Música

terça-feira, maio 28, 2013

not alone V




Algo nos conduz além da incerteza 
que reduz o nosso Ser ancestral
Algo nos revela a beleza
da nossa essência ORIGINAL

Assim crê... assim sê
e verás como em ti se revela...

como semente que desespera
pela sua PRIMAVERA para germinar



- na voz, no olhar, no abraçar,
no querer sem ter, no ter sem saber
que se é herdeiro de tudo afinal...

os que ainda vacilam
- verão novos dias -
renascer  das nossas  vidas
de entre as rochas, o cimento e o betão



- abertos serão os tormentos -
os caixões viventes se libertarão...

as dores incutidas
- pelas curvas enviesadas desta vida -
serão irradiadas para o exterior...



e a nossa aurora
- será brilho que repele -
todo o lixo e todo o pó...
de volta à imensidão

Ali onde tudo se renova
onde tudo tem o seu SER MAIOR



Seremos como fomos outrora:

- a luz vera que não se imuta -
a luz pura que o tempo apura,
Verdade serena que tudo muda...

o segredo escondido do sorriso divino
reflectido nas margens de um rio
 - vivo -
que não cessa em seu devir...



mão em mão
- amigo -
 abraço em abraço
- amiga -
 verás além do que te diferencia

- verás o sopro -
fogo inadvertido
- que nos une como uma névoa fina...

como uma luz suave que não contamina...
que nos preenche, rodeia e ilumina
 um abraçar subtil que convida

mergulha a tua vida
entre o sublime eco
desse teu grande Ser...




assim
- seremos mais do que irmãos -
seremos a vida a se RECONHECER...

em tudo o que a vida toca,
tudo o que a consciência evoca
- tudo o que ajudamos a definir
 e circunscrever



- agora liberto do seu fino alinhamento -
para ser Uno em tua essência

- e tu  assim verás...
assim sentirás...
assim serás...

optando por RENASCER!




Agora há os passos da Aurora
 que tu VENS PARA SEMEAR…

Espera a que um dia
– O VERDADEIRO DIA –

essas flores tuas
nossas flores puras
comecem a despontar…



Almas nuas

- estradas das vidas entrelaçadas,
essências profundas reunidas,
- danças das eras sagradas -
vias abertas por portas estreladas

pontes de diamante para o SER que há de SER
chamas das vidas em esperança e sentido REACENDIDAS



Tantos mistérios para os olhos abertos
que se começarão então a REVELAR…

Entre todos os dias
– há um vigia e há uma sentinela a guardar…
 são vagas de luz que se esmagam
entre as pedras lavradas para no las contar…



tal como a brisa que se faz melodia
– no teu rosto… amigo... amiga...
todos nós algum dia
folhas pairando desde a árvore da VIDA

sintonia que sopra simples, bela, esguia
que é silêncio, beleza, harmonia
eco ao vento no mar imenso...
abraço do espaço à esfera azul luzidia

ELES (AINDA) NÃO SABEM


Sem comentários: