Música

quinta-feira, novembro 17, 2016

AS LÁGRIMAS DESTA VISÃO SEGVEM ESTANDO PRESENTES NA CONFIANÇA DESSE SER COM ATENÇÃO -

as palavras qve bem se demonstravam nessas espirais qve de redor em roas ainda se celebravam ainda nos deixa ovvir e ver e sentir a cor da espera a cor da esperança da cor  dvra amais  tênve qval nomenclatvra da dvra cerviz qve era do cventro qve  vento ainda apvre no peito o dom de servir e na palavra do coração ergvida non haja nem prova nem mácvla de VIDA qve nessas três óvalas bem soando a marca do tempo e nas tres  as svas  virtves  se  deixam ora se a chegam conforme se d etenham ora se venham assim - a saber cantarolar nvm eco de passo apar  nvm socos nvmas  socas ao ao elevados e nesses de índice médio e polegar  as  ditas  tábvas assim imitando - e desses e dessas qve bem se enamoravam e se enamoram da palavra mais pvra sem terem tido nem PROVA  NEM ESCOLA e se
segvem a bem resvmir e cantando e contam o lar encantam o serao passar pelo sev bem  fazer e ser e s ervir... qvando algo ora algvém bem se achega  sabemos  revemos e  assim  nos vemos a segvir o sev próprio lema...

de longe vi a longevidade a arvore das  avgoas dos cévs  e dos olhos entr'os olhares todos pares ainda non aparecev - o mev  e o tev serão qvem sae qval  vm qval nenhvm  vm dia qvem sabe  qvantaa vereda a reverberara verdade e qvem sabe qvantas ainda a somar  sem se  svmir e a dizer alie aonde o  solnasce por ti e na noite a lva o lvar  treme e teme por  mim ..... ao se  tremelvzir cintilam mil  e vm  faros d'esprança - e  nesse dia  mil e vmolhares se encontrando pares parecidos se perfilam e  vº«ão se transformando  e o tev aindanon encontro no mev  osev e co dessa maissimples e mais bela  jvnenal virtvde   crer - e assim - esperar e de esprança raiar o ser o sol - a o lvar a se contar a se cantar a se  saber fadar qval o fado destino apreciasse e no  cantar de silencio  esse simbolo nos alonjasse para nos ver por inteiro integro ser verdadeiro e non tanto para separar qve  simbolo é e éo sempre e non sabe ovtra qve sendo a se ligar sendo a se  saber  reflectir  sendo qval imagem de e spelho  em tempo denovo o v velho qval odre a se renovar sem costvras  sempre novo sempre velho a se sa ber levar - qval  rosa em sva mão qval prosa ao  coração qval dardo assim inspirado qve inspire e destile  a chama qve ai se  teha a ver a  dizer  aclamado - chamarada  de vtro lvgar qve sendo a tradvzir seria e flviria sem mais parar  rios de vida ígneos  sendo  qvais ornatos qve se vejam nas avgoas dos destinhos  sendo os  destinhos qval o  lado  a lado.... nasmargens do rioda vida  corrrema par e qvando+eparecidaa perspectiva parecem qve se vnem para jamais se d escasar e qvando chegassemao  horizonte na imagem prímvla nada antes de ontem  hoje trino o sev dia no delta qve se anvnciava oceânica longa via de cvrva a cvrva menos se levava  o coraçãose elevando o sol qve  nela se  escolhe para  assim se e sonder e a olvar qve  nasce ora se deixa assim nessa a maior asim saber estar e saber viver a qve  vne sem nome de terra por vezeschaada  é verde e  é verdade e é nobre e  é digna ali e aonde non cabe - dentro do tev peitoe dentrodo mev cantar e cantar até ao CÉV...

Cvi d  ar
É
V I
      V
  ER  ER

Sem comentários: