e o que o sopro
anuncia

em cada nova semente
feita vida
transformada
em magia

em flores
de vida
que se entrelaçam

nos tapetes de cores
que a vista
ainda não alcança

no ssonhos
nobres
de uma certa terra
feita em seus melhores
maiores
sejam eles jovens
senhores
senhoras
ou crianças
até a onde a vista alcança
em perspectiva
até onde mora
até onde se encontra
até opnde chora a gota
que anuncia
a melhora
do dia a dia

entre gotas
que se unem
num certo ponto
num certo dia
e se fazem ribeiro
se fazem rio
se fazem sintonia
de vida
devida

assim melodia
se anuncia
primavera
maior

entre o ceu que chora
e a gente que colabora
para fazer
deste
um lugar melhor...

propostas
de vida
entrelaçar vidas
melhorias
pequenas
em ecos de gentes
discretas
como as gotas
que caem
numm certo caudal
num certo rio
num certo lugar
que são
em si simples
e humildes
que juntas
perfazem
o céu
o solo
e o mar...

estranho
 o peso da vida
quando se vê
e se al«mplia a perspectiva

da tua própria vida
a integrar...
sonhos de vidas


assim
a epartntrelaçar...

num projecto
de vida
convidas
a vida
em tua própria vida
a entrar
e assim ser vida renovada
neste
ou noutro
aquele nosso
lugar...

Raízes
profundas
como um rio
no que fundas

algo de novo
que possa
ser

partilhar
colaborar
num algo
que possas ser
ou simplesmente
por o ser
possas divulgar

humanizar
palavra
simples


metodos
que compartes
com outras gentes
com quem interages
dia a dia
sem notar

são as novas tecnologias
que tal como as antigas
permitiam
desenvolver
e focalizar
a atenção
em certo ponto
focal

seja a mais valia
seja o dom
de voar
sonhos
de um firmamento
que desde dentro
mais não se pode apagar...

Projectos de vida
para reunir

um lugar especial
para "curtir"

sejam pequenos troços românticos
de vidas entrelaçadas
ecos de vidas
escritas
nos rios
e nos azulejos lembradas

são poesias
que são assim partilhadas
namoros
de outrora
feitos vidas novas
assim relembradas
em louvor evocadas
e em primor
de forma simples
assim
plantadas

são as sementes
das crianças

de outrora
hoje senhoras
que se fazem novas
espr'anças...


quinta-feira, fevereiro 27, 2014

V(i)ver a vida.... outra forma de perspectiva...

Uma luz nova
se acende por dentro
no firmamento
uma rosa
além do tempo

uma constelação
de gente
que firmemente
crê
e
sustenta

atenta

a vida
que em si representa

alberga

e alimenta....

quinta-feira, fevereiro 13, 2014

Flor de Luz....





Naquele lugar
Naquele monte em particular
Naquela montanha
que mais não posso lembrar



Entre o calor de timor
e a luz da lua a se elevar

Entre a clareira antiga
E os ecos suspirados
das montanhas
de tempos sagrados

de casas de homens
e mulheres 
consagrados

de gente que falava 
com espíritos sábios

entre cantigas 
e louvores
erguer de casas
os telhados
de folhas de palmeira
entrançados

para filhos
e filhas bem amados

mãos de trabalho
gente de vida curtida

entre o sol e a lua
o monte
e o mar solitário…



Uma ilha de gente viva
Entre gentes
que navegam na bruma


De um dia a dia
Que é partida
Sem regresso marcado…



São as rochas mãe
Que falam
São as figuras de luz

que se encarnam
Entre os fios que trazem
o rumor da lembrança

Da água que escorre
Sem trava, 
que jorra
enquanto a terra 
resseca 



a engole
e a faz vida 
de novo
renovada



Das gentes livres
Sem mágoa
Das montanhas
De uma outra margem
Como esta – outrora - consagrada



Com as lágrimas 
de quem lá encontrou
A sua própria existência




Na vida de quem lá ficou
Marcada – em pedra, 
em árvore, 
em vida ali recordada



“Lifau” e a lágrima
Que conquistou um povo
Entre a espada

E a estratégia bizarra…



Foi a luz que une
foi a esperança partilhada

foi o que de melhor 
esta humanidade tem
 que faz da vida
flor além da mágoa 

florescendo, 
crescendo
se expandindo

latindo no interior
unindo
reunindo

num só abraço
de sol
e de cor

por dentro
o que por fora
aparece 
como nevoeiro
d'uma noite velada

vida e louvor
de devoção impregnada

Liz que mais não diz
o que a sua memória
traz
entre a gente 
de memória apagada

segunda-feira, fevereiro 10, 2014

Recordar... um dia sete de um mês qualquer




Que as mais-valias se escondem além das paredes de um banco… às vezes num banco de jardim.. por pintar… às vezes entre as flores… que falta ainda plantar… às vezes entre as histórias
De vidas… que se lembrou alguém de contar… às vezes entre os recantos… dos edifícios que são muralhas de vida por animar…

Às vezes vale a pena voltar…


À cultura que nos deu origem e à forma tradicional…

sexta-feira, fevereiro 07, 2014

A dama do Rio... quem passará sobre o destino frio?



Um dia
Num certo jardim
Esta estrela
Brilhou para mim
Um dia
Em mim a recebi
Um dia
Ela e eu
Fomos um

Agora caminhamos 
no mesmo
passo
neste espaço
escasso
de estar distantes
tão perto
como dantes
Agora
Somos o mesmo abraço
Agora
Quando o tempo chora
E o relâmpago
Rasga aaurora

Somos um no pranto
E um ao celebrar
As pequenas flores garridas
De Primavera investidas
Os ramos que abanam
Entre as águas
Que escoam

E os rios se apagam

Ecos das memórias
Paredes
cristais
serenas luze
reflexos de águas
que cruazam
e se espalaham
espelhandpo a vida
de forma escassa....
enquanto espara
o seu regresso
o retorno a casa...


quarta-feira, fevereiro 05, 2014

Sementes de vida - tempo de novas idas... saída para voltar a entrar




As sementes e o tempo

Existem sementes no firmamento
Esperam o seu tempo
De fruir
De dar frutos
E assim descair


Entre os mortais
Surgir
E dar luz
Ao mundo
Que pareça

Estar a ruir…



terça-feira, fevereiro 04, 2014

UMA FLOR DE ÁGUA... uma semente de esperança... numa mão de criança

São os montes
Os cons
De outrora
Da roda
E senhora





Em si mesmos a se condensar
Entre os campos de sonhos
Entre os sonhos
Medonhos
Existem pesadelos





Fantasias
E desvelo
Daquilo
Que ainda está por começar…


São essas as melodias
Escondidas
Sonhos
Magia





Que vale a pena
Começar a crer
E concretizar





No tempo no 
que os templos descaem,
nos que os fantasmas 
se esvaem
entre o tempo 
e as gentes 
que saem



Existem luzes de vida
Ancoras sólidas
Casas pristinas
A nascer



De entre os sonhos que se entrelaçam
De entre as fantasias de tempos tantos
Que se partilharam
Sem querer
E sem querer ver





São os momentos antigos
Antes dos tempos idos
São aqueles que hão de voltar acontecer
São os passeios de mãos dadas
Desta vez



Além da estrada
São melodias de quem é verdadeiramente
Feliz
São os contos de mais não acabar
Almas entrelaçadas
Numa mesma música
Melodia ao entardecer





São os versos que se não diz




São os momentos nos que
o ser e alma
pairam no ar
E as estrelas



Descem
Tao belas
Sementes
Novos
Vivos



A despertar
De luz a germinar
Entre os homens 
e os comuns mortais



São os novos fogos de  S. João
Pairando no ar…




Entre o luto de quem parte
E a parte de quem fica
E vai
Além da arte



Que se esvai
Existe a linha
Antiga
Que convida
A ser mais
Do que o que se era d´antes




É a memoria amiga
De uma estrela
Num certo dia
Ocaso
Nostalgia
Chama sagrada
Dourada
Que mais não
Se vai
Se esvai no tempo
Se transforma em momento
No que os amantes
De espelho
Passem a iguais



Nos que o eclipse dos tempos
O ocaso dos ventos
O silêncio
Seja ainda mais
E de entre os restolhos
Algo novo
Risonho
Sonho



Que se transforme
Em árvore
De fruto
De galho
De flor e de talho
Que sombra faça luz
Onde outrora havia
O que era abismo
E menos valia
Sejam brilho
E alegria desde o profundo da alma
Uma nova
Sintonia





E aqueles que desesperam
No medo de si
E aqueles que esperam
O ressurgir do porvir
E aqueles que simplesmente vigiam
Por medo a sentir
Os que se mostram
 E demonstram
Sensíveis de si
Pelos frágeis
Pelos quebrados
Pelos tristes e cansados
Pelos palhaços iluminados
Que mais não fingem
Serem tempos sacros
Serem belos anos
Pelos que se encolhem
Porque sentem
E sofrem
O que podia ser
E mais não é
Pelos que amam a vida
Um rosto
De homem
Ou mulher



Pelos sonhos desfeitos
Pelos que nunca chegaram a o ser




Pelos que aflitos esperam
Os tempos vindos
E o que há de ser
Por esses
Esse teu sonho
Não pode morrer


Por esses
Essa tua vida
Terá de poder
Vir
A ser



A promessa sublime
Subtil
Enlevo
Em segredo
Mostrado
Escondido
Esquecido
Entre os momentos de um dia
Feito olhar de mulher…





sábado, fevereiro 01, 2014

Estar preso e voar - divagar





Encontrar no coração
a causa
de caminhar
estar preso pela mão
e na mão
encontrar



o sustento
maior do que o sol


o pão
de amor


a vida
entrando
e saindo


para além
do que podia supor



algo bem mais simples
do que possas imaginar
algo concreto


e discreto
ao ponto
de não
mais
o poder
encontrar



viver
como respirar
pensar
em o fazer


deixa
a vida


divagar


até
um outro lugar
onde o querer



se faz
poder..



poemas
em circular...