Música

quinta-feira, dezembro 20, 2012

PRAÇA FORTE





VALENÇA: Infantaria 21

Muy Nobre regimento:


que DEFENDEU PRAÇAS do PAÍS e de outros países terr'ADENTRO:


segunda-feira, dezembro 10, 2012

SER...


O que somos?

O que somos quando não estamos nos papéis?

Sou o “Homem”?... Sou o “Enfermeiro”?... Sou o “Professor de artes marciais”?

Poderão as escolhas denunciar algo do que se esconde por detrás da máscara… mas serão estes capazes de anunciar o que se encontra detrás do pano na sua totalidade?...

De certo que não…

O desconhecido que se vai reconhecendo através das opções e dos passos do caminho… dos mil e um reflexos vividos – junto dos que acompanham este nosso vagar – será revelado em momento concreto: nunca conhecido – quando o desconhecido assim o dispuser;

quinta-feira, dezembro 06, 2012

Ecos de pedra - gentes de Virtude


(V.N.Cerveira: aos Heroes de 1809)

"Heroes": porque as linhas de defesa foram comuns... e - independentemente dos tratados dos grandes e das conjuras dos menos grandes - foi o povo... e seu sentido de pátria, nação e honra - que suportou a investida e guardou a memória.

Ao meio dia se levanta... não sabe do dia, não sabe da hora, não sabe do mês...



Ou as coroas e os tratados que deram origem a pranto braVado em hino nacional que o povo fez, mutilado antes da guerra do nosso destino traçado contra o mundo que esses tais planearam em reuniões que ninguém quis .. ou, como se leva o humano à revelia  a correr quando não queria, a combater quando ninguém assim diz...


Mudam-se os tempos, encobrem-se as estrelas: as verdadeiras - ficam firmes - esteios de virtude no tempo que se esvai... as outras: brilham fulgentes - fogos fátuos levando os viventes, navegantes deste grande mar - para os penedos rumorosos, disfarçados em cantos garbosos, por sereias tentadoras e contratos de compra-e-venda que deram quotas à terra, ao gado e ao Mar...


Celebremos o Segundo: centenário - lembrando que estas pedras... ocupando as praças por onde corremos... inertes... de nós mesmos (como diria pessoa "pés dormentes") traduzem vidas, sangue e gentes que nos doaram no eco dos tempos o que agora temos - e que tão fácilmente nos atrevemos a penhorar;

A Honra não se compra - não se vende; Não se reescreve na memória dos tempos: perdura na cerviz das gentes - nas atitudes e na forma desperta e coerente - como confrontam as dificuldades, como rejeitam o inimigo sorridente dando a mão de colarinho garboso, como abraçam o irmão que connosco sofre - mesmo de barba comprida e olhar lacrimoso...

É tempo de abraçar quem connosco "suja os pés"...

Tu que me chamas "amigo"... mostra-me lá que o és...
Vem para a ceifa comigo...

terça-feira, novembro 27, 2012

Flor de Névoa


Peregrina: da vida, das emoções (“emovere” - o que nos "move") que são a vela do leme da temperança - nossa firme vontade, fiel da balança - no compromisso de rumar ao centro da esfera que habitamos... através da qual nos entre-trocamos… que é residência virtual do ser consciente que é através deste "mim" afinal:

 Uma nota de atenção.

Neste universo para-virtual: recriado à imagem do grande outro no que pairamos na ilusão do tempo e do espaço que pintamos na tela do ser-coração e que define o verdadeiro traço como caminho e devoção - existem muitos "seres criança" que - como tu e eu - se inspiram e divertem fazendo frases de palavras soltas, trocando cores de sentir em palavras moucas que podem dar azo a atenções dispersadas por estarem noutras ondas ou estradas que não aquela dos peregrinos conscientes do seu vagar - sereno, lento e consciente: com todo o ser que a sua alma alimente - em direcção a esse centro ansiado, esse lugar mágico em devoção velado: o trono escondido onde habita o mais alto de nós...

Traduzindo por miudinhos conceitos as amplas ondas dos poéticos jeitos - tem cuidado ao te expor - a rede é sempre lugar de "pesca" - e não sabemos qual o pescador, qual o seu primor, qual a sua dor e qual a cor do seu ser para além da face rosada, divina, aperaltada - que se nos apresenta no brilho de uma lua sem face obscura ou esburacada a conhecer.

Senti a tua presença num determinado tempo e espaço e o doce abraço do teu sorriso aconchegado - peço, não te exponhas - são mais de mil os olhares que me olham em segredo - não deixes que todos os que passam te vejam - rebento de flor nesta vida de seres que comungam da graça e primor de crerem na verdade, no que une, na virtude e num caminho recto para os cultivar neste "amiúde" que é estar com os nossos passos dentro - caminhando sedentos, desse nosso "eterno lar" e - ainda por vezes - escorregar... distraídos, no mundo dos humanos ruídos, perdendo por momentos a melodia sagrada da nossa casa amada - e, no intento - regressando ao centro e voltando a começar: avançar...

Há irmãos de caminho, que escolhem o estreito destino - de caminhar na dor... os que procuram o ruído na sua revolta pensando ser esse o caminho melhor... os que ainda estão dormentes perante a sua verdadeira força ou vontade... e se deixam iludir no mundo do espelhismo cansado de uma vida sem rumo ou fado maior do que servir os instintos: esse caminho que descende aos abismos e a todos aqueles que com eles são arrastados...

Tu - ser humano - que sorris com a luz do olhar iluminado - pela vida que em ti late: que ecoa a nossa vida viva - eterna – voz materna… paterna – nos embalando em todo o lado... tu caminha pelo caminho sagrado:

Esse - desde sempre percorrido pelos antergos, por nós: os despertos, guardado; e vai - para o teu ninho verde... a confluência das águas da vida... o lugar onde pura - a tua luz irradia... o lugar de onde emanam teus verdadeiros sonhos - muito mais altos e subtis que os terrenais anseios e seus medos medonhos...

Tua alma viva disfarçada de ave garrida pairando sobre os seus estéreis desertos - areias acumuladas entre dias e horas vagas - sem maior ventura que acumular contas de vidro num jogo no que todos perdem jogando a sós com todo e qualquer um que passa nesse seu chão de devassa;

Tu - recorda tua juvenal virtude! - acende vivo esse teu lume - facho de verdade na noite escura dos tempos que correm e - caminhando segura... sem pressa ou premura - vai olhando o mundo em ti plantado – o eco dessa vida para ti anunciado: e – se plantar puderes - planta sementes de verdade; para mais tarde recolheres - quando regressares;

Desse teu primeiro salto no oceano do amor, da vida e do primor… e nelas te sacies - da felicidade veraz - ao sentir o sereno contento, o cálido alento do abraço antergo do teu sólido rapaz: da mão doada, comprometida e solidamente afiançada pelo reconhecimento – além do sentimento – do sentido de a dois caminhar:

Seja esse o momento, o ser e entendimento - que recolha a tua vida - como água divina entre as palmas das brancas e pulcras mãos - a ti... só a ti - estendidas...

Saúdo peregrino - nesta estrada de Santiago - via láctea para a eternidade;

sábado, novembro 24, 2012

Um caminho feito de Flores


O que uma rosa... um sorriso e uma criança têm em comum?...

Os espinhos de cigarros que se pretendem rasgar em gargantas rasgadas por gritos contidos e palavras travadas?...

De certo que não...

Uma palavra rude numa boca amarga ou um sentir profundo num mar de ondas de prata - que se eleva e embala - aquele que por suas ondas passa?...

Talvez...

talvez...



 Anjos... "mensageiros"... entre o ruído da vida diária despertando-nos com o som de harmonia num ecoar surdo de rotina diáfana... vida do dia a dia - preenchida mais do que vazia: em sentir e sentido profundo - como esse mar, esse mundo - cheio de cores garridas - como as cores do azul desses olhos e do vermelho da sua face acendida na emoção não contida e no sonrosar meigo que nela desperta...

Mais perto - desses poemas de vida cantados por um amor que se não confina - nos espaços que pela vida que nos contam nos deixamos e encaixamos... pelo tempo no que nos conformamos: que tem a rosa o sorriso e a criança em comum - esse algo pelo que tanto ansiamos - que efectivamente vemos quando as olhamos - ainda que sem ver o vejamos?

Já lá vamos... antes passar pelos espinhos e pelos momentos menos claros - que são os que inspiram certos momentos de dor - como tantos que se viveram em Timor... são esses lamentos de noites em claro... de suspiros em almofadas húmidas por anseios abafados e lágrimas escorrendo - sujas - pelo pó da estrada destes pés descalços que lento - todos nós - caminhamos...


Como vês - ser humano e singular - não és tão diferente - nem da rosa - com seus espinhos temíveis, nem do sorriso - face solar de uma lágrima prateada - como prata tem o luar - nem de uma criança - entre o pó do caminho de um mundo além mar... todos - todos - estamos aqui a caminhar....

Nesse caminho: neste nosso destino - que nos leva - para subir e entrar - nessa torre escondida nesse céu particular: em peito ardente acendida, com luz de Sol a irradiar... ou a desesperar.. em noites na que a esperança é perdida e tudo parece cinzento ou sem rumo para onde orientar o olhar...


Assim - que mais se vê nesse teu céu - estrelado - de esperança semeado - com sorrisos "estrela" nele pendurados - todos eles a cintilar?

Vê-se a ansia de se entregar... a vontade de se encontrar - noutros braços - o mesmo abraçar: pois esse gesto - o abraço - é o mais simples e fácil de amar.... não há poder... não há quem dê não há a quem entregar - são dois que são um- num gesto que - sós - nunca poderiam executar...

Parecido a caminhar... o tal caminho das estrelas... a estrada de "santiago"... a via láctea que brilha nesse tal olhar iluminado... é caminho de vida - e vida que é viva!... vida Boa! feita de duas mãos entrelaçadas que se reconhecem e se apoiam em cada curva dessa estrada desconhecida - pintada e recriada - em cada passo dado em harmonia neste espaço desenhado pelo Eterno artista de face escondida...

Dai um Sol... que brilha em cada sorriso que plantas... como a rosa que anima, como a alegria da criança... como a tua presença neste nosso mundo neste nosso tempo... nesta nossa jornada na luz escrita e na semelhança protegida;

Dai uma Lua - dessas imagens perdidas - dores distantes de estar "rasgada" e "fria" - como dizem certos poemas seus em certas partes distantes... não que a Lua seja vazia, por estar ferida - sua prata menos brilhante do que a mesma luz que a alumia... só sofre quem muito sente e a luz se reflete apenas na límpida transparência de uma mirada digna...

Assim, é isto apenas - é apenas o que é simples: o Inverno é a promessa da Primavera Perene tal como o Outono mostra a folha de um Verão que se levanta ao nascer da Aurora...

Agora - amiga Peregrina - neste espaço desconhecido, neste mundo vazio - como o reflexo que se mostra a outro espelho:

pintar os dias com alegria - fazer dos sonhos magia - e subir a montanha do teu ser em busca do caminho desse teu viver; percurso que passa por confrontar a tristeza, a melancolia e a dor... a raiva contida de não controlar os passos deste vida que ensina: a aprender... a crescer... a caminhar com devoção...

Assim - sorrir para a rosa... para as rosas que passam e para os seus espinhos - mesmo os que nos sangram - de mão dada!

Assim - abraçar a criança - como se abraça a pessoa amada - e sentir o latir da vida a ressurgir em cada lágrima com sentimento e vida contida - em verdade derramada...

Cantas tu noites perdidas... falas de paragens escondidas e horas veladas... até - num último poema.. vermelho entre o azul sereno e o verde esperança - falas do sonho de um desconhecido... de um outro espelho que te mostre o caminho - que é o TEU num outro rosto mostrando Tua verdadeira face revelada...

As sombras se convocam para te convencer da dor.. da natureza dúvea deste misterioso espaço de primor... deste tempo que habitamos entre a alegria e a dor....

Falam as sombras - nossa resistência a "ouvir" - a voz da harmonia em derredor... no interior - a suspirar e a bolir... falam as sombras da natureza também subvertida desta vida que parece vazia - de sentido, de destino... como se uma viagem no acaso na que faltam marcos que mostrem a verdade da estrada, a profundidade desse amor que é o mar em foto tua pendurado...

E é verdade - a vida tem sentido... tão verdade como é puro, intenso e sentido esse teu sorriso com simplicidade oferecido...

Poderemos forçar tudo com a força de vontade... poderemos ser artistas pintores - inventando novas telas e novas cores... ou actores fingidos - encenando novas cenas em filmes de horrores...

Mas - de certo... bem certo - seremos mais fortes se formos melhores... se formos - SIMPLESMENTE tão verdadeiros e puros como essas flores...

Que - olhadas com deleite no caminho - nos demonstram - de mansinho - a verdadeira tonalidade - o verdadeiro sentido - das nossas verdadeiras cores...

Assim: a rosa, o sorriso e a criança - mostram o que demonstra o teu sorriso em cada dia - no que - erguendo-te de entre a rotina - ofereces o azul do mar, o vermelho da vida e o irradiar de um sol a raiar com um sorriso simples dessa tua face a iluminar um espaço de convívio - tão original e banal - como a mesa deste bar... na que escrevo para te despertar - para o mundo belo a descobrir e com teu ser colorir... e essa vida - que vale a pena! Com passos serenos e pose amena... de descobrir pouco a pouco... de mãos dadas e abraço forte!

Tudo espelhos amiga peregrina - tudo espelhos: obrigado por mostrar o mais simples - aquilo que se vê por dentro reflectido na face que o demonstra assim - como mo mostras a mim - de forma amena, alegre e não contida...

Seja no lugar onde te moves - dia a dia - seja no espaço de segredo onde essa tua alma de lua mora e nas noites perdidas escreve a memória dos sonhos que foram tesouros outrora...

E - mais uma vez - obrigado por existires: como diria o sereno sibilo das árvores - que juntando ramos nos contam histórias que se erguem de seus troncos fortes... suas profundas histórias na terra fincadas com poderosa essência agarradas: Juntos Somos Mais Fortes

Assim - ser mulher... obrigado por existir e por - do ser - ser quem és: esse sorriso de mar... essa Lua espelhada a brilhar.... esse vermelho incontido de um sentir tão singular - e a simplicidade de o dizer sem duvidar.

ULTREYA! Procura o caminho dos PONTOS DE LUZ!

quinta-feira, novembro 22, 2012

PER-ERGUE-HINOS

A Firmeza de uma decisão...

O Rio Flui... determinado - para o seu Mar...

A gota de Chuva - cai - determinada... para o seu rio.... neste Nosso... Teu chão...

A Reta - numa esfera - corre - determinada - para o seu lar... início perfeito quase imperfeito: não fosse a vista enganar o cego que vê o ponto sem ver o segmento;

A determinação de uma decisão pode ser vista como uma rua - que converge - para a cidade em seu centro;

Num determinado momento - nesta vida - podes negar... caminhos tortuosos que levavam a outro tempo: no que te deixavas enganar por visões ilusões e aúreos pálidos entre outros reflexos... ver decisões vergar quando outros pareciam levantar monumentos...

E essa estrada ou rua na que circulas... podia apresentar alternativas para avançar... e mantendo forte a visão - firme o leme da determinação - escolhes direita ou esquerda - consciente - das dificuldades ou virtudes que vais encontrar - e assim as encaras de peito aberto...

E assim é avançar o que fazes quando escolhes a esquerda ou a direita... mantendo firme o teu propósito de seguir em frente... diferente do triste cão - cioso do osso e em cadeias preso... entretido na causa - sempre a rodar - em volta do seu pobre e seco eixo...

Visto desde o monte sobranceiro... o teu percurso errático é o mais simples - entre dois pontos que se encontram no interior dessa tua ESFERA EXISTÊNCIAL... um mundo de cores novas a estrear - entre tantas outras cores deste mundo sedento: da vida que tens para dar - e de tudo aquilo que te move por dentro

Ou seja - quando o mundo côncavo se apresenta estranho - lembra que as curvas fazem parte desse mesma esfera que habitas... como conchas desse tal Mar - que no "A"lfa ganha sentido como "Om" eGa imperfeito...

Quand as ruas da cidade pareçam estranhas... lembra: foste tu quem colocou lá os sinais... para te servir de espelho no caminho que percorres com tento... e todos os momentos menos geniais... são os tais sinais vermelhos... que te convidam a pausar - ou ponderar - qual o lugar que te parece mais belo e qual aquele que ousaste passar - nessa tua tua ânsia de azul "cielo"...

Sem te atreveres a ver - a te precatar - que entre o coração terreno e o céu ameno - há um verde a conhecer - Verdade a estrear - esse verde que é vida e alento... livre de Ser e ecoar - neste Preciso Momento: a tua essência a palpitar... desse suave conhecimento:

Pára... vai devagar - se já fixaste o rumo em teu firmamento... é como recomeçar - neste sólo jacundo que é nosso sustento...

Assim - vai devagar: lembra o que te vai dentro - que o mundo reflete o coração a palpitar e- nele está o teu chão, o teu mundo... o teu alento...

Umas vezes fecundo sólo a germinar... outras vezes duro pão como alimento...

Por isso - vai - firme em cada passo: sedento - dessa água que no rio cai... desse mar que te ruge bem dentro...

Por isso - sai - desse fluxo - círculo imperfeito afinal: que te diz em sombras que não estás - o teu próprio caminho correndo... Vai - em cada passo encontrar - o teu ser no espelho;

Pára! Por isso vai devagar... aprecia cada momento... é o mundo que te atreveste a recriar - em cada som que evocaste com o teu sopro do vento... notas geradas ao passar - palavras feitas passos neste teu caminhar - o teu pisar pela Eterna estrada deste rumo ao Centro...

Existência humana - caminhar - teu caminho... caminho Nosso... peregrinos do Tempo...

quinta-feira, novembro 15, 2012

Caminhos e palavras plantadas ao vento... semeadas por dentro em cada pessoa que lê...

Os caminhos

Existe uma força que unifica e prevalece... se chama em termos banais... comuns: vida;

Existem desvios... tendências laterais - que levam curso dessa vida que se estende - rumando de forma natural - para o seu rio... do seu rio: para o seu Mar...

Neste sentido - é bom acompanhar - como a forma que definimos não tem sentido sem o conteúdo que lhe dê lugar ou como a vida sem um eixo específico se espalha e assim fica - como um pântano - que não avança prevalecendo em vida que se tende a estagnar...

Assim - sem querer dar margem a dúvidas... sem querer duvidar - há forças que espalham chamas e forças que tendem a essas chamas acalmar...

Há desvios de guerras antergas - como cicatrizes que ficam num corpo que se quer amar...

Opções de passados escritos à moda dos povos - que hoje em dia se podem recuperar: aprendendo dos enganos feitos e regressando ao curso de vida que a própria vida nos quer contar...

Hoje - mais do que nunca - Adão e Eva podem aprender a cooperar: pois o desafio é bem simples - é a própria vida em ameaça - a vida que lhes foi dado a guardar...

Tal como a imagem de uma criança - levada pelas mãos pela mãe e pelo pai - também o destino das nossas vidas: do rumo das águas desta vida que nos é dado a partilhar - depende das consciências despertas... das mentes abertas - para o desafio que se nos está a apresentar...

Não é porque o feminino prevaleça... ou porque o masculino se deixe dominar; não é porque eles ou elas tenham maiores qualidades para fazer, ser ou governar...

É - simplesmente - porque as regras do jogo mudaram - e os que nelas se entretecem devem parar

Sentir, ouvir: ponderarde novo - qual o seu rumo, caminho e lugar...

Imagina um intervalo - num jogo eterno e singular - no qual a equipa adversária levasse vantagem em golos e a nossa equipa tivesse  de realinhar...

Que ideais simples... que palavras evocar - para lembrar a estrutura inicialmente proposta - para que a equipa pudesse finalmente triunfar?...

Como numa dança singela, ou num combate espectacular...
Se a coreografia se desalinha, se a linha de escudos se desfaz...

Toca e congrega - realinha - a estrutura: para que a dança possa seguir e a batalha não termine em arremesso de vidas sem igual...

Assim - pondera: que te faz sentir ao ouvir...

Que os desistentes desta vida aumentam... que o amor se separa e já não se consegue unir?

Sente... na alma: que às crianças falta quem as defenda - porque medo nos média pretendem servir...

Invoca - a tua própria vida - e recorda... agora que olhas para um presente que te quer fugir...

Vês teu leito... teu corpo imóvel... só... num quarto asséptico... sem ninguém a teu lado para te abraçar, beijar ou ungir - de cuidados - doce calor humano - de quem ama e não apenas - de funcionários - para o efeito pagos - e que pretendem sair do turno para regressar a suas casas e fazer mais uma refeição?...

Vês os sem abrigo - avançando como exército vil? Teus irmãos semelhantes transformados em legiões de escravos de uma tirania vil e servil...

Como é possível - amigo - que deixasses comprar o teu passado - que era firme e sereno... no que podia não haver tanto dinheiro para aparelhos vários e marcantilismos mil -mas havia tempo para os que se conhecia e - não haviam - filas de desalojados de prato em mão prostrados às portas dos vários "exércitos de salvação" que nos mostram essas torres brancas: de marfim erguidas sobre poços humanos de despojos destroçados - entre guerras de mil anos e desigualdades sociais sem por-vir?...


Somos parte do problema ou sua cura - somos gente sem honra e sem raiz ou cerviz - que pensemos que a nossa cultura, a nossa vida e o nosso caminhar pausado - não são bem singular a conservar neste país?...

Queremos ruas de nomes em parede, queremos fatos bonitos para luzir... desigualdades cada vez maiores e pensamento de que nada da desgraça alheia nos vai atingir?... de que o que dorme no banco é outro que não o semelhante e que isso nunca aconteceria a ti ou a mim?...

Pois é esse o negrume que vem avançando... a nuvem obscura que sobre nós se pretende cingir...

Pensa - sente um bocado - que seria do humano sem o humano porvir? Seria a máquina por ele criado ou seria o sistema de compra que o abraçaria assim?...

Seriam os sofás de uma casa - que não tens tempo de usufruir... seriam as contas bancárias que com tanto esmero te atreveste a gerir?...

Seria o trabalhador delegado ao que - num negócio - sabes mentir.... ou talvez a família aos retalhos - que crias entre o café das cinco, o spa, o ginásio e os mil e um contos que te fazem crer e ouvir?...

Quem amigo - quem... quem pode substituir? O verdadeiro abraço humano, o verdadeiro amor que se faz sentir - pelo tempo e as batalhas juntos... pelos caminhos a dois trilhados... pelos gigantes e marés ultrapassados - pela devoção e compromisso firme de gerar prioridade naquele ser que é tua contraparte e em todos aqueles - que sendo diferentes partes - de ti são o  mesmo ser neste eterno devir?...

Como anular a verdade - que se faz em ti sentir - em cada latido, cada gota de sangue - na história que livro algum poderá algum dia reproduzir?...

Como anular a verdade - daquilo que és - sem nunca te atreveres a duvidar - que as raízes que crias nesta vida.. as que descobres neste teu eterno divagar - são verdadeiros pilares que irradiam - calor e vida a os invocar?...

Verdade: Honra...
Justiça, temperança, coragem e fortaleza ao avançar... prudência... paciente e de passo constante - nesse objectivo de vida a trilhar...

Agora - lembra - todo e qualquer Pilar... apenas existe como templo se o templo tiver - lá dentro - um coração PURO a palpitar...

E que templo se pode erguer - sem mãos que dão as mãos - sem braços a abraçar?

Que templo - qual tempo - terá existido sem as vidas que lhe são dadas a guardar?

Que casa tem sentido... sentimento - se não há risos, alegrias... vidas para o habitar?...

Pergunto agora - peregrino neste lugar...

Se as gentes importam ou se são os valores de cobre, latão e papel tingido - os que pretendes salvaguardar...

Agora pergunto - guerreiro sem espada, mulher sem filho a guardar: quais as linhas que recobrem tua alma -qual a linha que comanda a vontade que te vai a elevar?...

São as rotinas que tu mesma criaste - para a vida amparar - são os relógios que geraste para que a vida pudesse estar no centro deste divinal lugar?

São os esteios frios que as ruas recobrem e que as parecem fazer refulgir ao luar?...

São os valores negros... poços vazios... degredo desse "querer é poder" do "bem" material?...

Então - se a todas estas perguntas encontraste resposta já - agora é tempo sublime para encontrar caminhos que deiam nova vida à vida neste NOSSO lugar...

Uma delas passa por reconhecer: a cultura que te ajudou a aqui estar... honrando os passos... com os seus acertos e desvios - que te ajudaram a ti a aqui chegar...

Outra passa por questionar - esse teu ser que se move em corpo - copo belo e singular para quê tanto tempo morto a fazer o brilho brilhar - se não sobra tempo nesse tempo para o dar a abraçar?...

Finalmente - explica - como poderás avançar... se os Lobos se estendem por onde quer que olhes e o dia cedeu o seu brilho à noite sem Luar...

Se assinas teu nome em contratos - que a ti e teu SER não procuram honrar - distribuindo teus tempos entre tempos que não voltarão para te alimentar... vendes assim tua alma num vazio destino... vendendo os teus e tudo o que te foi dado a amar?...

Terra, vida, coragem... tradição, bandeira... as margens - do teu amado rio e do teu jacundo chão?... vendes o sangue derramado por tantos outros que lutaram todas as seguranças que tu entregas assim de mão?...

Ensinas as gerações futuras - a terem digno orgulho - amor a este chão - através daquilo que dizem demonstrado naquilo que são?

Tens tempo para lhes contar por ventura - a história dos seus dignos egrégios avós?

Ou contas mil e uma noites... cinemas, pipocas... e "shopingas" na lama toda a herança que se te legou?...

heróis e gigantes de celulóide para que novos e não tão velhos creiam que a nossa vida assim começou...

Pergunto - a ti que juraste - defender uma ideia, uma terra - bandeira ou nação...

Ou como tu - que de branco pintaste - teus sonhos - tua vida... teu coração?

Como jurastes - pelo mais sagrado da vida que nos dias de amor encontrastes... e que agora - como essa jura se estende neste frio chão?...

De dias de rotina e distância vazia... de orgulhos velados, horários apertados e escolhas vis - como facões afiados - entrando na manteiga do vosso terno e uno coração...

Evoca a certeza anterga - a razão primeira - que te levou ao altar: dos teus valores, dos primores que te foram dados a plantar - em dias de outrora - passados de boca em boca: herança de sangue, de vida que tu te atreveste a abraçar...

Lembra - eis ai a verdade - que as aparências vão procurar ocultar...

Detras de cada escolha errada - vem a aprendizagem singular... e - ainda assim evoca - qual o caminho de regresso... que dia a dia - leva de volta ao teu lar...

Essa eternidade feita gente... esse sagrado feito terra ou lugar - é caminho vivo - para toda a gente - fácil de reconhecer e amar...

Depois - lembra - evoca - esses sonhos que te querem fazer abarçar- se se comparam eles aos verdadeiros: esses que tens em frente.. basta abrir os braços e nesses abraços voar!....


Vai - vai mais fundo - em todo o anseio terrenal... evocando, no entanto, a consciência - de que são eles teus caminhos de vida e de paz...

Os valores são o ouro que te foi dado a guardar... não apenas aquele - que na vergonha - te estão obrigando a empenhar...

São as histórias vividas - de um povo bem real... são a tua própria linhagem vendida na praça deste triste tempo a passar... pois - de certo - não crês tu nem ninguém - que seja certo esta forma de andar e rumar... precisamos de homens do leme - rijos e despertos... e de padeiras ou marias da fonte que os ajudem a navegar...

Precisamos dos "antigos" - agora cobertos - pelo pó da histórias que nos querem contar... precisamos dos avós rijos pela aprendizagem de muitos anos neste nosso sagrado lugar...

Precisamos de mulheres fortes - não apenas porque aguentem o peso de um trabalho e de um lar - mulheres firmes e decididas que saibam quando as estão a ludibriar...

Sejam imagens, cremes, pasmaceiras - histórias de "faz de conta" que cedo tendem a acabar - pois as pontes que ligam aparências são como vidros pintados que se quebram na primeira queda no chão...

Enquanto os sonhos verídicos - são como sementes de emoção - finas flores no coração plantadas - esperando tempo, vida e devoção... essas - como lírio do campo - não necessitam se disfarçar - quem tem virtude É virtude... e brilha de dia, de noite ou ao Luar...

Trinta e seis anos de uma vida é muito tempo a entregar - a um estado que é empresa ou a uma carreira que nos vai nesse estado dar um lugar...

O que vendemos são filhos e filhas... noras... cunhados... famílias e amigos por cultivar... vendemos companheiros de vida e as mil histórias que os nossos teriam para contar... vendemos os avós internados em lares para terceiros ocupar... vendemos os filhos de relação incerta aos seis meses para outros criar... vedemos - não é só para o ouro que nos fazem entregar - vendemos tudo - as mãos e as jóias - que outrora esse coração de Viana fazia Brilhar...

Vendem os homens sua honra - pois há tanta coisa boa a comprar - há caras lindas nas histórias que as feces de livros nos pretendem de mão beijada arranjar... e há lugares cimeiros em empresas, carros novos, viagens caras... novas epopéias a conquistar - já não a glória de um nome nem o compromisso com o apelido a guardar...

E - para esses que - incipientes - se deixam levar: pelas modas que o povo engana - pelas vagas de um horrendo mar - recordem que navegamos todos em barca sem remos - apenas um leme e uma vela para nos fazer avançar...

Se peso colocamos e nada temos para o barco vogar.. mais cedo ou mais tarde teremos - tanto lixo e penedo - neste barco a arrastar - que será difícil ver entre o degredo desse lodo todo empilhado em nada servindo terra, vida ou o lugar...

Por isso - com apelo ameno... com evocação da vida que nos foi dada a trilhar - que companheiros queremos e que estrada queremos pisar?

Uma de curvas e contratempos, enevoada e de sombras a iluminar.... uma de vida e verdade: de sonhos partilhados... de caminhos de mãos dadas e a cantar... de cantos gigantes com vozes clares - timbradas pela confiança e o sereno som da vida em peito a palpitar... fazes morenas... rosadas... de quem é livre em terra próprio e não escravo além mar...

Aqui fica mais uma memória - mais um apelo para este tempo cão: no que se vendem valores em casas de penhora, se vendem pessoas a preçõ de grão... sejam os maiores e as suas memórias, sejam as crianças e o seu sorriso canção... sejam as experiências dos mais velhos... seja a vida e os sonhos dos mais jovens neste chão...

Vendemos o tempo no que criamos alianças... e as alianças retiramos da mão - seja por soberba, desígnio ou vergonha - ficamos assim livres sem compromisso... sós...

E assim podemos ir e vir... até sós terminar: no banco de jardim em dia de inverno ou no anonimato em lar ou hospital...

Placas frias ecoando... entre nichos de um cemitério qualquer...
Sem ninguém que honre e visite... a memória de quem lá morou... em vida e coração marcado.. apenas sementes verdes pairando no nada da memoria deste tempo cão;

Nichos vazios - como os prédios andares que se nos dados a habitar - cubículos estéreis que rápidamente podemos entregar... como pratas de plástico e comida a condizer... como aviões no espaço e rastos de fumo a desvanecer...

Eis a marca para a etrnidade que nos querem fazer comprar - sejam filmes nos que o violino toca... sejam novelas nas que tudo é simples e acaba bem...

As vidas e as memórias - daqueles que as não têm... são ecos, são histórias: que ninguém honrará no além...

E - além - como sabes - é o eco singular - dos teuis passos... derrotas e vitórias... que - quem te ama - aprendeu a reconhecer, guardar... e respeitar...

Honra assim teus ancestros... tua memória imemorial... honra tua vida - teu valor interno - teu carácter e sentido nacional:

Nação é "natus" - e provém de algo normal - provém da vida concebida para ser vida - com valor, honra, princípios, caminho, estrutura, sentido e com gente firme e graúda - verdadeiros esteios - de virtudes para a resguardar...

Se vender vendes a gente - não vendas ainda teu coração - nem tua honra ou coragem - nem tua côr - oh nação!...

Não por separatista, nem por modelo de ocasião - simplesmente porque: sem raízes: não há tronco firme nem ramos abundantes que deiam as flores belas e os frutos importantes que nos alimentem na nossa humana condição;

Fica assim o diálogo - desta voz neste nosso ar... espaço de virtudes (virtualmente falando) como tudo aquilo que nos vendem nestes tempos em turbilhão...

Caminho depressa - sem rumo - e vou dar de caras no chão... ou caminho sereno - sem pressas - de volta ao eterno coração;

Saúdo de quem te saúda - em cada dia ao passar: homem, mulher - criança - ancião neste nosso e antergo lugar...

Todos - palavras num vento, todos notas de uma melodia sem par... que - ou queremos seja pura, singela... de harmonia singular... ou queremos seja torta... ruído de fundo de um mundo ainda por germinar...

Abraço amigo... até já!






segunda-feira, novembro 12, 2012

O Cego e o Vidente


Éra uma corrida injusta... todos viam... todos sabiam...

A Multidão observava... contemplando de forma parcimoniosa, como aquele pobre homem seria humilhado naquela praça... naquela estrada... naquela vida;

Aceitara o desafio: de rumar contra a corrente de uma forma... digamos... desastrada;

Mas os tempos se não escolhem e estes eram os ares dos tempso de hoje em dia...

Que faria - um cego... UM CEGO!... contra um de vista fina e mente adestrada?

Que faria um homem... um triste e desalinhado contra um que corre como forma de vida?

Como todos diriam... como todos fariam... absoluta - impunemente - NADA!

Então a corrida começou... o tambor ribombou... o chão estremeceu com a espectação da multidão a ver o que iria acontecer - mais um tombar, mais um a naufragar - no mar da vida: pois assim tem de ser!... está escrito... matar ou morrer

O Cego - correu... a bom correr - como lhe foi dado a um cego fazer...

O outro - marchou... simplesmente - marchou... nada a temer - é a vida - como se pode de outra forma vencer?...

"É a vida" - meditava o atleta da treta - é a vida... "vencer ou perecer"...

E lá foram os dois: dando a volta ao povoado... um alvo de chacota de toda a gente... o outro vitoreado;

Assim... chegou a corrida ao fim... ainda o tal cego vinha no adro...

E levaram o vencedor em fragor... e comes e bebes... tudo pago!

E - do outro - ninguém lembrou: pois é a sina do parvo... neste mundo trengo - algo covarde e sem fundamentos -  que permite cegos concorrendo com os de vista aberta para que os tais fiquem de sábios e gestores do mundo que lhes foi entregue por tiranos e traidores...

Mass- como boa fábula de encomenda - a história não acaba aqui... pois - na noite: quando tudo fora dormir - o cego visitou seu rival... e assim o desafiou a novo duelo singular...

Desta vez - sem ninguém para ver... sem noticiosos a documentar: "apenas para alguém entender pelo que estamos aqui a lutar" - dizia o cego sem se ver, entre as sombras de um escuro luar...

E o outro - altivo - sem pensar - lá se comprometeu a ripostar - guardando sua reputação de campeão sem par e deixando mais uma vez incólume o seu ego desolador...

Assim se lançaram, os dois protagonistas desta nossa história de ficção... um - nas névoas da noite escura e fria, o outro baixo o Sol do dia que conhecia desde o dia em que nascera e assim reconhecera na sua estranha sina...

Certo é que - baixo lua Nova tudo importa - seja som, seja odor, seja brisa que acaricia ao de leve... seja inclinado terreno seja burburinho breve que anuncia uma sebe, árvore ou torre de castelo...

ou rebanceira que leve ao rio do Inverno onde todo aquele que é escuro se perde para sempre...

Desta vez - sem ninguém para vêlo... o Cego chegou único, o cego chegou primeiro... pois do outro - tão "nobre" companheiro - não se falou mais desde então...

Se caíra numa ravina e arrastado pela enchurrada da vida e se foi a um grande e eterno Mar, se perdido entre as névoas pelas feras se deixou apanhar, comer e desgarrar...

O Certo, é que o cego regressou para contar - a história destes tempos sem par...

Quem dita as regras comanda a partida - se cada qual corre com sua forma e força e lugar - de nada tem medo;

Se convencido fica a correr como a lutar - como outros correm - depressa ou devagar... cedo ou tarde perde o zêlo... perde a tradição e o lar... perde tudo no degredo: de se ter deixado levar - por todos aqueles que vendem histórias e que este povo de gente boa já muito se deixou enrolar...

Seja "à grande e à francesa", seja vida de "Lorde"... o certo é que ficou o nosso cantar - contado talvez por algum qualquer cego que recorde - quantos por aqui já se "dignaram" a passar...

Com nobres honras nos tratam - para depois deixar a gente na sua triste sorte - levando o que havia a levar e deixando de sua marca - o vazio de nunca mais cá pousar...

É tempo de tornar obrigatório aprender o HINO NACIONAL - o de verdade e a completo - e investigar cada linha e cada estrofe e saber porque esta nossa fala milenar se mantém viva e com apreço mesmo entre tanta adversidade aparentemente "casual"...

Certifiquem-se estas gentes - que as guerras entre ententes, que as frias que já passamos ou as quentes de catorze anos - tinham mais adversário do que o solo colonial... eram determinações dos novos patrões que os novos mapas queriam criar...

As regras da banca pertencem aos povos que inventaram as artes das trocas douradas... das joias endinheiradas e das tramas económicas como linhas finas e fortes que engoliriam palavras escritas com sangue e mortes na nossa constituição como Nação Milenar...

Os outros - os tristes fantoches que se fazem seus algozes... os outros - os de voz branda e fala mansa... os outros - que se ajoelham e humilham por uma côdea de pão da mesa do patrão... esses que voguem no mar: do "João sem terra", de traidores que tudo ou nada poderiam engendrar com tal de manter sua riqueza, seu estatuto, sua fama internacional... seu lugar de assento - como personagens sem mérito - no teatro das sombras dos que REALMENTE se atrevem a nos governar...

E - esses - vão mais longe das estrelinhas de bruxelas, das conspirações vermelhas ou das barras e estrelas de Ultramar... são aqueles que sempre estiveram - e hão de estar - infiltrados como semelhantes - nesta caverna imensa que nos calhou partilhar...

sábado, novembro 10, 2012

Nunca... nunca... nunca

Nunca desistir: mantendo reserva de HONRA e BOM-SENSO: seja o adversário temível... seja a tua força imparável...


NUNCA NUNCA NUNCA DESISTIR...

quinta-feira, novembro 08, 2012

ás armas! ás armas! contra os Dragões - marchar... marchar...

Nos tempos que correm a superficialidade substitui a vivência profunda da vida que me é dado a viver...

Correr através do mundo da ideia e da imaginação, alternar horários encaixados de forma cada vez mais agressiva apaga a imagem intensa da experiência humana profundamente assumida...

Num mundo de contra relógio ficamos com o mais pobre dos três tempos gregos: se Chronos corre, se kairos providencialmente fala sobre um momento de enlevo no que a mente do mundo se separa... então sobra Aeon... o tempo "divino" que nunca mais acaba... reservado apenas a alguns que escolhem caminho com calma e - na sua determinação - fazem do ser a porta, via e estrada...

Escolha agora quem queira - poder podem todos se assim se precatam - que há caminho que leva ao obscuro de se ser escravo da agulha ou ponteiro que te pauta... e que há caminho - já o dizia Agostinho - numa frase condicionada: "SE AMARES - farás o que queres"...

Recorda amigo - no entanto - que "amar - também tem três "persona"... três máscaras... para que o abstracto possamos "ver"... nos aperceber... e saber - em qual das esferas se desloca a nossa "alma"...

Se Eros - amor pungente, foco definido... tempo ausente;

Se Philos... amor amigo... braço, mão, humano... em actividade ou dedicação a uma arte expandido... tempo providencial;

Se Ágape... o grande AMOR, o grande MAR... tu - gota perfeita... diluída na tua fonte... e da tua fonte parte integrante... parte... par... Aeon... tempo REAL...

...para além da ficção de sequências gravadas ao som do projectista da câmara que acelera ou atrasa o filme que ainda vemos na tela do nosso existêncial...

Escolher é parte da obra... o caminho é sua meta... o destino é subir montanhas cada vez mais altas e notar que - os gigantes de outrora - são agora formigas na bota... quimeras passadas... entelegíveis verdades que o adepto passa: com graça - como as flores enebriantes do caminho dourado daquele que percorre o seu fado perseguindo sua meta...

Sorri para a flor... com graça acena à quimera... desfazendo os nós - górdios ou não - que esta vida propõe em cada passo da tua gesta... refinada razão... refinada vontade... maior precisão para dar passos em solenidade...

Mantendo firme o leme... agarrando o brasão - o que em teu peito grassa: olhar de determinação nos passos da estrada que percorres: rumo... a casa...

Cinco círculos de perfeição... cinco estandartes de graça... cinco filigranas verão os que contemplem finalmente a sua verdadeira face espelhada...

Até lá... irmão... irmã

Que a corrente seja enchurrada que passa... pois os rios e os destinos um Outro os traçou... descobrir quem e a sua razão é parte do mistério descortinado em cada passo nesta digna e nobre estrada...

Quatro linhas sagradas - por serem símbolo de excelência... por serem sinal de perfeição:

Fortaleza - coragem de confrontar gigantes com a força do teu coração;

Prudência - discernimento para saber onde colocar a força da tua visão;

Temperança - equilíbrio e harmonia entre a tua chama purificando enganos e a brisa pairando sobre o negros corações enganados;

Justiça - implacável comando que te impele a avançar - sempre - contra serpente ou gigante que na tua vida pretenda se entrosar...

No centro - quina ancestral - pilar e fundamento - de tudo o resto que existe para a guardar:

Verdade - pristina - diamente devida e bússola imemorial... se vais além dos conceitos terrenos e dos falsos valores amenos que se adquirem, se compram, se decoram ou se copiam sem cessar - encontrarás uma voz mais firme e uma nascente a jorrar - dela beberá toda a gente e vida plena existira no teu caminhar;

Passarás desertos ardentes ou solitárias veredas sem notar - que a água que te alimenta é vida plena no momento presente e que - seguindo a estrela fixa - estás no caminho certo a marchar...

Depois orienta o teu passo - pois ondulado será... haverá momentos nos que a resistência te confronte e momentos nos que prevalecerá...

Nos lugares mais sombrios... nos labirintos mais reconditos de onde o teu ser se possa embrenhar - se falhando aos preceitos o adversário te arrastou até lá - então é momento de despertar:

A chama sagrada da transformação interior... fénix renascido - furor régio do vermelho Dragão...

E uma vez ascenso - de entre a treva, da resistência e do lodo que te invadiam e aos que - vehemente - respondente - com voz pungente: o teu resoluto e desperto "NÃO!";

Ressurges hirto - digno... pleno: mais perto do centro que é caminho, via e fundação;

Cada dia - a tua resistência - que de ti sabe tudo o que és até então - se liga a uma outra mais forte - filha da ignorância, da dúvida e da perdição;

Colocarão desafios para que possas demonstrar - que as capacidades adquiridas são viventes e activas não meros conteúdos fruto dos tempos que estamos a atravessar;

O saber é UNO e antergo - nada novo houve depois a inventar: os pilares de fundação eternos e eterno o caminho do que pretende avançar...

Os ciclos se repetem - e nestes podes optar - por estar do lado das linhas que se recordam - da razão pela que elevamos pilaraes, sublimamos potências formando vontades e aspiramos a olimpos inancalçáveis pela dignidade do nosso próprio passo e pela determinação que late no nosso carácter e pelo mérito deixado pelo rasto ao passar...

Mente relámpago... e além... o imaculado éter... pontes entre o que chamam "sagrado" e aquilo que - dia a dia - nos dizem "profano"...

Uns para se perder e dispersar... agentes do medo, posses desgarradas da dúvida e da falta de estrela para na noite os guiar... e aqueles que caminham - pé ante pé na sagrada e anterga linha - que vai testemunhando os princípios de harmonia que - VERDADEIRAMENTE - regem este lugar;

Uns pelo caminho que leva abaixo... pela pirâmide cravada no chão...

Outros pela vereda empinada, pelo caminho suado, pelo vergar rostos e olhar no solo evocando a recordação...

Do topo de montanha glorioso e da constante aspiração...

Caminhamos...

Pelos valores que nos sustentam... caminhamos...

E - em momento de quedas de impérios - lutamos - pelos valores que juramos - para nosso ser interior - preservar;

Perseveramos... com primor nos refinamos... entre a sombra que se arrasta - cobra imensa que tudo esmaga - no seu ondular terrenal...

Frio antergo que ameaça - a chama viva de todo o que nela passa e todo aquele que se deixa cativar...

Pelo hipnótico sentido de velado desatino... disfarçado em mil e uma cores, sabores e destinos encadeados a velar a clara visão do caminho a trilhar... e no abismo se perder, para sempre no caos mergulhar;...

Para os que descem e se deixam levar - pelo monstro mais frio, pelo Dragão invertido e por tudo o que pretende alienar... a última evocação antes de que as portas se fechem e chegue tempo de definir: quem vai ficar e quem vai lutar;

Quais os valores que persegues, com que força os consegues: quais as tuas finas bases para na enchurrada te firmar; quanto podes - no momento que explode - dar tudo de ti por uma vida salvaguardar?

E se sentes - que a tua honra tem preço - qual o preço que essa sombra te oferece para que desarmes, saias do teu posto e desacredites da luz que vieste neste mundo representar?...

Se ainda respondes... ainda não estás cego...

Se ainda respondes - o Antergo te está a invocar...

Das profundezas dos tempos se ergue - para desafiar aquele que nos pretende obscurecer e na sombra nos predar...

Juntos somos mais fortes... juntos somos um a cantar... cântigos régios outrora pungentes - cânticos sem sombra da dúvida que hoje nos pretendem fazer crer e venerar...

Jardins velados... portões fechados - para as sementes da dor... de suaves sedas embelezados - jardineiros atraiçoados - plantam egrégoras nos incautos que abrem guarda em momento de combate interior;

Abre os olhos e lembra - qual o nome que te foi dado a guardar...

Evoca o presente que tens ao mundo para doar...

E caminha - irmão - caminha...

Não há passo a trás para se dar nem passo em frente que seja para vacilar;

Caminha para a glória do tempo intemporal... destino único e consciente do que luta pelos valores que pretende alicerçar;

segunda-feira, novembro 05, 2012

A Arte de se Enraizar I

A arte de se enraizar...

Acreditar... com sinceridade.. num caminho coerente: e perseverar - com hombria, determinação, coragem - e seguir em frente...

Lembrar... o eco dos passos dos que nos fizeram possível este PRESENTE - evocar - com dignidade - todo o seu esforço para que nós façamos o possível por o manter vigente;

Evocar... a estrada - que é caminho com salvo conduto e mais do que uma garrida vereda que não nos leva a nada;

Centrar... com séria e real vontade: uma opção em cada dia e um caminho de opções que não se façam à margem;

Reivindicar... para que todo aquele que tem cargo de responsabilidade - lembre que o cargo que lhe foi entregue é sinónimo de dignidade... para que a não perca e assim todo o que nele confia ganhe;

Escolher... um só ser que me anime: pois um ser - em sí - é um universo de vida e um mundo de verdade;

Recolher... em cada sol uma parcela da essência viva ganha em cada passo de coerente sinceridade;

Ouvir... a voz da razão... a daqueles que por aqui já passaram e a sua intensa sabedoria de ancião;

Completar... o círculo das gentes que se unem - mão em mão - à volta de um hino, de uma bandeira - sobre o solo fértil que lhes deu à luz a razão;

quinta-feira, novembro 01, 2012

Raízes

Dia da Memória

"Quem esquece as suas raízes perde a sua IDENTIDADE"

Uma frase de uma música... uma verdade colossal nos tempos que "correm"...

Correm de forma a que - literalmente - a nossa semente de vida não enraíze...de forma a que não haja posições firmes, atitudes sólidas ou um afiançar de pés no chão e dizer "sim" como um "SIM" e "não" como um "NÃO"...

Seja na tradição "da Lua"... seja na tradição "solar" (e quem entende destas coisas entende de que calendário estou a falar);

Seja porque se abrem portas seja por fazer evocar - o gesto, a intenção e a forma - são a memória, de todos os que por aqui passaram no seu caminhar;

É este o gesto da linha entre o "ontem" e o "hoje" que se evoca neste momento: o realçar de uma história concreta pelo sentimento - de todo aquele ao que temos laço de sangue e da linha de continuidade evidente que nos liga a todos os outros seus precedentes e- horizontalmente - a todos os outros que com eles caminharam nesse mesmo tempo... neste mesmo lugar;

Assim sendo - andam as duas tradições irmanadas - como andam as intenções dos que vogam na mesma barca... e no mesmo Mar;

Sejam os que sustentam o remo na linha da esquerda... sejam os que o levantam na destra para a barca Vogar;

E - nesta barca que naveg ana imensidão... do tempo... das horas... e do espaço da dimensão

É belo notar que evocamos portas - abrimos janelas - para que os de outrora possam entrar - connosco caminhar pelo eco da memória - e com algo de fé (imaginação improvisada, projecção mental elaborada ou sublime aspiração)  - ouvir os ecos das pisadas dos egrégios ancestros nossos iguais...

Depois - é um tudo ou nada - pois alguns notarão que a voz que ecoa os provoca, outros que os embala e - outros - como as crianças de outros tempos: de antes - outrora ou agora - vão bater às portas procurando doces, vestir fatos mascaradas e fazer Carnaval em Janeiro;

Os que ouvem a voz dos avós... com firmeza se erguem e recordam - quanto do seu sangue ou da sua glória, se verteu para que hoje pisem este chão;

Os que ouvirem a voz das "fadas"... ouvirão cantigas acerca de lollipops, caramelos, rebuçados e de um dia engraçado para ir ao shopping deitar uns tustos ao chão;

É a diferença que separa - os que firmam pés levantando moradas, daqueles que passando... pairam nos tempos e se desfazem no pó...

Importa pouco se é grego ou troiano, heleno ou illiota de sua opção:

Honra - é palavra universal que qualquer boca fala em línguas diferentes - e honrar nossos antergos é forma sublime ou simplesmente "simples" de evocar as raízes que faz os humanos ser aquilo que são;

Bem haja num dia de Ancestros...

Na minha terra - não há bruxas, há meigas e - como o seu próprio nome indica - são mulheres de sangue quente, de olhar sereno e postura firme... são mulheres de tradição;

Seja de noite ou de dia, ao Sol ou ao Luar...

Bem dizia a música...

Assim hei de te...

Até já!


segunda-feira, outubro 29, 2012

O Des@tino da Nação

Lágrimas do(s) nosso(s) País... lamentos dos nosso avós...

De onde se ergue a voz... dos egrégios... que de forma firme e decidida mantiveram fronteira, cultura, lingua: definida... sem arredar pé?

Onde choram? Em que túmulos esquecidos?
 - vilipendiados pelos filhos de uma nação sem Rei - que apedrejou seu estandarte para o vender trinta dinheiros sabe-se lá a quem...


Que dizem... as vozes sobranceiras dos que temeram circunstâncias guerreiras e - ainda assim - não arredaram pé?...

Onde se esconde - o brio que brilha na fronte - daquele que olha sem temor?...

Por onde anda a chama - que anima e que esmaga - a cobra vil e venenosa que convida o Homem a se arrastar?

Onde - a espada firme e virtuosa que com frio gume corte os nós da sombra que cega a minha Nação Portugal?

Por quem - os sinos redobram?
Por desconhecidos que partem sem demora, por aqueles cujo canto já não se vai ouvir?

Quem honra o nome - dos cadafalsos lacrados - entre quatro paredes pousados... em frios mausoleus que a ironia da força que esmaga ainda tem o devaneio de chamar de "lar"?

Quem cria, quem dá a vida - quem transmite - com fidelidade pristina: os valores a aqueles que estão a aprender os valores a amar?

Não há seios, não há barriga nem braços firmes para aconchegar...

Há funcionários, estabelecimentos e estado corporativo comprado por negros destinos para os fazer esquecer e desesperar...

Apenas uns dinheiros - trinta minas por cada vida - entregue ao destino e à Raposa que os soube roubar...

Onde os da virtude - de alvas vestes - cruzes vermelhas no peito a dealbar - manto obscuro de sigilo que não cede - onde os guardas deste nosso pomar?

Quantos são entregues nas mãos da sombra - quantos se deixam pactuar... quantos já pedem que os marquem como gado para serem levados e inumados no negro e crescente altar?

Onde os de outrora- que firmavam pés e riscavam chão... onde a linha que separe - os da virtude dos da devassidão?

Onde os livres que manifestem - sua liberdade num rotundo "Não"... e onde aqueles - que incipientes - pactuam suas vidas e as daqueles entregues à guarda de sua mão?...

Onde a firme vontade que ampute os membros desvirtuados dos que vergam caminhos os fazendo errados e entregaram as chaves que nunca antes Português algum se atreveu a entregar?

Que os "Mouros" das novas idades vestidos de "smoking" e com frias contas avancem sem parar?...

Onde o estandarte que reuna os da arte em volta de um mesmo som?... qual o Hino - intacto - que desperte os dormentes da sua indigna reclusão?...

Quantos impunes caminham baixo o Sol - abriram-se por acaso as comportas e sobem aqueles que deveriam por sempre estar baixo chão?...

Onde o que se erga e em seu redor congregue a fina plebe que é nobreza virtual... não por ser vazia ou parca em firmeza - por ser de virtude sem igual...

Onde os que não temem - as armadilhas do destino - plantadas em todo o lado por seres vis sem sentido maior do que destruir e usurpar... pelos vendidos de alma e de coragem servil... pelos mandados por ordens que já não servem os pilares pelos que se dizem reger?...

Onde aqueles - de olhar firme, visão arguta e temperança sem tremor... os que guardem a luz dos dias frente a esta noite de obscuro pavor?...

Levantam-se os mares... as ondas se agitam vis... chegam os tempos nos que a Morte avança sobre os palácios de luz gerados para luzir...

Erguem-se os revoltados... os que não têm fidelidade a casa, escudo ou brasão... os que vagam sem rumo por falta de pares, de seres firmes que mantenham viva a nação...

Erguem-se os desalinhados... os incipientes... os alienados... as forças vivas das que se serve o que não tem rosto... essa garganta profunda ecoando gargalhada iracunda, opróbio, imundície e loucura sem par...

Erguem-se os que desconhecem o Norte e que não sabem ler na palma da sua mão: os que pensam que este lugar não tem rumo e que o caminho se faz por onde lhes manda a paixão...

O Sol se esconde - vergonha no seu brilho... baço o seu irradiar...

Por não haver já Homens que mantenham viva a sua herança, nem mulheres dignas que façam a vida brilhar...

Entregam-se as bandeiras... vendem-se as heranças dos egrégios avós... lava-se o sangue das fronteiras, pintam-se de novo as afrontas com o doce sorriso de humilhar-se no pó...

E - se brio sobra-se, é o próprio Português a esmagar seu irmão... que entre tanto cafre e covarde não sobra quem queira levantar dedo para se sentir rei e senhor...

No Final ficará um terreno baldio - plantado para férias dos que regem a nação - pois nos tempos que correm temos fantoches que abrem a boca e dizem palavras de difícil compreensão...

Falta o do Nevoeiro - em cavalo branco e de Espada em Mão - que salta de volta das suas Imperiais Miragens e se recorde - como os de agora ou de outrora - que juraram fidelidade a um POVO SÓ:

Guterres, Barroso, Sócrates e todos os que partiram em cadafalso defendendo até à morte o juramento quase milenar... e todos aqueles prestados em palácio - ora de S. Bento ora de Belém - baixo a cruz do templo feita pilar de cimento ou de uma certa Ordem que já não quer navegar...

os tubarões desta Mar desencadeado serão tantos - que o canto X se fez apagar: já não sobram pézinhos bem cuidados - em spas amansados - que queiram mais mar desbravar...

Fica assim enterrado - para todo e qualquer destes burgueses que com o Sangue português conseguem negociar - cantar a primeira linha do Hino - e com ela tudo o resto que vier desencadear...

Assim - desde tempos não findos - nos que a ambição fez a PRUDÊNCIA beijar o Chão... fica a TEMPERANÇA esquecida quando quotas agrícolas, pesqueiras e pecuárias assinamos à voz de "quer queiram, quer não"...

Lembra a JUSTIÇA sua lágrima - mesmo cega e de olhar tapado - pois disse o POVO NÃO duas vezes ao aborto, à regionalização e à feira que vai no adro de toda e qualquer desconstitucionalização - vendemos a linha por centimo de euro e transformámos a palavra escrita durante 800 anos em cifrão...

As estradas nacionais são de Municípios e a saúde de todos na de uns poucos está de mão... ninguém sabe ao certo quem manda - mas pagamos mais para ter a certeza de que estamos sugeitos a alienação;

Como já não há FORTALEZA para se erguer do lodo no que nos querem mergulhar - com falsas promessas, palavrinhas mansas e tecnologias de ocasião... ficamos todos a ver quem passa, pois - a Nau - vai sem leme, guia ou orientação;

Homem do leme é o que se sabe - todo aquele que pede demissão... e os que ficam lá vão dizendo - que assim não se pode gobernar a Nação...

Faz lembrar uns certos índios que - segundo a história do vencedor - venderam um estado na América por umas contas de vidro ou betão...

Nós aqui já vendemos os filhos e chamamos ao acordo "cooperação"...

Antes - olhávamos o inimigo nos olhos - fosse Anglo, Saxão ou Bretão... compúnhamos Hinos sem medo e cantava toda uma nação...

Hoje - nem sabemos o hino, nem sabemos o Norte, nem sabemos o que implica chorar lágrimas de sangue - por perder tudo o que outros nos deixaram na mão...

Bons costumes que fomos perdendo... uma vez que entramos no clube excelso dos países "refinadamente desenvolvidos" (refinamento de Ouro Negro - entenda-se);

Assim sendo - uns bons sonhos: "fia-te na virgem e não corras", "peta bem contada", "foi assim que a Alemanha perdeu a guerra" e todos os afins que já conhece quem cresceu por terras de Lusitana Paixão...

Quando despertarem - daqui a uns 30 anos - não haverá quem lembre essas piadas, os tugas serão todos Yankiados e ninguém reconhecerá raízes pois as histórias contadas por tradição vão estar em livros virtuais mudados em cada cinco segundos conforme convenha à entidade sombra - de fácil identificação - que com moedas e trocos vai comprando a Nação...

Saúdo... os que vão patinar se despedem ó Caesar... até uma próxima encarnação...


sexta-feira, outubro 26, 2012

És Herança

Esperança...

Spes... qualidade ou graça que anuncia mundo quando o mundo rui a nossos pés...

Espera! Dança!... algo te vem libertar!...

A mão firme do amigo que salva, o abraço intenso do companheiro que te sabe guardar...

Espera!... Dança!... é o que te dizem uma e outra vez...

Espera que a coragem se esvaia e que já não exista nesta terra um bom português...

Espera!... Dança!... salva a tua pele sem lutar!

Vai nas ondas, vive nas marés - embarcas assim para onde o caos te quer levar!

Espera! Dança!... fascina-te com esta nova era de pão...

De rostos garridos, imagens requintadas... photoshop, telenovela das 20h e reality shows

Por isso - faz-te à estrada... desespera como todo o que passa...

Encontra o grupo de degradação que mais te convém e dança... baixo a égide dos estandartes dos que agora proclamam a liberdade que não têm, mas que pretendem vender...

E tu - que ainda aguentas - tua firme posição... tu que esperas - o aparecer do Nevoeiro e do rei que nos venha justificar - mantém firme  a invicta bandeira - a que no fim dos tempos poderás revelar...

Por enquanto - espera - cultiva o dom de não irradiar: o teu estado de ânimo e a tua força no olhar...

Simplesmente descansa - como se estivesses a dormitar...

Deixa que estes se vão sentindo em casa até que se desleixem e comecem a se revelar...

Dai - um pequeno gesto - do regresso sinal...

Quando estiver a bixa com a cabeça de fora - é tempo de a decapitar!

Ate lá alma firme - descansa na ignorância do teu ser ancestral...

Até lá - guardião das estrelas - espera para ver o número de perfeição a teus pés...

Será esse sinal de que o tempo se aproxima... e que as tuas vestes colocarás... e cavalgarás mais uma vez!...

Agora - observa e descansa... vê como desliza a sombra no chão...

Como devora e encanta... levando muitos à perdição...

Tempera teu ânimo - tua força deixa na palma da mão...

Para a espada erguer de repente e a cabeça da ignomínia cortes sem apelo, agravo ou explicação...

NND

segunda-feira, outubro 22, 2012

Caminhos Íntimos

A esperança está em se não perder as raízes...

A esperança mora em encontrar o chão firme de onde erguer o Ser... para aspirações sublimes ou - simplesmente - para estar em paz com tudo aquilo que É...

A esperança mora em nós: Homens e Mulheres - escolhidos para viver combate intenso, numa era que se transforma transformando-nos em ponto de esmero:

Estar nos tempos nos que se encontram os verdadeiros valores face a face com os verdadeiros medos...

Lembrem - senhoras e senhores: há muita raiva entrelaçada, nos seres que caminham nas sombras das idades...

Muito que não entende, apreende e encontra a estrada - para subir o monte das limitações daquiloque ainda não se compreende...

Há uma barreira a vencer, há vitórias a alcançar... há momentos a esmorecer... e há SEMPRE passos a se dar...

Este plano - esta caverna na que fomos colocados - tem dois fins... duas voltas a se dar:

Para alguns é confim - Sísifos com a sua pedra a empurrar...

Para outros é sinal de esperança - Não a de um Perseu que fuja de um Minotauro grego; mas sim do que se precate,  se vire e confronte o medo - até que do medo renasça o nome que - desde sempre - o fez ser parte, do Todo ao que tem direito...

Uns desterrados... outros herdeiros... na natureza do íntimo está o segredo que se desvenda em cada opção do caminho: daqueles que agem com "Cor-agem" e daqueles que se nublam na razão...

Sim - há os outros... aqueles que se ficaram presos ao seu próprio renegar - renegar o sentido da subida do monte, renegar do esforço que implica estar em alerta constante e até - muitas vezes - falhar;

São estes os teimosos... os que vez após vez se levantam... são estes os que maduram as sementes de perseverança baixo a sua contínua e casmurra mania de se voltar a erguer e no caminho voltar a caminhar...

Há sentido que se esconde - nas várias provas que se nos defrontam: propostas pelos amos deste lugar.

O que crê - persevera - por muito que já o tenham induzido a se arrastar - pois a inteligência que domina estas sombras - não sendo suprema - tem muitos olhos para te fazer falhar... e a tua, sendo íntegra e sincera - encontrará sempre a força para se erguer e de frente a confrontar;

Por isso - separa teu ser daqueles que ainda não sabem, descarta aqueles que já não querem subir mais... entende que o caminho é feito com passos rectos e constante alerta... é feito junto daqueles que sabem que o sentido da vida está em descobrir o que realmente és... e contigo ardentemente esperam avançar...

Não te enganes - não é esta uma corrida cega - na qual, como burro aparelhado, te coloquem visores lado a lado e uma cenoura em frente para avançar... é ser livre, estar centrado... consciência límpida..... olhar estrelado... para dar de ti onde passa teu nome e deixar teu nome nas pedras gravado...

Algum dia - quando esqueças... teu nome será lembrado... não que a ti te aqueça ou arrefeça... mas poderá haver quem encontre sentido no caminho por ti trilhado... por isso deixa firme legado... para que possa ser usado ou aproveitado por todos aqueles que venham depois subir o monte...

Por isso - também - esmera-te! Tanto ser digno e válido esperando ver seres erguidos caminhando com passo firme e decidido em solo por seu porte consagrado!... Não é também esta uma bela aspiração?...  Deixar flechas amarelas neste Caminho de Santiago?...

Ama - salta - pinta este mundo de cores garridas alicerçando chão firme com atitude decidida... não és o velho do Inverno e parte do legado é para aqueles aqueles que por aqui também hão de passar...

Separando trigo do joio - arredando lobos para que entre Lobos se possam devorar - pois desses desistentes que se misturaram com as sombras há um bom número nestas paragens e tu deves aprender a os reconhecer, vencer e afastar...

também é parte do teu caminho - cavaleiro peregrino - é teu caminho e teu caminhar...

Não seja o teu crer, o teu saber e sentir menos do que as jogadas que se te vão no caminho atravessar...

Mente desperta - espada sempre afiada, lustrosa e oleada - pronta a cortar amarras que sombras veladas - no profundo do teu ser espelhadas -  te pretendam arrojar...

Coração puro - firme e decidido - um rumo, uma vida, um destino - sem olhar atrás...

Apreciando com TEMPERANÇA a beleza do caminho, ajustando com graça o ritmo do teu caminhar: sê cortes ao pisar terreno alheio - agradece as ofertas que se te deparam sem no caminho te deixares enredar...

Muitas as flores fragantes, muitas fragâncias para se degustar ... até que - inebriado -  cego será o teu caminhar...

Seco não se anda...  por isso: TEMPERANÇA no teu percurso - sorriso transparente para a vida que o teu caminho animar...

Lembra: todas as flores foram plantadas no intuito de que as mires - sorrias - e te mantenhas a avançar...

Passo timbrado... ritmo determinado... para que uns dias não haja menos e outros dias de mais... pois se o inimigo te apanha não desperto - pode dar um nó no teu rumo voltando atrás sem o notar... que Norte tem um ponto que nunca se afasta do seu centro estelar...

Todas as estrelas são belas... algumas brilham com brilhante fulgor...

A tua é bem simples - estrela singela - cravado no firmamento para não te ofuscar... é este o símbolo do teu caminho: simples, coerente, humilde e constante... como a estrela guia do teu avançar...

Desvia as sombras sempre que se atreverem a se atravessar: no teu caminho de virtude e no daqueles que te foi dado a guardar...

Só não procures, nos ninhos de víboras caminho... nesses lugares te aventurar: têm seu espaço, têm sua sina... têm autorização para lá ficar...

Segue - sereno... passo a passo - caminho ameno;

Esforço temperado pelo saber do teu andar...

Que o Dragão que em ti desperta, seja o do saber antergo trazido à luz pelo processo de - coerentemente - voltar a brilhar para iluninar sem cegar...

Lembra que essa tua chama é Branca e é pura - diferente daquela que se impõe para dominar ou ofuscar...

De entre as cinzas se erga um fogo, às raízes profundas não chegue o gelo do estio... que os errantes não vagueiem nem os que procuram se encontrem perdidos...

Estás no caminho... lembra:

O que és é carácter... e o que tens a qualquer momento te pode ser despido...

ULTREYA!

domingo, outubro 21, 2012

Caminho e Desalento

O caminho do desalento...

Neste tempo, existem duas pirâmides... uma com vértice cravado na terra... outra com vértice apontado ao alto...

Reconhecer a força que nos guia, aquilo que em nós é canto, harmonia... encanto: é obra de sintonia que traduz optar por um ou outro destino: escolhido quando o caminhante da vida ganha consciência do local por onde passa...

Assim... e de forma geral... temos valores e virtudes que - mesmo ainda não estando em nós impregnadas, mesmo podendo ao seu ideal falhar - sempre marcam caminho e via para a meta alcançar...

Fortaleza, Justiça, Temperança, Prudência: quatro mensagens ancestrais que apelam ao mais sólido d ser humano na construção das bezes de coerência por entre as que desenvolva o seu porvir... o seu caminho face ao ideal...

Não seremos perfeitos: um espelho no lo faz notar - ainda que muitos dos que não são eleitos mantém a sua aspiração a evoluir, crescer... se refinar...

O Outro caminho - o do mundo pelo mundo - é uma droga como as mil e umadrogas que os pacientes se obrigam no nosso tempo a tomar...

Tantos seres livres, tantas virtudes dormentes, tantos cantos por cantar... abafados em caminhos cinzentos ou nas orgias de hormonas que - quando se esvaem - deixam o manipulado ainda mais vzaio: logo com vontade de experimentar mais...

Entre a aspiração - que implica subir degrau a degrau - de forma constante - com perseverança, companheiros fiéis, uma figura de referência sólida e um caminho firme para lá se ir chegando e depois a chama do Verdeiro SER poder partilhar com os vocacionados para crescer... aspirar... refinar.

O outro caminho aparece com multiplos sorrisos, como jardins floridos com flores de cheiros enebriantes... com actividades mil e gozos sem fim por apenas umas croas de vez emquando...

Lembrarsempre que a consistência do carácter se forja após anos de persistir no sentido daquilo que lhe dicta o SER PROFUNDO...

O resto são "as luzes do mundo" - que cegam sem se precatar..

sábado, outubro 20, 2012

Paradoxos...

Como está a tua busca de amar verdadeiramente e como está a verdade do teu amar?...

sexta-feira, outubro 19, 2012

Olhares meigos e sorrisos simples

Encontrei um sorriso jovial... uma alma nova... uma forma de ver o mundo com olhar a brilhar.... uma delicada meiguice na forma de estar e uma festa de expressão em cada momento de conversa, de interacção...

Diga-se já de passagem - a situação não era a melhor: não acostumo a olhar damas ou donzelas com os seus respectivos como palco de atenção das conversas transcendentes (ou não) que se gerem num gabinete em atendimento de ocasião...

Desta vez foi diferente... no fundo havia muito mais.

Havia a festa da vida pela vida, o divertimento perante uma situação bizarra encarada com a normalidade dessa Primavera interior facilmente vivida - num sorriso, num olhar simples e iluminado e num gracejo gentil que mais intenção não tem do que ser gentil e suavemente modulado...

Quando encontro bem estar, paz, sintonia e alegria lembro sempre um certo Cigano, entre uma assembleia de ciganos que - abraçando-me todos e festejando uma celebração evangélica algures por terras de Galiza - perante o espanto de quem se sente assim aconchegado, abraçado e acolhido apenas pôde responder "Claro irmão - onde está o ESPÍRITO - há alegria"...

Apesar de que não partilho o caminho de crescimento do "irmão" cigano - compreendo perfeitamente o seu dizer...

Quando a alegria jorra pura desde dentro e nos motiva a sorrir a algo ou alguém (a imagem mais pura é a sorrir para o gracejo ou o sorriso de uma criança bebé) então algo desperta em nós... algo perdido baixo muitas das camadas sociais actuais:

A consciência da vida que em nós lateja, da verdade que a alimenta, da força sublime e suave que nos sustente e que apenas espera espelhos belos, válidos: límpidos, transparentes, reais - para se espalhar como luz de vida entre aqueles que se estão a alienar...

Por isso - obrigado ser mágico e vivo: a tua luz e alegria dançou com a minha e juntas se fizeram muito mais...

Neste momento - um texto e um poema... onde parará a festa da alegria de quem se encontra, reconhece, respeita e festeja na sintonia do que nos une E  liberta?

É dai de onde vem a força de sonhar...

Por isso - apaixonemo-nos pela vida - na forma de um algo ou alguém... e que essa força abstracta que nos ampara e sustém se faça voz, mão, abraço e vida com perspectiva no sentido de ser mais e melhor quando compartida...

Abraço do coração

(pois não é aconselhável que o seja com os braços... ainda ;)

terça-feira, outubro 09, 2012

TEMET

Quando...

Os teus dias pareçam as névoas doOutono desfolhando ao vento dos dias e das horas lentos... que não passam... que se estravasam em novas horas e novos dias repetidos...

Quando, os teus pensamentos e sentidos estiverem toldados: pela rotina modelados... sem vento nem saída - janela, casa ou perspectiva...

Quando: a vida que por ti clama se torna numa pálida e incipiente chama... que a brisa apaga e que a tua força ainda não consegue suster...

Então - recorda!

Quem é este ser?!?!?...

Este que agora escreve... este que agora relê?...

Quem é esta presença - que enclausurada entre quatro paredes - se desliga e suspende - o vínculo vital que o prende a tudo aquilo que REALMENTE ele É?...

Quem o que tenciona?

Quem pontapeia esta bola em direcção à escola da vida que se pretende apreender?...

Quem o que ignora... quem o que pretende saber?

Quem o que anseia? Quem o que suspira... quem o que receia não encontrar guarida no teu coração de mulher?

Quem o que aspira a te encontrar por inteiro neste que fala, pensa, sente e te quer?...

Quem o que por mim respira? Quem o que através de mim fala? Quem o que comigo aspira à imensa e única chama?...

Quem o que curva entre as sombras... quem o que ondula nas linhas brancas?

Quem o que se esconde agora e promete estar contigo quando a noite acalma?...

Quem?... digo EU... quem te vê?

A ti - sim - a ti; oh tu que me lê...

Ou pensas que me és indiferente? Pensas que o teu pensar e sentir já não penetrou em mim?... e - EU - em ti?...

Quem pensas que és? Ser isolado, que se esconde como gado e se humilha a meus pés?!?...

Tu ÉS!

És o ser que me encontra, o que comigo toma o pão e o vinho e se faz mesma carne.... és arte... movimentoe vida... por isso te posso sentir... assim...

Além, de definição e estrutura... SEI quem tu ÉS!...

TU ÉS!

Não te serve, não te chega? Não te sobeja para arrancar esse ser que lateja de entre a imensidão das horas; elevar-te por entre os rescolhos e despojos arrancados aos que ainda provam - dia a dia; hora a hora - que respiram a vida - que marcam perspectiva e se não rendem perante a idiota tirana que se entende soberana deste mundo nossa nação...

Aqui nascidos, aqui crescidos... aqui estão as raízes dos nossos avós...

Queres mais - queres saber quem... o quê.... somos nós!

Somos o lume que dá vida à treva... a vida que aquece e eleva o que de ti mais alto há para refinar...

Somos NÓS...

Tu e eu - que me lês, que te vês, que te repulsas e impulsas e que aqui regressas para te ver...

Eu sou tu... tuas costas no espelho da vida... tuas quimeras e conquistas e batalhas perdidas...

Onde quer que vá - tu vens.. e onde quer que estás - estás em mim também...

Por isso - VÊ...

Não há coisa como a separação - apenas linhas e limites que a mente tece constantemente para nos manter na ilusão...

Mas TU - que és EU

TEU - VÊ

TEMET


quinta-feira, outubro 04, 2012

Camino REAL

Quando os limites parecem encolher-se em teu redor... e sabes que o teu coração é mais amplo - vai!

Tantos lugares, tantas pessoas para amares.... não deixes que essa camada cinzenta de força mental, esse córtex que te determina te encerre e fulmina dentro de um espaço irreal...

Abre os braços - ouve as pesoas que REALMENTE querem amar... e vai!

Dança na vida com espírito marcial: uma intenção bem definida e soltura na presença que avança em direcção ao alvo que quiseste marcar...

Pára se for preciso! Tira tempo para sentir... ouvir... repousar:

Que essa mente coagida para correr e voar se aperceba do quanto há, quanto está contida num mundo belo e por explorar...
Em cada esquina, em cada virar de página mil histórias para partilhar!

Depois - senta! Com amigos do peito - senta - ouve e apascenta: o teu cavalo brioso, o teu espírito selvagem... as tuas ganas de saltar e te elevar...

Vai ver a escada - e celebrar!

Porque - passo a passo - às vezes galgando, outras tantas simplesmente balouçando - no limite da escadaria que te eleva para o teu verdadeiro sonhar...

Acredita - que as aparências são pequenas
Que se não fosse a sala minúscula na que te puseram, as tuas ideias seriam amplas, novas, renovadas - como a brisa que sopra sobre as árvores verdes enquanto o sol amarelo se faz dourado na linha do horizonte ansiado!

Lembra quem és - recorda que só nunca estás!

procura o teu alimento - verdadeiro sustento - na natureza do teu ser imortal e no abraço companheiro de todos os que te sabem ser vivo, pleno e original!

O resto virá por acréscimo - se segues os preceitos - o caminho que segues é o caminho REAL.

ATÉ JÁ!

segunda-feira, setembro 17, 2012

Os Bardos das Idades

Porque te escondes?

Detrás dos finos véus da verdade vazia... que é a oca mentira transformada em enjeitada forma de falar... de olhar... de tocar?...

Porque te não mostras?

Tu que - desde sempre - saltaste com o teu ser à frente - pensavas que o pequeno e indiferente nunca te iria ver... sentir... reconhecer?...

Agora estás perdida - entre a vida plena prometida e a vida vazia da que partiste um dia...

Tudo é possível - ser de luz ou anjo de destrução - tudo é possível na chama vera do AMOR...

Ainda que ameacem a tua cabeça servir em bandeja de prata - simplesmente para os fazer sorrir...

Podes ter a certeza - que o nosso olhar - a força e coragem do coração da vida a inflamar.. o fogo da luz e da verdade te vai tocar... encontrar e libertar...

As sombras nada mais poderão do que fugir ou se inflamar... na força do que UNE E LIBERTA... aquilo que de nós emana quando evocamos a pura chama da vida MAIOR que em alta voz clama:

!SEDE LIVRES - SEDE VÓS!"

Invoca a VERDADE!

Regressarão os dias... os TEUS dias - nos que sorrias - convencida: do sentido deste mundo e da vida como o caminho a trilhar... passo a passo - devagar... para ir mais longe do queas medíocres vozes, matando ao de longe a tua sede de vida plena, a tua vontade de regressar...

Confia - pisa firme... vai seguindo a voz do teu puro coração a palpitar... nunca elas poderão o teu rasto assim encontrar!...

Por isso - vém!

Se te ameaçarem - vem!

Não deixes que os medos e as dúvidas lancem amarras no que nasceu para viver e congregar...e CONFIA!
A tua vida à minha vida - para que possamos aprender novamente a voar...

Estamos aqui, a desafiar o povo dos que prendeu a ilusão e aniquilou a luz da vida no nosso vivo olhar...

Estamos a provocar, os exércitos cinzentos, de seres tristes e velhos que se deixaram na prisão encaixotar!...

Mas - agora - Nós somos mais!...

desprende as tua mente do abismo onde pretendem deixar-te a balançat...

Solta os dedos da dúvida e do medo... abraça a confiança de que já não mais - nuncva mais SÓ!...

Salta no escuro pois eu já lá passei e aqui estou para te receber e abraçar!...

E se se interpuserem esses néscios que se proclamam senhores deste mundo e deste lugar...
Elevaremos nosso rugir, inflamaremos nosso querer e queimaremos o seu pó ao vento como se pedaços de excrementos que já não podemos mais suportar...

Por isso - salta - é o teu dia - de aprender a ser... a querer... viver... e voar...

quinta-feira, setembro 13, 2012

REVOLTA-ME! um apelo à indignação... primeiro passo para o sangue que palpita num coração vivo desde as sombras da inércia diária


Revolta-me!

Revolta-me que o amor e deleite com o que preparo o pequeno almoço apanhe com o tempo que gastas à frente do espelho para te preparar para mais um dia de trabalho; revolta-me que o tempo que quero passar: para viver contigo e contigo estar -  seja diluído em milhares de afazeres sem sentido que em nada contribuem para a nossa humanidade;
Revolta-me os milhares de rotinas que tenho de fazer para preencher uma vida vazia – quero lá saber de tai-chi de manhã se te tenho a ti para abraçar!
Mas – lá está – se não há humanidade na vida vou ter de aprender qualquer merdice vazia para me anestesiar… a diferença é que o Prozac custava uns tosões, a terapia uns milhões e o Tai-chi é só abanar…
Revolta-me a mentira que arranca as pessoas queridas dos braços umas das outras com a desculpa de que “é o mundo no que vivemos!”

Revolta-me!
A ti não?!?

Prefiro Morrer a ter de ver como –todos os dias – personalidades vazias teorizam acerca do mundo e da vida em cafés “chiques” :sem sentir sequer um arrepio –
 é o vosso filho o que está a morrer!!!: quando to arrancam todos os dias, dos braços e do carinho que tinhas para lhe oferecer – para o lançar nos braços do mundo que corre – é para morrer!

Mas – tu – não!...
Tu tens outra opção – que é “viver”…
Vamos lá ver então:

Revolta-me!  Tu não?...
Que ninguém fique literalmente louco ao sentir tanto outro ser humano a caminhar em passos de gigante para esta morte constante e – mesmo assim - se mantenha activo – soldado fiel do inimigo – que nos escraviza a cada instante e nos rouba o dom de amar… e o tempo para o fazer… e a qualidade para o dar e receber…

Revolta-me… deixa-me doente… como queres que sorria – para a mentira do dia a dia – quando te sinto esvair… vou sorrir? Vou-me divorciar? Vou lutar?... que faço – diz!...

Mas não dizes… ficas… nessa coisa indiferenciada: que às vezes é um tudo e outras é um nada… nessa amalgama de coisas bizarras que leste e ouviste… nessa cultura de retalhos onde as verdades são fáceis de inventar, e de retalhar… e de modelar – como plasticina…

Antes – dava um trabalho do crlh mudar um texto de vencedor em vencedor… hoje – basta correra  voz que o zum zum e o diz que diz que já fazem tudo – o pessoal já nem se rala sequer de verificar – tanta é a tralha que lhes metem pela goela que… hoje – é só comprar…

Chama-se cultura “pop”… e nós lá levamos com a coisa quando nos deixamos vergar… mas tu não sabes oq eu é cantar os meninos da Fogueira – porque Huambo já não te diz nada e os gajos apagaram tudo… só o ouves daqueles que ainda se dão ao trabalho de falar…
Mas – lembra!
Revolta-ME!
Revolta-me que uma menina produzida, em horas de maquiagem garrida, se sente todos os dias num vidro frio – à minha frente e à de mais uns quantos seres vazios - que olham copos de cafeína fumegante – e com total desatino…

Isso – antes – era nas tascas e os que olhavam os copos de tinto eram os que não tinham escolhido a vida e a família e que andavam perdidos… somos agora assim tantos? E a coisa vá assim tão disfarçada que tantos somos para não nos precatar?
Mas a menina la está  – vai passando imagens de medo degradante, de horror calcitrante, de desporto vibrante, de alegria inquietante e – na fábula do dia – compara-se tudo no espaço de vinte minutos para que o meu ser fique tão confuso que já não note a diferença da merda de mistela que lhe deram a comer…


quarta-feira, setembro 12, 2012

Viana


Terra sem par
Aberta para a vida
Com sua vida aberta para o Mar



terça-feira, setembro 11, 2012

Camino de Santiago - algumas ideias em Setembro

O caminho de Santiago é COMPLETAMENTE SEGURO. Pensa que é o Primeiro itinerário cultural Europeu e que - como tal - o Governo Espanhol investiu no bem estar e segurança dos peregrinos modernos de forma a que estes tivessem uma viagem completamente pacífica;




Agora - as responsabilidades do peregrino relativamente à sua PREPARAÇÃO PRÉVIA e GESTÃO AO LONGO DO CAMINHO - são importantes para o BEM ESTAR do caminho que DECIDIU percorrer.



Coisas a ter em conta:



A RAZÃO QUE LEVA A CAMINHAR determina o caminho. Pessoas caminham pelo DESAFIO físico e fazem etapas LONGAS; pessoas caminham pelo interesse cultural e PARAM em lugares de interesse; pessoas caminham pelo interesse Espiritual e discorrem por roteiros alternativos… o caminho oferece surpresas, vida e magia a todos eles. E há sempre algo a aprender – sem necessidade de ir muito longe com a imaginação – basta abrir-se à experiência e querer.



O CAMINHO TAMBÉM FAZ O CAMINHANTE.



Já vi muitos jovens trilhar o caminho; na sua maioria - como a grande maioria dos peregrinos - são estrangeiros; Jovens que terminam o Liceu e decidem fazer uma pausa prévia a escolher ou enveredar pelo ambiente académico.



A PREPARAÇÃO



Um bom livro GUIA do CAMINHO.

Existem imensos livros que falam do caminho.

Um bom guia - que justifica um salto a Espanha ou a encomenda pela internet - é a do PAÍS AGUILAR.



É completo, fácil de utilizar e actualizado. Vale a pena seleccionar as ETAPAS em FUNÇÃO do tempo disponível.



Depois a PREPARAÇÃO DO PRÓPRIO.



Convém CAMINHAR - de forma prévia - umas duas a três horas por dia, com o MESMO PESO e SAPATO/BOTA que se vai levar, pelo menos uns quinze dias antes e num terreno semi-montanhoso (algum monte ai da zona).



Assim não há diferença entre o início do caminho e a fase prévia e é mais fácil evitar BOLHAS e incómodos que - no início não se notam mas que - a longo prazo - podem arruinar a viagem.



Depois - o material:



As botas/ sapatilhas são o companheiro CONSTANTE de viagem - devem ser leves, flexíveis e - se possível de "Gore tex" que é um material impermeável que transpira bem. Deve treinar bem com elas para não ser novas;



Já vi pessoal a caminhar de Sandália – são poucos. A sandália é um apoio para o fim do dia, para o pé respirar e relaxar e – eventualmente – serve para os duches sempre diversos de forma a evitar micoses alheias e indesejadas.



Os pés não precisam de ser preparados para a “fritura” cremes e afins fazem deslizar o pé dentro da peúga técnica que já vem preparada para gerar a aderência necessária.



Uma boa massagem a seco – no entanto – é sempre bem vinda – pés, glúteos e base das costas agradecem já que o peso da mochila não exactamente o “natural”.



A mochila - não muito mais de 30 litros - O QUE IMPLICA QUE DEVE GERIR BEM O peso QUE VAI LEVAR E O MATERIAL QUE LÁ VAI METER.



A adaptação às costas e ombros deve ser tomada em consideração - treinar com alças - que se ajustam e deslizam - é importante. Em subida - mochila contra as costas; em descida - mochila "pendurada" a fazer contra peso. Estas pequenas coisas treinam-se e descobrem-se.



As peúgas: eu gosto da Thorlos - o tipo de peúga de trecking pode variar - semi-montanhoso é o melhor. Não são finas - o que implica mais atrito do pé e bota - nem grossas - mais suor. O tipo de ponto é importante - há um da "dupont" que é bem bom e que ajuda a transpiração.



O material a incluir - roupas e afins:



Se conseguir aproximadamente 10% DO PESO CORPORAL - na mochila é o ideal.



Três mudas de roupa e quatro de peuga é bom. T-shirts de algodão já usado (para não gastar muito dinheiro em material "técnico" como camisas especiais e afins) e com resistência demonstrada. Ter em conta que LAVAR A ROUPA TODOS OS DIAS É PARTE DAS ROTINAS DO CAMINHO.

Usar FRALDAS DE ALGODÃO como Toalha é uma forma de EVITAR PESO - são fáceis de lavar, não pesam e secam logo. A alternativa é material técnico - mais dinheiro a gastar.



Um impermeável - GORE TEX é o melhorzinho: é CARO. Se houver ou alguém emprestar - melhor.

Uma protecção para mochila e depois lembrar que a pele - quando se caminha - não se chateia muito com a chuva. Só a temperatura MUITO BAIXA e a chuva contínua e com VENTO podem estragar a viagem - por isso - não se preocupar muito com isto.



Comprar um "camelback" - que é uma bolsa de "borracha" com um tubo e um doseador que se pode utilizar a qualquer momento sem necessidade de parar. Tem a vantagem de ficar - CONTRA AS COSTAS pois a maioria das mochilas têm espaço para o colocar.





Truques - a água como o resto do material - fica melhor CONTRA AS COSTAS E NO FUNDO. O MAIS PESADO - NO FUNDO e CONTRA AS COSTAS. Quanto mais perto do centro - coluna - melhor. Quanto mais nivelado melhor - equilibrar o peso do lado direito e esquerdo.



Se o material for para a MELHOR ÉPOCA - Março/ Abril. O verde e a gente que caminha são diferentes. Alternativa - entre Setembro e Início de Outubro. Apanha-se sempre alguma chuva - a diferença é mesmo que numa se entra na verde galiza com Primavera estável e noutra se entra com as chuvas de Outono no seu início... chuva apanha-se quase sempre ;)



Um Forro Polar pode resultar interessante - já que na noite a temperatura corporal desce e o aconchego é importante. Como são fáceis de transportar e se podem usar depois como "outwear" - se usar uma casaca de fecho deste material serve para outras coisas e poupa-se no material técnico (mochila, bota, impermeável e afins despendem bastante dinheiro - por isso é bom pensar nisto desde o início e IR COMPRANDO O MATERIAL que não necessita usar para adaptar ao corpo - como a bota, meia ou a mochila).



O caminho - actualmente - é uma OPÇÃO PESSOAL que oferece cultura, arte, tradição, história, natureza, espiritualidade, desafio e muito, muito conhecimento de outras pessoas, culturas e tradições. Pessoas de todo mundo caminham diariamente, por vezes andamos entre centenas de pessoas (como no dia no que se passa dos Pirenéus para Roncesvalles e se arranca de manhã desde este ponto - o primeiro da Espanha no caminho da Navarra).



Que aproveite esta diversidade e que tenha bem prontinho o Inglês - assim pode conhecer e partilhar experiências com outras pessoas interessantes.



Caminhar o caminho implica ter uma CREDENCIAL DE PEREGRINO - que pode adquirir em postos de turismo ligados ao caminho Português, em paróquias ou em abrigos do caminho oficiais ou alternativos (como certas corporações de bombeiros). Aqui na zona de fronteira adquire-se muito fácil - não é dificuldade.



LEMBRAR - o caminho tem LOJAS e pode-se comprar alguma coisa que se necessite ou se tenha esquecido. Não há problemas.



O mais importante - é o caminhante (ou peregrino).



A sua abertura para o caminho vai determinar a forma como o caminho se abre para ele.



Agora - É UMA EXPERIÊNCIA EXTRAÓRDINÁRIA.



Qualquer dúvida que necessites esclarecer não hesites em contactar.

A caixa dos comentários serve mesmo para isso... e para conversar também - porque estamos sempre a aprender mesmo quando TEMOS MUITO A PARTILHAR :)



Um abraço