Música

quarta-feira, maio 29, 2013

not alone pt VI





Canto simples...
discreto
subtil...



efémero fundamento
maior e mais profundo
do que rocha viva
ou o seu mar das águas mil



que é clamor...
imenso...
pairando
- livre -
ao vento


sibilando de mansinho em verso 
entre o cabelo que remexe o tempo

video


ecoando nas vagas do mar na sua costa... 
como na palma em palma amiga
contando de forma simples…
expedita



aquilo que ecoa nesta nossa alma minha
canto do mundo em todo o mundo ecoando



Essência que se não vê... 
que se revela naquele, naquela 
que assim crê...




No que vai mais alto e de si se despoja... 
e nesse seu salto alto... 


desperta a Luz e abre a Viva Porta...
e por ela entra quem em nós mora... 
e aqui se faz ficar... 


 são as rimas do poeta, 
notas da melodia selecta, 
cores da palete milenar...



Quando entras nesse fino estado... 
cristal de quartzo biselado... 
linha de prata que eleva o olhar


vês mais alto, vês por dentro... 
vês o que te era velado revelar...



E pairas nas asas da brisa... 
com a palavra entreteces magias... 
com a visão interior vês cada ser maior...



e cantas a rima dos tempos, 
gravando teu nome em cada momento... 
ecoando por sempre no SER MAIOR...



assim entras... 
nesse espaço interior...



assim sentas 
- o teu ser no seu lugar melhor - 



é esse o caminho que se abre para o que se entrega por AMOR



Como a criança que abre os braços... 
correndo livre pela praia espelhada...


vagas iradas a saudando.... 
tapetes de ouro e prata 
dia sem fim que se acende por dentro ecoando...



- ela paira - 
gaivota estrelada, criança sagrada
 - entre o nosso íntimo firmamento...



 e é a vida, e luz e é lugar e é vaga e é mar... 
e é brisa e vento na cara que se expande na luz mais clara


e é grito que ecoa sem medo a nada... 
e é livre e feliz... por ser assim... 



simplesmente... 

assim...



É esse ETERNO que em ti mora...
E esse que te enamora... 
porque o sentes... 
o sabes... 



pois O deitas cá para fora quando o “dó” de teu peito desfaz o gelo que te aprisiona...
e a chama viva e pura desse teu ser... 


desponta como nova AURORA por entre os cristais dessa neve fría a derreter...
sementes dormentes desabrocham em Vida 


tocadas pelo AMOR MAIOR que tudo recria


eis o poder que se não impõe,
que se não define
que de si nada diz 
- mesmo falando em tudo e toda a gente -



eis sublime... 
que te fala somente a ti...
com palavras que a vida gera
 no seio de quem as entende...



eis a essência que te recria,
eis a força que te motiva
eis a verdade que se não questiona... 
eis habitante além da mente ou memória



eis o som do poema criança
palavras de recriação
linhas e frases que por si mesmas falam
cores que brilham sem luz nem sol



e uma branca flor te ilumina... 
paira em teu redor 
te reunindo em sintonia... 



água clara... 
névoa celeste...
verdade escondida
clareza pristina 
visão interior
ser maior
olhar cristalino
além da aparência
pura essência



sorriso sincero fragmentando o destino
porta aberta, 
luz secreta, 
vereda velada
porta sagrada que a mente engana..



de novo és a Criança... 
abres os olhos com graça... 
vês a tua eterna herança... 
mundo novo em novo peito a surgir... 



veredas abertas, misteriosas descobertas...
 todo um mundo de vidro e luz a conceber... 
se expande entre explosões vivas 



se geram novas sintonias...



 gaivotas pairando no ar, 
pisadas na areia de um profundo mar, 
vagas antergas, 
rochas primevas... 


mundo novo a germinar

círculos de histórias que nos preparamos a quebrar...
verdade latente,
eternamente presente,

prestes a se revelar

video


terça-feira, maio 28, 2013

not alone V




Algo nos conduz além da incerteza 
que reduz o nosso Ser ancestral
Algo nos revela a beleza
da nossa essência ORIGINAL

Assim crê... assim sê
e verás como em ti se revela...

como semente que desespera
pela sua PRIMAVERA para germinar



- na voz, no olhar, no abraçar,
no querer sem ter, no ter sem saber
que se é herdeiro de tudo afinal...

os que ainda vacilam
- verão novos dias -
renascer  das nossas  vidas
de entre as rochas, o cimento e o betão



- abertos serão os tormentos -
os caixões viventes se libertarão...

as dores incutidas
- pelas curvas enviesadas desta vida -
serão irradiadas para o exterior...



e a nossa aurora
- será brilho que repele -
todo o lixo e todo o pó...
de volta à imensidão

Ali onde tudo se renova
onde tudo tem o seu SER MAIOR



Seremos como fomos outrora:

- a luz vera que não se imuta -
a luz pura que o tempo apura,
Verdade serena que tudo muda...

o segredo escondido do sorriso divino
reflectido nas margens de um rio
 - vivo -
que não cessa em seu devir...



mão em mão
- amigo -
 abraço em abraço
- amiga -
 verás além do que te diferencia

- verás o sopro -
fogo inadvertido
- que nos une como uma névoa fina...

como uma luz suave que não contamina...
que nos preenche, rodeia e ilumina
 um abraçar subtil que convida

mergulha a tua vida
entre o sublime eco
desse teu grande Ser...




assim
- seremos mais do que irmãos -
seremos a vida a se RECONHECER...

em tudo o que a vida toca,
tudo o que a consciência evoca
- tudo o que ajudamos a definir
 e circunscrever



- agora liberto do seu fino alinhamento -
para ser Uno em tua essência

- e tu  assim verás...
assim sentirás...
assim serás...

optando por RENASCER!




Agora há os passos da Aurora
 que tu VENS PARA SEMEAR…

Espera a que um dia
– O VERDADEIRO DIA –

essas flores tuas
nossas flores puras
comecem a despontar…



Almas nuas

- estradas das vidas entrelaçadas,
essências profundas reunidas,
- danças das eras sagradas -
vias abertas por portas estreladas

pontes de diamante para o SER que há de SER
chamas das vidas em esperança e sentido REACENDIDAS



Tantos mistérios para os olhos abertos
que se começarão então a REVELAR…

Entre todos os dias
– há um vigia e há uma sentinela a guardar…
 são vagas de luz que se esmagam
entre as pedras lavradas para no las contar…



tal como a brisa que se faz melodia
– no teu rosto… amigo... amiga...
todos nós algum dia
folhas pairando desde a árvore da VIDA

sintonia que sopra simples, bela, esguia
que é silêncio, beleza, harmonia
eco ao vento no mar imenso...
abraço do espaço à esfera azul luzidia

ELES (AINDA) NÃO SABEM


domingo, maio 26, 2013

Not Alone pt IV



E aparecerás...
nas roupas novas que hás de usar...
já mais tu...
já mais eu...


muito mais do que é nosso dizer...
algo mais que nos une e se faz assim manifestar...



Entrega o teu ser
- a esta força vivaz....
consciente de ser
- tu também -
vida plena,
chama que o tempo não pode apagar


Transforma a tua essência
num novo ciclo a guardar...
entre os muros desperta uma luz...
para os puros uma voz conduz...


entre os jardins
- mil flores a despontar -
eco da Primavera feita palavras
cores vivas , gentes amadas
que se preparam para frutificar...



- mão e mão entrelaçada -
O soriso interno de quem se encontra além do nada
de caminhar por caminhar
- de existir por desistir:
de sentir, intuir e vivenciar



coragem da opção de se avançar
contra o que é a aparente maré...
que é este mundo novo
que te é dado a conhecer

Por isso - vai - quem te pode reter?
Se a ti mesm@ não pertences?
Quem te pode prender?

Se em ti não és mais do que gente?
Quem te pode definir...
se o mistério que te habita
em roda de ti gravita
e nunca será feito definição



Quem te pode reduzir
- se a luz que te ilumina,
 eco vivo que te germina
- é o mesmo que ecoa em teu redor...

Voz viva
da vida consciênte
 que se faz melodia no teu coração

És vida feita gente...
sintonia entrelaçada de repente
num mundo novo a se contar

video

em cada passo o mundo muda 
- teu eco o saúda -
e tudo volta a começar...

Cada cadência uma nova esência
- mesma luz branca feita cor -
Cada som um eco distante
do unico e verdadeiro SOM



silêncio a paz interior
pura e cristalina porta maior




A ponte de diamante que deves cruzar
construíndo em verdade 
cada um dos blocos que vais pisar


emitindo em realidade 
- o teu ser desde o centro do olhar -

esse que aninha no peito 
que se mostra na fronte alva ao vento
e que ninguém pode tocar



Ser que te perscruta e te guia, 
ser que se te anuncia... 
ser que procura afundar-te no pó...



O primeiro já existia, 
o segundo é teu guia, 
o terceiro te fará maior...



Confia 
- pois é esse o destino deste teu "dia"... 
- interregno breve - 
pausa na sintonia...


O maestro elava sua batuta.. 
teu acorde se prepara e se transmuta 
- para dar de si o melhor...



colocas teu ser no lugar de poder 
- esse que nem ameaça nem se deixa esmorecer -
e és mais do que o mundo no que cais...



e interregno se faz espaço aberto, 
entrelaças o momento e o fazes fulminar
fogo fátuo agora desperto 
- chama viva a irradiar - 



e entre as linhas que nos orientam 
- renasce a esperança entre a cinza e o pó -
e os que desesperam encontrarão 
em sí essa luz maior



e os que temeram
verão renascer a avé do ser
- asa com asa - 
na sua essência a se ver...



em gestos audazes 
- novos tempos a conceber - 



E todos os que plantaram 
 sementes de vida que não germinaram - 
verão árvores garridas erguer-se do chão



Entre os vales se elvarão as aves 
que luzindo - o ceu cobrirão... 
estrelas vivas



pairando por entre os livres 
aquelas que vestiram as roupas da virtude 
desse nosso novo mundo que se anunciou...




E desperta a semente latente no teu peio maior... 
e aquilo que não vias 
- mas que sempre sabias - 
será a tua verdade interior...






sexta-feira, maio 17, 2013

Not Alone Pt. III


Nota de vida,
 que decorres 
– sem pressa – 
incontida...

pelos trilhos 
que a tua perspectiva
 tem para entregar…



Pois esses são os passos que já cá existiam
quando decidiste a vida caminhar

e da Grande CASA saíste...
para a tua história escrever...



e - quem sabe um dia - regressar
para alguém - por ti  - a contar

e - por ti - um dia - recomeçar…

A escrever - a melodia
que soa no tempo sem cessar...

Que ao tempo dá fundamento
- no coração do eterno a palpitar...



Essência que se ilumina...
noite fria que se esvai


(when any chance of valor has gone beyond recall or desire)

Alvorada que desperta o novo dia,
para em consciência nos despertar...

Do ciclo das horas fugidias...  
das ilusões a transpor
Está a esperança contida 
esperando uma mão estendida
com simples e puro ardor 

- força imensa que se manifesta - 
pelo simples facto de o ser
humano, humilde e soberano 
por ser simplesmente igual a quem se é



E verás estes muros abertos de par em par
Seguirás... a estrela cadente no teu peito a brilhar
Descobrirás... outros passos iguais aos teus
Saberás - que despido de tudo o que era frio
Encontrarás a verdade nessa tua nudez...

E assim te hão de abraçar...
nessa beleza pura - tua luz sem par
E assim se entrelaçarão
- duas essências, cadências -
que se fazem vida em som...


segunda-feira, maio 13, 2013

Not Alone Pt II





Temos o alimento  do mundo
ecoando na pedra firme
que  não cobra por nela me sentar…

revelando em si o perfume…
expandindo a luz e cobrindo o negrume..
a firmeza serena de quem é e sabe estar…

Esse é o assento da Vida
Vida além do momento…
A que se afirma…

no sentimento
assim confirma 
ser o que é…



Ser o que a vida dá… 
gratuita herança para todos partilhar

Sol que se escreve na pele com primor… 
marcas que cavam fundo no ser interior…

Brisa que se esvai… 
tocando o rosto da criança riso se faz...
eco procurando a origem do sopro que a fez voar…

Água que cai… 
gotas mil…. 
Escadaria sem fim...

porvir - que ninguém sabe encontrar… 
apenas sentir…e sorrir… e apreciar..

e ouvir... 

no toque gracioso da gota que se faz som silencioso...
Ao cair...entre a mata e o tojo, na terra seca... 
na tua pele nua do negrume que a transfigura...

Quantos sons que se não ouvem...
melodia que a mágoa dissolvem...
transportando tua essência novamente
para o teu eterno lugar... 

chamemos-lhe 

"LAR"

De onde a vida surgiu 
para onde tende a regressar...
Rio de volta ao seu Mar... 
Mar que abraça o seu Céu... 

tu gota que discorre, 
eu gota que em ti concorre... 
ecos dormentes de uma

 MELODIA UNIVERSAL...

Que se revela quando os biliões de gotas 
- Rio, Céu e Mar - 
toquem a terra sedente 
da vida que trazes tu sempre



em teu rosto de luz, tua essência abrangente
para  este verde vale semear... 
e  veres germinar... 
e florir e em nós frutificar 

- em teus gestos viris e livres passos que ainda tens para mostrar...

Vamos JUNTOS - caminhar!
Fazer do eco dos nosso passos 
a melodia da vida esparramando-se neste nosso chão!

Irmã!... Irmão!... 
água viva que se fez gente garrida 
Espiral de luz que entre a luz caminha 
anunciando a grande RENOVAÇÃO! 

Impossível de conter... 
apenas para se sentir, saber... e viver!
sem restringir, circunscrever ou controlar



Como tu – que és sopro… 
que és melodia do Ar sem rosto… 
intenção do Universo que se faz eco vistoso 
– na harpa dos dias que te são dados a contar…

Fogo transmutando o vil metal… 
esse que serve de estrutura férrea
mas que a ti não mais te vai encadear…

Entre os elementos que nos convidam a reconhecer 
– que em cada toque da sua essência 
reconhecemos o nosso próprio renascer 
– viva pureza que é nosso verdadeiro ser… 

há O que se esconde entre todos a enlaçar… 
O que dos muitos é ponte e uma só força a nos reencontrar…

Para além do ruído está a harmonia que o gerou… 
são os ecos ainda indefinidos
nas sombras da noite e dos cinzentos destinos
Anunciando a Aurora que ainda não raiou…

E os sons que a garganta tece sem pensar… 
baixo as gotas de chuva, entre a brisa madura no calor do teu lar…

entre os verbos que fragmentam o quanto mais gostarias dizer… 
entre os sons que encerram a essência do teu bem querer:

 – existe uma mensagem que se transpõem… 
um eco que se supõe… 
algo que a mente não vê...
mas o livre ser sabe dizer…

…entre as linhas que são espirais, 
encontras o sentido vivo daquilo que é despido de forma, 
de intuitos e mentes nas que transforma 
a vida que se entre-tece em vida nova a despontar…



Eis de onde vens… 
feito som, feito vida em ti que a retens…  
eis para onde vais…

quando me lês assim o tocas… 
e eu de ti sou canal… 
dessas palavras que não têm boca 
– que são vida viva para nos permitir acreditar…

e ecoando de boca em boca – de peito em peito a verdade a latejar…
se vai falando daquilo que a mente nem sabe nem pode algum dia escutar…

E entre a vida que se anuncia há uma vida nova a trilhar 
– ecos de verdades perdidas que deverão novamente à luz da verdade raiar…



Entre os lábaros do firmamento 
há montanhas de segredo 
que ninguém mais consegue ver  

–  é ai onde se esconde a fina fonte 
da vida em nos a palpitar…

São os órgãos supremos 
que marcam com seus segredos 
as notas de vida a reluzir…

entre os montes 
– nossos - 
- antergos – 
se escondem os corações soberbos 

que a vida fazem seguir…

São palavras bizarras… 
feitas ecos… graças… mundo que não reconhecemos já

– até nos fazer vida nova em espirais a transitar.. 
são as vidas que se escoam… 
em vidas que pregoam 
a nova essência a se manifestar…



TUA PRÓPRIA VIDA se mostra 
– em cada palavra… 
em cada eco dos passos – 
que vieste a esta vida deixar…

Lembra – sempre – que já és aquilo que és… 
nessa confiança – avança…
entre os ruídos – os ecos garridos -  
que o teu ser vai deixando ao passar… 

como pequenas ondas.. 
que ficam no claro e silencioso lago 
que tens que atravessar…

Como fariam teus passos para assim poder concretizar?
– simples amigo – é bem fácil…

és a mesma água que te atreves a trilhar…
és a mesma consciência que parece se atravancar…
és os nós que se atam – que também podes tu desatar…
por dentro – simplesmente sendo -  o que aqui vieste encontrar…



Canta amigo – canta! 
– a tua melodia sem voz…
faz do teu tempo criança, 
dos teus altos - os vales esmeralda - 
onde o teu coração se possa deter…

dança amigo - Dança! 
- como verdadeira herança 
do rodopio da brisa no ar… 
vai mais longe do que a mente alcança 
gera o novo onde o vazio pretende esmagar….

Salta amigo - Salta! 
– mais alto do que a o céu ou o luar… 
agarra esse Sol que em ti brilha 
e traz de novo a luz a este lugar….

Ilumina a gruta perdida 
com o amor que és 
- heis tua sina, tua verdade escondida 
- o que verdadeiramente vieste aqui partilhar…
Reflexo da tua luz para a tua luz encontrar...




vive amigo – vive! 
– como se fosse este o dia no que a tua verdade escondida 
estivesse pronta a se revelar!...