Música

quinta-feira, abril 12, 2012

Movendo-se através do tempo do SER

Algo me fez lembrar que somos permanente devir…




Correntes clássicas tendem esvaziar-se no mar do novo…



Primavera que limpa toda a mobília da mente humana…



De novo se recriam as vestes da consciência “awareness” habitual…



De novo pairamos respirando ser…permitindo com nossa entrega e livre arbítrio o dizer “sim”… pleno, concreto, verdadeiro… para a voz que emana do ponto que racionalizamos como “coração”…



Ser e fluir…entrelaçar-se nas ondas do mar da vida e – entre elas – ser harmonia…



Abrir asas e pousar o ser noutro ser que se espirala entre a brisa pura das águas de mar… gaivota branca, garça plena…



E abrindo as asas – peito aberto, coração vibrando em brilho sem par - outra asa pousa nas nossas asas… e somos mais a voar…



Bando de gaivotas à solta, pairando nas novas encostas… longínquas e tão fraternais… trazendo para o mundo da praia, da costa conhecida, o chamamento da voz do SER REAL…



Realeza plena, chama pequenina: que se vai soltando em espirais de liberdade…



Sacrário de onde jorra a coragem que se vai abrindo: revelando sua luz, sua vida, seu amor…



Em cada ser humano há espaço para o SER. A cada ser humano está a ser dada a possibilidade de optar… de ouvir… de ir mais fundo no seu centro e contemplar um laivo de verdade…



Para que traga ao mundo conhecido sob forma de dom ou talento… com a finalidade de ser simplesmente… sorrir por sorrir em partilha… abraçar por abraço da alma que se reencontra…



Não é obrigatório… é apenas um convite… suave, sereno, quase que tímido… como se a criança viva que há em nós nos encontrasse na praia, nos estendesse a mão pequenina e livre convidando-nos a caminhar – pés descalços – na areia sempre nova que as vagas do mar reescrevem após os nossos passos passar…



Irmão, irmã… caminhamos?

Sem comentários: