Música

sexta-feira, janeiro 22, 2016

AS LA GR I M @ 'SDOS CEUS


quando a parte se bem doam e se deixema s im partir cor acções e assim valores em opções jamais se ja amarem entre mares e maresias assim menos brios menos frios jamais se com
par
tem assim indo ao vento aomar ao solto 
fundamentar assim pro mares nunca sempre intimos descrer sercerrados os dentos os uivos dos sibilos dos ares dos mares asim traspostos ora se por fados bem casados até terras bem lembrando as terras que nos apoiavam os pes nelas nos nas terras pro entre as trevas tão bem 
passavam até cruzes de louvor entre o rubor nascendo e uma outra forma d e ardor
asim se esvai quando vem sabe se es mor es cendo

assim lá d
cima sim menos bem lide menos lida asim sendo sempre con sigoa sina a conse cu ti va

assim trazendo uma dor uma ancora um ser de vivera 
verdade 
em
cuidados tidos
en fra
q
v cidos
assim quais festas quasi vela menes asim quais os varcos ora afundados ora so erguidos proentre as aguas das magoas das lagrimas deerramados assim sendo livres os ventr«os os fados os brados asimq uais os sentidos atentos o dirigir ao sentimento asimao centro por dnetro por fora asim de senhor a sem hora asim vogara asim bems endo o mar a sim também a trovara
e quandoa  terra briosa asim bem chorando nem vira sem sonhara s«nem bem soubera oq ue de si entregue deu ora desse assimq ual sina qual sino se preenchido asims e entregando de brio de vida d eputras tantas promessas que forma quais palavraserguidas entre as lides de outras lonjuras que bem jamais
assim se bem esqueçam e as
belas gentes sendo sempre pequenas por ventura a argura d euma regra menos dura asim sem mais compraranado a sim sem comprao  valor de ser de estar de se erguer ora a co er a gora de va g ar assim sempre a bem sendo a sim bem chegando
quando
quanto am ais ao centro esteja menos e bem se veja menos se ve quanto mais se esta´cor ando assim uma cor de corae«gem s«emse limite seu em céu sem limites es fera es cidade és vil a menos que fosses em mim a terra plena a chama antiga e o vento que me bem - es mar es 


assim ao ver partir uma outra
barca ora nova ora velha asim ora arasgar ora abem con 
se
g
vir






uma a ne gra assim bem nos reco brira a sim qual virtude perdendo asim qual candira  adentro asu«im qual vil virtude nos bem apontarae quanta e quanta gente asim menos bem nos bem assim a lar a assim qual uma lagrima uma rima um arremara asim bem se transforme numa´cristal
tal assim sem se deixar foi e veio e sem se afastar 
a bem também se espalharam e quandoa sim bem se bão cifrem e menos se explicitem por ventura simples idade asim de campo
e cor a berto asim ver de perto essa atal abeleza FUNDAMENTAL  apalpitar ao derredor a voltara sim qual uma rosa honrada asim poo entre a gente que bem a ve e quem vela asim bem mais ame












lin
gua
gens
estranas terras tempos de lendas aclendas aos ventos que bem também nos in di cia«em quando e quanto dedo apontando asim bem ais nos mal dizem e quantos mais bem atados uantos bens atapetados e quantas a stramas as matrizes as chagas ainda sendo bem in fel  i zes e q inda se cuidem ora se re com ponham em si mesmas sendoa fronta e em si  aprofunda a cuidar a gua da fonte masi plena as a limentar de vida
qual estrela qual defereida quala pesonagemsem ter idade ainda sem ter sido sendo ja ´ren
as cid
a







uma capa e um cor de luz doirada meia a meia entre terras de lus tanta e de andar aluz sagrada e de pomares de flores de aço de azores assim os tais os passos 
se elec«vando cantarias asim ao ventoas aguas friass em fundamento aind aaonde as ondas bem consagrammigalhas assims  eeleb'vando quais vi«olutas pelnas se encontrando assim quais setentam e menoss evejam e quantas mais in ventas asim quais as terras que fomso as que fomos en com menda dos até que chegar a sim bem chegando o amaor ao mar o que nos foi  dodo ora outrorgando um babdo de pequenas aves presas de sde o si«ulnos benham apre goando e quando desde oa zu do mar do limite ultimo sublime mais bem exprima
m e asim la de cima ao de a baixo digam qual a latura d aventura do seu  ser fiel refaixo vermelhidão sem cor asim o centro asimbem ao de cima por a a flor candente o ardente ser redentor que reuna que cuide e cure o que era lagr rima a aberti«ura a espada que lhe foi cravada que cindiu o que ra para unir e deixou em dois a sua vasta
cama
assim qual ser dormente entrerocha de servivente asim descansando no mais profundo se houve o eco de um outra fonte que ruma e rema  - prangendo asimse encanam asim se enamorame quando se lavama sim desejavamoq ue outro la plantara esparando a sua demora desistiram outros partram alguns abem também chegaram e os que ocuparam o lugar e«sem par esparando asim o ver . asim ja tendo chegado olhando oq ulhe fora - outorgado feito esnigalhado transformado orando ao vento as arvores ao fundamento profundo do ser de viverq'inda de ser qual bem saber oq ue lhe fora asim
bem
o
me
an
do


um a de saber a uma sem ter de saber somar ora sumir ora a rrestar asim julgara o maor mais puro a chama mais bem consagrada e a hor a e achaada quandoa sim tam bém se





l
@
'







@
'
s





uma linha uma espada daugoas uma frondosa flores
t@'
sempre esprando
sentado o ser qeu a condoa a ssim qual o ser que bem se sabe
aprendiz
a
ssim qual os er que mesas redondas jamais apares non diz
assim uma rima uma soma e um ser que tam bém se retoma qual rio con fluin
te
assim em ti sendo qual ci pres
te
assim bem se deste
assim bem se erguendo o verde dessa tal plenitude a eternidade esquecendo e quando assim tam bémse oferece e mais bem se vai
aque
s
ce
n
do
e quando mais nos asustem  os velhosilustres danatnho mais e ergam os que lá em baixo jazem e sperando - sabendo quandoe como saberunir quando encontrem os que aqui . is
far

além seh«guem por nao mais se querer em es vai e ir

seguem
e seguem sem rumo sem do de peito sem rima sem lira asim a campo
aberto
e quando asim se combinem quais s ete lugares ete luzeirosluzes pares no centro oq ue bem bem por dentro sera o fundar de novo o que asims e preocupara uma sombra ras garaásim dispersa a dispersar um tom um som um aharmonia por entre quem a bem a atenda asim esquecida a promessa a honra esvaicidaa simentre sons metalicos imensos´quais h«gigantes se esvaeiem e se vão assim - 

ora rindoora chorandoora se confluindoora se enterrando esper a sim qual uma luz de vida asim uma luz acesa entre os que jamasi nao anima f tua dos os fogos asim plantados esperando tudoe todos e prendando eprendendo e ensinando asim atantos quantos bems e enfil ei ra rem e quanto smais de mil entrem mais de vil metal asima prendizagem a ser a d de ser de  novo
econtrar ora aprender por merito ora apagar asim o merito pago e asim uma e outra aliz«nha se també cruzando quela antigo a d ju rem
tenham abh'jurado
lembrem os domentes que o que hes foi enc omendadolhes foi dado em salvaguarda esse o caminho mais prezado para quem bem for asim ais bem a o entenda





Sem comentários: