Música

domingo, fevereiro 28, 2016

A BARCA A ARCA DE VIVER ESSAA BARCA SEM REMOS SEM VÊLAS QUE ASIM HA DE VOLTAR A SER - ORA A BEM DIZER -SER'A A SIM QVAL UM CERTO VALE QUE ORA SE ERGUE ORA TAMBÉM...




UMA MUSICA ENTR'OS OLHARES
POR ENTRE O SOL A NASCESTE  DA NOSSA VIVA A GENTE
A CHUVA MAIS PLENA MAIS PURA MAIS BELA EM ARCO OGIVA SEM MAIS A SIM qual pistis sophia e sophia sem se saber - aver
i gual


assim qual uma arcada uma musica a prenda que jamais disse nada
e entrias lides e ledas palavrasde chuvas também doiradas asim as mares e as marés - assim bem sabem rumar ora a vogar e dizerem qval  bem - vê
j
as
assim uma usica entr'as três uma prima a primeira outra fez - escuro sem saber - ver o futuro e advendo ora vendo oraasim - viu - do breu  d eum asfalto a rosa vermelha IGNEA de quem faça falta ora faz tanto -a sim  ravores d everdee fruto e gentes que ao d«futuro diziam .q eu b«nem em bruto o seu fruto - permutasse
assim agora bems e faz um sonho um fruto ao futuro que ora assim
conjunto - de terra ue bem sonhou  que renasceu e bemficou -a ssim qual um sonho ra casta idade que bem dissesse um apstor a casa ais branca de negro e vestisse em verdade
e quando  - sonhar ao juízo aos juízes e ao julgamento que o que vale mais importa e s eves tee investe por adentro sonhou não apenas nem por si sonhou um mundo maior que ainda não VI
por aparecer -a sim um Mundo que se erguesse a onda carácter e virtude  era mais além de poder
assim marinho pescador sincero que era mais além do outro do tal do... 


LVS
T
E
Q
VER


o - e


 q
v
ando 
as
sim 
- um tal veio -
A
R

E
C
ON T AR


que via crianças no futuro a saber mais


- e crianças sempre a saber em der redor dar a volta e voltar 
con
sig
o
ali
mais
além

d'
 aon
d
e    a
d
v   ê
m



per 
se
 ver
(aindaiandando)
@
n
d
o

c
rer 
o
q
ve
ov
t
ro
s
A
b
e
nn
d
i
s
s e      r a
n  n

ainda que - como este -
 desde as ilhas 
desse
tal
 império 
"antigo"

'nda' 
s e 
d
e s
d

I

z
e
n         n
d
i
s


f
a     r
ç
...an     do...









ASSIM  DES D'O NADA musas
assim leres as letras
veros
albos c'eos iluminados os teus olhares nos meus a simnunv«caretidos nas retinas 
nesses olhares nascem meni nas
assim de bem estar a bem diz
er
em assim estrelas em estradas por entrias pedrasde augoas 
pasadas novas lides
novas trovas
novas as linhas as briosas estórias e as RAIZES MAIS FIRMESORA MAIS BEM
PUJANTES assim de vermelhose tingem tais as que hab«via - D'ANTES
e assim .- tronco enor mi dade e ramos quais braços  asim entrelaços ao bem se doarem e do ar a simcistal - floresde vida a iluminar omar as trevas por entrias ditas e non ditas SER RAS
e as augoas quebem se vejam - por netrio s laberintos mais infinitos que baixo pés ainda so bejam e quantas as
volu tas que sobem espiral 
des er ainda
porencontrar e as que sabem e sobem e crital se tem ora se transformam nem bem nem mal - dizem fragmentar em si mesmas  aluz mais bem - non consomem - e dos azuis e cos de cópulas sustidas nonas de onte nem as de manhãs assim as mais bela ao hori zonte assim apontadas torres cristalinas lagrimas lavaadas
essasqu brillam quais batentesd eporta fechada quesabem ser esguias por entria o aman
he cer
e por entria doirada mad ru gada
e assimvenhem e vam e esvoaçam na palma da tua man de irman dade que o coração de ser de leal - de lão apele ao verdadeiro - coragem - de bem as transformar umas as volutas desde o chão - ingreme ora ver velho - assimdesde o ceo as
severem - permutar de verde ora azul ora non sendo - assim negro
e quando assime também abem a dvirdesdeas mais altas torres -a simperfumadas desssas outras marés dos dias da smerias e tantas gentes- cocilio de gentes madas asim menos se sabe e menos se abem mostrar apenas nas noites aqui sanjuan inas alí de son xoan -assim quais leitos perfeitos de xustos que foram dreitos assim os ossos da terra expostos ao de cima assim nouro lugar as lagrimas que as bem preforaram as orelhas integrasnunca trespssadas dessa a terra a rocha mais firme e das augoas essa que sabee que absorve tudo o que  avida em flor de amor - agua de ceo - redentor -a sime também suave e soblime  assim quando a lago asim quala lagoa de bem ser espehado assim s abe ser lado aldo qual uma a ve qasim bem - mostrava ora trova ria
assim saber encontrar a memória amais doce estória por entrio o que bem mais - se transluzia
assim - um
suave
estridor um estalido de coragem e de fiel amor a ssim um aharpa segue JAZENTE face rodada assim nas madeiras nos predios porentria roche jaz -a fundada UMA OUTRA  JAZ BEM OLHANDOE UMA TERCEIRA NAS AGOAS - SEGUEA PER
FU
MANDO

assim  aguas de oiro pedras doiradas por seremtrasnparecidas pela aurora ora pela madri«ugada a sim quais ser assim qual venha  chegar asimumarocha vivente saberábem chamar a sim a prata ardente se vai transformar e doirado ser PRESENTE EM PRESENÇANOS IRA falar ASSIM QUAIS OS ACORDES MAGISTER ORA MAGISTRAIS os vitrais que consorte assim maislém vir oumor
assim s ejam bem reais -e quanta sas viasas vidas e os VIAIS que sigam e sirvam e er se
vejam os eus ANCESTRAIS de novo advogandoora ditod e outra maneira eg
regios assim também s encontrando uma a oura bem atrovaram e sendo smeprejuntos cegos non a destacavam - assim uma espada d eunir  uma de saber reunião uma de ser da luz outra a sombra da sua pro
pria RECRIAÇÃO assimouvinte o ser impavido  serena a sim a ocnsciencia
a pel a masi alta ora amasi amena assim qual um con seg vir  asim um ser a se gvir a ssim ais leveemasi e f mera assim essaa ue lide e quem também non se intro met ra - assim qual o saber entrelaçar a sim cantoao somao ar asim qual o
ser con cor de concordia a sim bem sempre em nós e nossa sorte de fado dis farce de mor inha alinha entre entiados - e da soidade AÑOR - an ça - ANORTE AGNOR ASSIMAO MAOR AOFOGO MAIS FORTE EPL A  ESPERANÇA

umapalavrinha um verbo zinho apenas uma vir
G ul INH asim nso entretecemos e quando asim bem vejas e masi cover tvde  assim sendo amesma a patria nos bem acode ora maisem s eo  clv de



a noite sagrada - nuvens em branco
e a gente ja mais no marcada livre esparnto! ora esperanto!
,edo mai salém de quem de são francisco as ruas as opçoes a svivas orações que nem soubenemse deu -a sim - um trovisco asim uma g«hora reve asim um turbilhão um lampejo pro amor a sua nima emepito - benha e eleve
assim electrica suavi dade
assim sem ter de guitarrar pedras nem rolar as idades assim sem ter de s er quatro que bem dissessem (mother mARY SAID TO ME) que um seja ou fosse cego depois d eviver mai além do que nunca vi - de oz a ssim uma cidade de esmero por entria slinhas desse tal - paralelo
assim assim bem se dizeme seguem dizendo que correm doiradas mara ddenrro esse amor a maresias a sim quais profetas cegos e que bem assim vias
assima s vagas e osabera c«vogar por entria gete e atenda quem ebenha a tenda a chama jamais a parar 
assim uma musica prenhe plena de luz ed evida que ora a cçºao qual sem raz~~ao preenchendo a outa VIA assim uqal espera oraa esperança qual q«cantico de anio d«leve um passaro azul - além de ser criança
assim um sonho em letras doiradas que leve ali ee além ao lgar aonde são as letras re
cri adas
sem terem recreios sem teremdee star a sim - por entrios vivos os mortos os feios os mais bem JEI to soso assim uma letra de ver DE VERDDE DE VERBOS HONRADA E DE CLAMORES expostos assim ao peito rosas e pefumes variados que a brindo quais passaros de luagres mais non en gaios lados  assim  se sabem bem ler na prosa na linha desta nossa lide RAIA  JAMAIS A CON VEN CER asim as agua smasi pequenas dos regatos masi amenos esses tais que bems abemos hão de seguir a vogar a
nascente!
amais além do nosso brio -a PONTE! essa que vem do ZÉFIRO cor de azul entrio o dia se deixar despir e esse chama . MAR - DE BOA - MAR PREA - ASSIM SEM TER DE SER ALAM
PREA  ASSIM MARUXIAS DE BEM ENTENDER QUANDO dor o thy
C
RAVA 
CAIA
EM 
CIMA
 D
 A 
D
ESSAS

- "SOCAS" - 
QUAIS
 VER@'S

VERMELHAS 
PURPURAS
NO 
CÍR
CVL
O D A
DA 
VIDA

SEM
PRA
'
G
VAI
S


HAVIA 

ali
T
AM
M

- bem -
se 
P
ÓS
S
 A 
M

EN...
CHOR
ER...

EM si mesmas as musica nada nos dizem - os tempos dos que as ouviram as gentes que nelas creram as - dos canticos e os tais  - saltos- altos preenchidos  os salmodiados assim bem encontrados e anotas as livres notas

desses da eter nai dade assim aos canticos os locais as locas preenchidas dessas 


janelas bem preenchidas dos lugares dos eidos ainda mal olhados od slugares aonde as nossas avosas as vidas - comovidas asim se reencontram - no amgo - no cerne - no centro - papitante
numa 
A nascente de aguas finas quebem apuramos quando as bebmos- felizes nos reencontramos quando a sede de vir a haver de as viver de novo 
ah!
senon as vivenciamos
se non as - des
co brir
mos e so
rir
mos por entrios dias os meses os "anos"

até bemsentirora sentir mo nos asimd e novo ao reencontro desse sonho lhar ao de cima desse lugar...
senhora - comprometida - desse sere desee etar - sem ter de ser a se con vo calidade com vozpereneidade com essa tal qual a nossaq ue em silencio bem se  xprime mais se xpressa e bem nos toca por a dentro assim bem além do sentir SUAVE A LENTO
que os CONGREGUE
QUANDO BEM NOS COMmo va
quando bem ns alegre e masi e menos seja leva asim de viva boca
de alegria mordaz e masi alémse se pode se se sabe  saber amar a saber
vogar asim ao centro ao cerneao que bem nos preste qual a
uma estria aum atal sintonia a essa suave idade mel o d ia a ssim entria anoite maisluzidia por entria o dia asim nos ilumina e bem nos chama e mais a sim nos proclama a sim em ome forte e vero assim prodnetro mais além do zero assim qual uma realidade sem ser nominada ora nminavel e uma tal  força que bem ais al+em do pensado do passado para o futuro mais non - es cravo asim bem presente quando O É
e quando se desfaz PATRIA AUSENTE 
PARA QUEM A 
SENTEE 
E PARA QUEM ASSIM SABE - VER
E A
SENTIR E A SABER VOGAR
A VOLTAR
DOAR
ASSIM ENTRELAÇNDO ESPIRAL DE BEM VOGAR UMA AO ALTO BRAÇOS ELEVADOS
UNIVERSAL PUJANÇA POSANÇA DE POVOS 2VARIOS2
ASSIM OLHARES AO ALTO  ASSIMBRAÇOS ELEVAR E ASSIMQ UAL UMA NUVEM QUAIS AS AVES EXPRIMEM ORA EXPRESSEM  ASSIM UMA TAL - LEVE NATUREZAA SIM QUALA BRISA BEM MAIS EXPRIMIRA ORA BEM ESPESSA A GOTA DE RUBI ORA A NASCENTE ENTRO DOI E RAD'O - ASSIM UM TAL SER DE LUZ PORENTRIO -   SER DEOIRADO- ASIM BEM SE SABER ABRIR E QUAL UMA URNA CRISTALINAIDADE A SIM QUAL AUMA MENINA SEM TER TEPO NEM IDADE SEMSINAIS ASIM DE CIMA ORA DE BAIXO SE BEM ENCONTRA NESSE - LUGAR SEM
NOME SEM LUMEN SEM TER DE SER MEDIDA APENAS O REFELXO ANTIGO E A SUA IMAGEM INVERSO ASIM INVER 
TI
DA


E UMA SINA E UM PESADELO QUE SE TORNA SONHO - VERO E UAOUTRA SUAVE VIVENCIA POR ENTRI A AIMAGEM O SER QIS E COMFORMA O QUE SE CONTORCE ORA CONTORNA E O QUE AIND A ASIM BEMS ABE E PENSA AINDE  COMO E A QUEM SE ENCONTRE ASIM TÃO BEM
ASSIM UMA MUSICA PODE
DES
POL E TAR ASSIM UMA MELODIA DE AGUAS VIVAS DOMAR
ASSIM UMA LEVEZA ABRIS A NATURA A PRESSA ASIMAO DE LEVE A NOS TRANSLUZIR E UMA CHAMARADA DE FOGO BRADO DE humanaidade  ASIME VERDADE TAMBÉM BEM SABE A SIM  SABER - SEGUIR

E QUANDO A
UM ROCHEDO ANTIGO PLENO E CASTO
GASTO DE TANTAS ERAS DE TANTAS QUIMERAS DE TANTO JOGO E REPASTO  ASIM ETAMBÉM NEGRO ESCURO PÉTREO SABE BEM TOCAR EOUVIR O PALPITAR POR A DENTRODE UM TAL SER  E SENTIMENTO DE AINDA ALI E TAMBÉM BEM VOGAR
EM AGUAS DEVIDA CALENDAS 
QUENTES AS PERSPECTIVAS DE QUEM AS BEM SINTA E A INDA MAIS DE QUEMBEM AS "ENTENDA"

E QUANDO ASSIM . NA BRISA - AMAR A MARINHAS A SIM POR ENTRIAS ROTAS E A SNTIGAS RI«OTURAS AS ESTREL INHAS ASSIM E TAMBÉM SABE VERE OUVIR EADVOGAR ASIM E TABÉM NESSE LUGAR SEGUE ENTRE SI - DANÇA
SEGUE ENTRE MARÉS E BRIOS E ALCANÇA ASSIM DE BRAÇO DADO - BRAÇOS AO AR OSILENCIO TODOE PLENO QUE UM FLORESTA SEM MEDO SABEASIME ATMBÉM IMPOR SE MANDA  E  ASIM SE RECONHECIDA ORA A SENDA ORA PERSONAE SE E SVAI - DESVALIDA QUAL UMA PÇACA DE GELO DE R R E TIDA
ASSIM UMA TAL - ONDA DE VIDA
POR DENTRO AINDA JAZ A AVE - SUSTENDO NAS CINZAS AINDA UMA FA
G
UL
HA A RDENTE QUAL UMA AVE  QUAL UMA CINZA ORA CINZENTA  SABE SE E SGUEIRAR SABE SEGUIRA  VOGAR PORENTRIA  TEMPESTADE OFORTE ALENTO E O CEU - OS CEOS PLUMBEOS NEGROS CINZENTOS ORA SEM ALENTO DE VIR A CHAMAR
A VIDA ASSIM QUAL AAVE CONTA E PROMETE SME NADA DIZER ASIM QUAL A TERRA inteira SABE DIZER AO SE BEM DEIXAR ENTRE MECER
ASSIM QUANDO UMA LEGRIA TODA PLENA E PURA ABEMDIZRA RASGUE SEM TER DE  ETAR SUJEITA A UMA DATA QUE SEJA A SUA 2CONTRASTE2 ASSIM UMA MELODIA NUMA CAIXA DE ECO COM UMA ENTRADA CINCOLINHAS E UMA STRO DO MAIS AMOR AOMAIS VEL A DO'IRADO - ASSIM UMA ESTRELA QUE OUTRA TEM EM SIMESMA EM PENTAGRAMA - PENTALFA - FECHADO - ASSIM DIZEM ASIM ACOMPANHA- UAM JOVEM AOUTRA VLHA A E SSA ATERCEIRA IGUAL  - TRES FACES UMA AMARGA QUIMADA TALVEZ OCULTAPARA QUEM NONA VÊ

ASSIMA AVE SABE E REPOISA NO PEITO DE QUEMMAIS NECESSITA E BEM SE ILUMINA E BEM ABRE
PORTAS QUE ALI E TAMBÉ SE AGITAM E QUANDO AS AGOAS EAS PRTAS E AS GENTES E  LUZ TRANSPARECEM E HARMONIA NEM AIS
QUENTE NEM HORA AMAIS FRIA
ASSIM SORRI
R EM EM TI E EM MIM SEM PARTIR ORA PARTIREM NUM SEPULCRO DE CRISTAL EM SEU NOME UM BEIJO ARDENTES EM TER DE SER DE HOMEM -ASSIM QUAL UMA FORA E UMA COMPLACÊNCIA E UMA SUAVE LONJURA MAIS AL EM DESSA A TAL ...CIÊNCIA...

ASSIM QUAL
UMA DANÇA QUE BEM SABE QUE SOBE E APEL
ASSIM A ESPERANÇA  ESTRELA ESPER MAIS ALÉM DE JARDINS DE BEM QUERER ORA A JORRAR ESSE DELEITE E MEL 
- AO DIA - SEM PAPEL - ODES DE VIDA SABER CONTAR OS NOMES EM LETRAS DE VIVER ASSIM HÁ DE SABER DE NOVO ENTRELAÇAR E QUANDO ASsIM-C ONTANDO PERANTE O ULTIMO ASSIM AO PRIMEIRO - DIZENDO OUTRO TANTO COMEÇA UM NOVO DIZER - DITAME SEM TER DE A DIAR E MAIS UMA 
- época melodia -
 sem ainda 
sem
ter 
PRINCÍPIO
 ora a bem

 dize
r
n
em
HAJA 
um
F I N
AL






assim as enrelaçases tu que bem também sabes e ouves e passes
e quando asim bens passando d emansinho teu doce encantopara bem ver ora mostrar a luz mais non se duzida asimlivre fiel de balança amiga ao teu cor a ta beira amizade integre orainyteira e quando sime atmbém bem dizendo - que essas aguas de sal de s aber amar a pel a eplam ao sentiro suave A LENTO de suave marsia que bvem por tia dentro e bem sabe oq uenato e que m mais diz sem ter de se desdizerqual esse outeiro
sol
e tário que apnte ao mais alto aomais info«imo do ser - diário - assim 








e ouvindo a claridade a mais veleidade e as mesmas forças de ser
sempre'a der redor - uma que fosse coragem uma espinha de ser "protector sem ainda chegar a convencer e uma de . cor a cor - de outra coragem sem ter de se saber ora ouvir ora la bem chegando sentir - assim sentimento em devoção e canção o a sentido a sim qual fado do ser aind apor vir  aver a sim. uma musica que se tinha deixado qual promessa e "vieto" - e  por ai a d'reito e ainda por se a ver-...
seja por o ser
seguido seja por ter la chegado lá estado - e das chagas feito repoiso e dos abrigos umgar de encontrar e dos sentidos aos sentimentos os mais  lestos o smais lentos a sime também saber
am
par
ar

HAVIDO"
por 'a ver
apenas 
estar
em
- sem se deter "


e uma cesta a sim entre palhas e palhos e  getes d emedas asim entretecidas que no cimo um ninho de cucos de pitos reises desses que anunciam -a madrugada alvor alvorada ao fim da noiteaoutra afria -a queimada a sim qual  be dizendo que uma des er asim também lá estava e um que també, assim bem se dera ora b«mais bem amasse a sim qual um caozinhoq e nem ia nem viha e a todo o lado - ora chegara ora a sim os ultapassasse  diriam que nem chegariam a CIDADE essado mago em voz de cristal assim vestida ora investida quando asim chegar mos ambém a nossa voz


assim - os cinco elementos e um a encontrar nesse algo verde de filamentos - asim doirados -intuitos sentidos ora sentimentos mil e metrias assim mimetismos por entr'os abismos flores mil vão umas a ponte outras a sorte cair mais non - devam  cair no destino apenas a plum ora a espeada e ao equilíbrio o "pomo" -  que assegure a porta está sel a da asim qual bemsejaa sim bem se perfaz 
q
v

t
al 
p
er
f
ei
ç
ão


em face amada um a lágrima na prata escava assim qual bem sendo assim alegree rimaa simpro a dentro risos e rimas e as bem . maiores - essas avgoas senhoras sen hores
assim quais bem perfaz eire sem meio nem método nem escada'
 escavada 
p
or entrio
 o 
t
udo
oe o na
a s
s   i
n     n
 a 
p
el

q
v
a l v
n    n
p
e
l
i
ca   no


 as
sim
 b
e
m m
os T ra
n

d
 o 
q
ve  vn
  e  
e
nn
T
r
e   s  e 
a

l
a
g

r
i
n      n
 @ 
 n       n

a
I
s







AMAR
FAL
A
DE TI
nesseaabro - vermelho - pungente que o tambor em der red or assim te dizser transcendete asim qual abrisa assim te trasformes 
em cor de vida e ser de mor
te
assim qual ver de dia ora ver denoite uma maresia assim concenso
assim a luz do dia - o mirar a miragem ao fundo o momento de reflectir
ora ao expadir tudo o que também vai con des cendendo
assim - uma verdade  verde sem ter tempo nem idadeem ceos olhares em aguas trespassares
e azuis quando bem sejam reflexos asim olhados e transparentessempre os teus os meus olhos sem tabuas
rosas
sem esquirolas sem quila ora velas avelemenes assim ao longe enviados essas as cores de linhos e linhas gens que tanto bem espramos
assimquandoa luz do marse conduz num faro AH FAROL que bem transluz asim em der red  or  asim a luz de  amor quando
tam bém regres
sem
assim os que  levaram do ar a dor
assim trovador asim trovejare relampejo assimo fial de amore asim seu fiel ensejo  assim qual uma letra se disse e para e uma palavra fosse qual vida em si mesma a H O RADADA
honrada
assim qual um teclado um piano magico conco meias trezes escravas um atoda plena e cheia a ultima a oitava 
AFUNDAMENTALque pefores sorte e linha e o coraçãoa sim bemreal se inflame ora implode  assimexplode aover
t'amar
assim quala tiara que tambémem nu
n
ca
ver
asim em fote mais non en
con
tr'a
aquilo que nem
"peso"

de
 ter

uma pena 
- uma 
MENSAGEM
 u
m
a
 ave 
p
or
en
T
r
'
a a
M
ais
F
ria 
ar 
agem
assim qual so pe sa r
as
sim tu que também penses e menos
bem
pen 
saras





f

I
r
n n
e

 em 
si

so
m

e
p
es
ando
















sábado, fevereiro 27, 2016

AS VIDAS OS SERES VIVENTES NEM SE COADUNAM NEM BEM SE ES Q VENTAM - MUITO MENOS ORA AMAIS - BEM SE ESQUECEM DO SEU CERNE PARA AOND' E AINDA' SEGVEM


UMA LUZ - DE OIRO CRIANÇA DE A ETERNA IDADE QUE JORRA PARA DENTRO DE UM CADAFALSO EM VERDADE IRRADIA NOITE E DIA E AMAIS DEIXA DE NOS ALEGRAR DE JORRAR DE SORRIR E DE ESTAR ALI SEM TEMPO EM SEU FUNDAR AL EM
 LUGAR SEM MOMENTO PERENE QUAL VER DOR E SEGUIR SEM VERGAR

uma certa Árvore  sem ter de a definir e uma certa - existência ora essência sem ter de aprovar ora asim aprovar ora 'ssim menos GERIR que nos ama e nos bem concede e  com a sede de se estar ali e mais além e de novo - mal qual aguas de saber renascer por entr'o brio de perman ecer
"de novo"

sendo qual povo que bem evoca
s
s
e
quando bem lembra a outra que talvez

ora 
non 
p
asse

essa lamina de cristalina prata que bem aparta e mais bem delata qual a sombra qual o som que  entre a dor mecida deixa estar por entr'os ecos dos locais - dos recantos de bens gerais - a sua dita ora desdita sem planificar estando sem se deixar encontrar assim a outra forma sem força a vogando
ao nada ao medo ao  degredar o perman ecer
sem selo estando sem ter de a suportar - nos - permeando

até que mais nos anime o - que bem nada  mais vogar nos eleve uma - lapide qual barca ritmada

e quando assim

desd'o brio do calor
de relação em ponte coesa de coração a coração de um tal - vigor que bem jamais se entristeça
ora a bem mal dizer
se bem
s'e
esqueça ora se deserta a terra toda viva assim qual uma pétrea ' vítrea
planície

esguia
a brancura
a
tal formosura 
mantos de bem per
fa
zerem 
- os tais e mais delicados
agulhas de sinas sinais que nos bem querem 
lembrar





de 
todas as noites de todas as rodas ainda por ver partir e dessas qu'ntre 
HARMONIOSAS



 ESFERICIDADES 
sabem bem 
se encontrar 
- se entrelaçar e s eguir a suster ora a sur girem por ali e além e ali aonde quem bem alumie espr'aça e sopro do ser criança e não de um outro mais do que mar - morto que bem assim segure
uma tal personae uma tal mascara ora cidade dit' dita tombada pela incertidume de amor ao nada de uma 
placa de ser assim adorada
de uma maneira deentretecer e se indo sem se notar a valer ao vale de anoitecer de que tantos etantos - nos falaram tanto..
pois regressaram - ora cinza por entr'os cinzentos que de novos cantos vivos ora garridos - pintos se bem - "curvaram"

e as novas cores vistas entre o cinza das sombras - eternas ali aonde se elevam AS LUAS apenas - sem ter de ser nem SOL NEM CLAVES DE 
FA 
ze r em
assim uma HARMONIA perene entr'o que de mais além do VER´mel
ho
manidade possa assim querer es quen cer

e quantos mais se saber 
a sumir subindo desde esse lugar sem espaço desde o tempo sem ter de ter - tempo
a fria memória ora amais candente para que nos ecos da nossa viva
 ESTORIA 
AS 
"ESTORINHAS"

PERMANEÇAM

para 
as 
GRANDES PEQUENAS GENTES
(...)

que agora ouvem - ecos de outras vezes que o mar assim 
so ço bra
ra
ora brado de vez em voz mais não silenciosa apartasse umas e outras e lhes dera sua CONSORTE
desde a ilha mais antiga desde a gota mais bem prendada um milagre uma vida uma força ou tor gava
e um lugar entr'os lugares a cada qual sua sina seu destino sua vida assim - convidou - e unindo ora reunindo ali - e mais além também a bem se ficou..
agora desesperam outra despertam os que bem sabem ora ouviram a saber
qve 
entr'as 
ondas 
da 
Sol 
en
i
da
de

por
 entr'os cânticos e recantos 
dessa
 veraz 
lealdade

ainda 
se 
sabe 
bem
SENTIR 
ora 
bem
ao
se
bem
t
a
m

e
m

saber 
ouvir

-a-   
COMPLETUDE 
APEL
AMOS
sempre!

e
as
nossas
ci ca t ri z es
bem marcadas





ainda bem ressoam que uma e outra num espelho de ser ARDENTE mais  aond' agua - pura e plena - mais bem possamos nos ver e non mais ferir que espelhos de graça e de pureza rasgados partidos - estilhaçados - fáceis de ver por ser de se entregar - ora outros de chama . pura dessa de forma  e foprça a doirada - são de julgar por a dentro e quem mais  levante a mão menos a vai ver trespassada

para outro lugar
outro tempo - outro "lar" a onde o tempo o calor o fundamento de viver
de mais de um sentido ao sentimento
e de mais devo
cal
i
za
ção

ao 
cor 
da 
vida 
ao
c
o r
a ç
ã o

 q
ve a
 svs ten
H
A

ali e mais além ais do que se possa pensar e muito menos definir ou falar - amor non engana - nem as filigranas prateadas que possamos entretecer  chegam sequer perto ao espelho - do deserto 
- veraz e ainda vivente que jaz em mim em ti em quem bem ainda o sente...







sexta-feira, fevereiro 26, 2016

POESIA É SEM SENTIR SEM TER SIDO - SEM POR VIR É SEMSER E AVE ASSIM LOQVAZ PROSA AO VENTO SEM TER TEM@'SEM FVNDAR VENT'AI SEM * MAIS


todos os d ias
um
A
b
RIS
A

um
suspi
RO
uma leve
leveza toca
nos
nos toca com certza
de um tal au gur ao ouvido o sentido o sinal o sino mais bem badalado quando ha ja HUMANIDADE plena
de verdadeira
cepa
a
pura
a
chama
a chamada
a formusa
cor
de
cor encara
face a face son ros
ada
assim se vê flor se dente
que paira por entr'o o frio o brio e a forma e força de se a 
braçar 
em as
NOS
SAS
GEN
T
ES






UMA FLOR BRANXCA A MAIZADE SIN CE RA Assim palavra
de vid aoraa - sua
vereda
assim a palavra mais queda mais bem por A d
en t ro
 é

e r     e s

s o a
n d o
assim qual um am par ar de passos de uma terra 
ÍNTEGRA
ORA INTEIRA
assim
QUAL TREMOR POR AMOR
ASSIM
TAMBÉM VIBRANDO qual HARPA ORA HARPISTA que sem se ver assim se entrega na hora no dia que também se vista de forma de human @ idade e pedra
ASSIM ARDENTE que bem sabe além do amor e do amar - SER PRESENTE
assim qual prendada
a flor de estar
qual uma estrela
N   O
V
E
R
D E  S
do
 ar 
AS
SIM 
ao 
SOM 
d
esse 
A
 b
em
SOAR

 v
e    n
h
@
'

s

o     a 
 n 
d     o

s

e   j  a 
só            se
j
º
A
p
lena
p
LUMA
e
plumbea nevoa
qual 
vereda na pen um bra es trel a 
d
@
'
s
 e

em
 p
len
i
tude
também se
des
di
GA

asim qual a cor da coragem quesendo em vereda se bem 
vis
lu
m
bra
ss
e
a
senda
assim acesa
ora acendida
a cor de tal coragem prenderia mais de mil cores de corações de mil vetas cristais
assim acender ia
e qua cor de ver ao verde planta de viver  asimem verdade
ao ser des
deo
ser
NASCENTE PEREN
'AIDE
sempre
aspirando a
 e
 ele
var
mais de uma de duas
cor
d
a
m
es

corais entoando por entrias maresias dos nossos antigos dias CINZENTOS CONZAS AS BRUMAS VAM
DES
PER
TAS
ORA DES
PER TANDO com a cor desse
A
sem ter de se saber de cor a sim no doce
mom
en TO nesse fiel de balança or@'sem fundar despertasse o dom desdeo SER e AO VOLTARao SER assim proventurA
RE GRES
SAR

assim qual espera ora a esperança qual uma prom
essa
ora
a fiel CRIANÇA
qual a UMA fina ora FIRME 
TAL FIRMEZA EM HUMA
NAI
DADE

assimq ual uma tal CRTEZA POR ENTR'A proverbial mater
IAL
puberdade
assim qual uma paternidade se esvai na bruma e uma maternidade ora SOBRE S
S
AI
ora se escai na ES PUM O
SA
mais bela e  con sa GRA d@'sempre a sua
luz os s eus v«cabelos de entr'as ondas
sal gados os sues perfumes
da mar desd'a MARES I AS
assim por ventura L@V@D@S

e um
cer
T
o
dia ora a noite
espranto que d anoite ressurja o ser o seu fel
SO BRE
SAL TO

quando asim da noite A MAIS ESCVRA
renas
ÇA

RO
nn
essa

que mais bem nos  GUIA
s
s
E
meias
medidas sem estares
sem os mais condignos PARAMENT 
OS e SENTIDOS ORA AMAIS ALÉM DOS SENTIMENTOS de vo
ÇÕES
em cor
DAS
selene
luz perene sustendo qual
as d'UMACERTA HARPA
que segue
a tan GIR
sem sede
TER

e um  a  tal cor a ROUGIR qual o mar sabe assim sem saber  sal todo este assim se per
fazendo por entrio rir ora o CHOR
AR
assim bem cedendo bem ascendendo por dentro e por ai MUNDO A FOR
A
o nosso QVAL o VOSSO NOSSA MESMA voz que OR
A
SE
N
A

MOR

A

assim e sem ais
e muito eos desdit
@'sem
pre
ss
as
as letras que vão por dem @'SEMpre 
sem terem de estar em 
SOB 
RES C 
RI TO




seja
 quando 
se
j
a
"en
c
on
tr
an
do
"











QUANDO
AMOR 
A
CON
TECE

amar 
per
man
ce














AOS ABRAÇOS aos braços a prenda send@'sempre entrega o cor em corpo em coraçãoa ocragem amaparar sems aber quem comanda quems e deixa em prorpia imagem cedendo ora sedente que dura e se e xpande qual o peito e o ser palpitante que  sendo por dentro em der red or se trans f orma assim qual uma ROSA se ja em si mesma ao c la mor e sim assim um a son or i d a de cla mor o sa








TU até à ete
r
ni
da
de
repetida um A e M IL V e Z ES és segues se
m pre
ssas
sen do um
A Ta CHamA que prende e se desprende e renasce per
faz
endo
obra e via e ponte
s
de saber aprender send@' sempre livre as
sim
vai e cl
a m a
p
or
mim a fora
quan
do TAMBEM eu SE JA dOR mEN TE
e des
PERta
a
s
sim por entr'as duvidas do saber or a ' DES CON E CER

SE SABR'EI
SER CON
DES
CEN
DENTEA FONTE ASPIRANDO DESCENDENDO DESCENDETE O M EU CLAMOR O MEU FIEL AMOR SEGUE O FI
RME
FIO
até ao SU
B LIM
E
ainda
a d
VO
G
A
S
tu bem 
chamas
eu non
TE
ou VIR A
quando bm seja CHAMADO O TEU NOM e assim
AD MIT I RI
A


P
OR
OR
A
assim bem espada
que atravessas pele
e devoção e bem dizer
por dentro'
e
non deixas a mais do que 
NI
H
VMA
N
I
D  A
D
E
LEG
I
T
I
M
A
I
DA
DE

ASSIM AMOR BEM DESMENTE 
O MEDO A FLOR DA MENTIRA O AMOR QUE BEM SE SABE . NEM SE SAB NEM SE AD
MIR
A
N
AS
AU
G
OAS
ASSIM SE A FUNDASSE ESSA SVA FACE
 SVA DOCE
AN CHOR
AGEM ASSIM SEMPR'AO FVNDO DO FIM DO MUNDO UNIR LEVAR IA ATÉ AO MAIS PROFUNDO DO SER SEM CHAMAR SEM CHAMA SEM ESTRELA SEM ESPER SEM NADA ESPARAR SEM ESPARANÇA
QVAL
QUE MUNDO REV
N
I
RIA

sendo viv'enti
assim qual bem se e xprimiraóra assim tal pas
sa
ss
e
se nas letrinhas mais piquenas nos erros mais crossos
por bem ora'

ventvra
a tal
força VIV
A RE
POISAR virtude da plnata que é de POR VIDA
verde perene que mais bem se deixa e non mais quer assim bem ficar
e quala flor que permanece que sendo assim  FLOR - É O
POR SEMPRE?
E QUAL O FRUTO QUE SENDO - AINDA OIRADO - SEMPRE FICA E EM SEMENTE NÃO SE ENTREGA NEM É DE
NOVO
2M FACTO NOVO2 TRANSFORMADO?
e quantaaduvida que traz o saber e quanta sabedoria que assim
bem - DOA
BANHO DE S ABER VIVER A CRIANÇA QUE BEM SE DOA - QUANTOMAIS ABE  MENOS A BEM IZER 
A
E
S
A
L
ETRA
IGNORA E QUANDO BEM COMPOREENDE ed efine e APREENDE assim sua anima seu animo a adem
ora
de novo A 
P
RO
CVRA'NDORA
assim por entr'as luzes e o lus co fu
sco vem a nascer - a esperar a estrela que sempre a soubera saber suster tanto etanto ser assim ainda ouvindora vendo ora sustendo ora por dentro saber sem ter sabido ora ser seguindo a ter  sem ter tido o sentido - quantas as mem´rias vivas e bem - elo qvazes q«eos quentes de viver . tangentes quais as cordas quais os anéis quais as citaras quais os pífaros que vem me deis - quantos os metro sos hectares os cúbitos que sendo arredondados caibam na mão dos DEDOS SON ROS ADOS e dos fados deste e strno amor e das palavras deste se entre gar
assim prontr'as trevas a luz sej'a nascente desse pássaro ardente doirada flor sem nom
e ar
assim inflamando de rubro ao peito e de doirado em volta azul vivente ao ser de novo
e assim candura OH FORMOSA DAMA de veste pura que também por viva voz por nos diz que bem nos ama!
e sem nada dizer   na  doce - prima veril prosa
dessa . brisa desse querer viver - força de vida
que não se sabe
de
diz
er

assim -
não se poder poderia
deixar de e xistir sendo - e d eixar de amar pades cendo - e DESISTIR - seria - IMPOSSIBILIDADE
comentada
entr'os
versos
os 
pios textos e a saber
d
or
i a e a sua HORA
MARCADA assim FUGIMOS PORÉM
por entr'os ponteiros desse relojio
qual caixa de ser assim "caixilheiros" e nos fugamos e fugimos e vogamos por marés a eterna idade dessa a fonte a tal redonda na fron te a tal sem ter nascido a eterna i cidade e mais além de quem veja de mais ainda de quem ama e que menos saiba a onda e de aonde  advém desde ontem ao futuro a terna - na mão 
- A -
verdade