Música

sexta-feira, fevereiro 13, 2015

Simples qual viver, simplicidade por o SER





lentamente educado
na parafernália deste outro lado
das formas e dos cubos
para serem ordenados

quais letrinhas
em faces de vidas gravadas

quais continhas
com numerozinhos assim em linhas
para serem decifradas

 essência
em 
nossos braços amparada

nem liga
nem faz contas
nem poemas
nem nada

elegia plena
de ser

em 
si suprema

assim  aprevalecer

sem se erguer em contra ou em favor
é a si mesma chamada
chama devida
de 
vida 
a viva chama

assim mostrada
assim transformada

em 
força devida
sem nada dizer ou fazer
ou 
sequer manifestar poder


outras forças
assim nomeadas
estando presentes
aqui ancoradas
sendo aparentes
igualmente abraçadas
estando assim
de 
medo
em 
medo acouraçadas


(barcas silentes
mar de além
mar de amar
assim também
a entrega
não se eleva
é parte de nós
quando fazemos parte
da eterna e viva voz)


tendo toda essa armadura
de 
julgar e querer

de 
julgar o poder
de 
julgar outro ser

assim já amansada
e
quando passa

criatura humana
de 
novo 
fragilizada
deixou 

força
externa
se 
findou

poder
prometido pelo tal "nada" devido
assim se rematou

comprado foi
comprado foi levado
e deixouo ser
de si mesmo
esvaziado



quando as estrelas
sejam todas iguais
e as 
luzes
miores
e os 
maiorais

deixem de imperar
de se impor ou preponderar

no circulo maior estaremos
nas espirais de luz
ao 
cantar d elouvor
de novo 
seremos

nos elevando
tanto...
tantos...

cantos de harmonia maior

cantos de amar
cantar de amar
de 
mar de amor
assim a afagar
ser e o estar
em sintonia
integrar
entrelaçar
em 
sinergia







o tal “nada”
das 
continhas
das 
letrinhas


para 
voltar
a
 caminhar

sem muito mais
para se preocupar

pela viva estrada
tendo assim descoberto
O
ser de novo

LIBERTO



um pequeno
ser alado
que voe
connosco
por sempre
lado a lado

assim qual 
um pardal
que começa esta história
que nem é treta nem glória

encontrar o portal
do coração
do que se ama
e do que se tem
em vida
qual viva chama

sejam epitáfio
força e honra

seja a coragem
que se tenha
seja o que ainda retenha
o tal imperator
seja a duvida ou o medo ou falta de um algo
que nos dê novamente
visão transparente
para em sua hora
deixar atrás

senhor
ou 
senhora

encontrar

frente e frente
sem medo
sem duvida
sem deixar de crer

que é  vida em plenitude
aquilo ao que o "ESPELHO" alude

e
assim
tal qual espelho

o mais novo
o mais velho

espelho sejamos
espelho de viver
espelho de vida
propria vida
que
em
nós está
e
a si
se 
está 
rever

(a porta ultima a transcender
quando o mergulho nas águas
assim se deixa transparecer)





Que eram peso
A se levar

para um lugar sem peso



Onde estas contas
este arremesso
uns 
outros
a umas e outros
deixam assim uns poucos

“sós para brincar”




Aqui – baixo o sol – parecendo
FUNDAMENTO
São triste e pequeno elemento




espelho prateado
espelho que transparente
está sempre a teu lado

espelho vivente
assim nomemado

espelho de fogo vivo
que trespassa a sombra que digo

e a faz igual a si
vista no espelho da verdade

ser étereo
sem maior poder
ou 
prioridade

apenas a força que drene
com o medo 
que assim possa ajudar a fazer crescer
a sua paga
e fundamento
o seu vivo
humano sustento

até 
o rei de honra 
parecer
cair

seu nome
invocado
por ser consagrado
filho 
de 
(thengel)

ajudar a entender

que é "eowyn"


Para se bem levar
Quando adormece

ser humano atento

que leva
Em bem o veste

Nem se despe
Nem se leva
Na algibeira

Para poder comprar ou vender ou assim ter poder

Quando chega
Às margensde onde provém
Tudo isto sobra
E não resta nada ou niguém

apenas a chama mais pura
ea tua doce alvura
e falais qual iguais
sendo diversos
pares
sendo assim diferentes
assim qual chamas
entrelaçadas
depois
desatadas

aqui uma parte
do teu fulcro
além a outra
que te chama

tua viva voz clama
teu ser enaltece

tua força de vida
em 
vida  e primor 
prevalece

 

uma alvura
uma voz mais pura

se eleva

e
de entre a mais escura
fria
 treva

assim
reflectida
nessa imagem

desvalida

assim a si mesma vê
e a força 
que 
drenava

força que por medo assim impunha
se 
retirava

asim perdida
novamente doada
voltava

a ser a coragem
que aparenete
faltara

à
dignidade humana
assim de novo
encontrada

por via mais simples

temperada

Sem comentários: