Música

quinta-feira, setembro 10, 2015

AS LÁGRIMAS DE ESPERAR DANÇAR E PER SE VER AR - NUM MONTE NUM EIDO NUM TEMPO SEM TEMPO OU LUGAR ....ALGUMAS CHEGAM E LÁ SE AGITAM- NO FUNDO PERSEVERAM E MAIS NÃO DIZEM- GRITAM...! OUTRAS NA TERRA SE ESPRAIAM E PLANTAM VERDES ESP'RANÇA E UMAS TERCEIRAS LEDAS NOS CÉUS NOS BEM GUARDAM....

assim unindo @ bem ...devagar... DESDE 2005 - "ANIVERSÁRIO" SEGUIMOS - e seguiremos -  @ PUBLICAR - MAIS OU MENOS @ DIÁRIO 

- "ESPARADANÇA" - ainda sabemos ouvir esperar e dançar - as três sendo uma e mais - quando unidas serão as "reiais"...

- A ÚNICA ACÇÃO DE UM SER -  QUE RI QUE CHORA -  QUE JÁ NEM SABE SE CORAÇÃO MORA... POR DENTRO... VAI.... POR FORA SE "ESPAIRA"... E CHORA E SORRI... POR ENTRE ASSIM... O QUE TRANSFORM@ DA MEMORIA intima - da sua força mais fina da sua mais alegre franqueza da sua mais singela pobreza fazendo poesia e prosa e tema - de franquia assim elevada sem ter de viver - vivendo (vivenciando) e deixando a sua vida assim - PARTILHADA...



-A VIDA CONDIZ - E MAIS NÃO DIGA QUEM MENOS SAIBA ESTE QUE ESCREVE - ASSIM MAIS NÃO descreve 

- o que por dentro de si - saia - até tocar... quem assim encontre... num certo lugar... numa certa força chamada de "fonte"... esse o caminho seguido e o ser que possa seguir o restante também quais seres amig@s uns dias se encontram e outros se bem atrevem a se despedir - por ventura por se encontrar dizem os de uma lado "até logo" nos dizem- daqui além - a "deus" enviam - 

 "aqui" - há de tudo - um pouco... de louco... a sábio.... de saber.... a sabedoria.... de seres de amalgama plena e de pureza a mais pura... @ mais branca! @! mais densa a mais negra bruma...

 - e entre quem assim nega e renega... a alvura de um rugir... de relâmpago @ abrir... esse rubi incandescente que seria 
- o anel de bodas de um ser que nascesse... dessa "agua desse sol dessa VIDA"- e em harmonia assim os refizesse...

 - desse maior - @ BEM - corrente - doado - mais não taxado - como agua e céu e ar - agora sustido - pouco a pouco sendo quebrado -para dar taxa a quem nos pretenda assim
- VERGAR...

quando "outrora" - mil anos uma hora - era bem simples saber - andar estar e saudar sem medo sem maior degredo - semeando -  sem maior altivez... do que aquele ser d@ vida... que ainda@ descreve... escrevendo @ sua própria - vida através de si sendo nomeada e as letras e simples tons e sons e as palavras e a imagens e as gentes e os sentires e os sentimentos e os braços e as roupagens.... @parentes -  pontes alem lamentos são lidas e a crescidas de veraz solidez... por hora parece - que se mora -  que se vai embora - um dia. por ventura melhora - assim- a vez - seja a tua - seja a minha - de bem passar por entre aguas de e um rio de um sonho. brio que por sempre nos está a bem soar -a bem chamar a bem - arroupar- sendo assim qual chuva que mais não se permuta sendo o que nos deu - origem e que assim - se transforma e mais não imuta... esperando amando e - se bem fazendo em formas e forças humanas assim nos elevando... chamando- e por ventura nos ajudando - transcendendo... elevando as barcas de viver e o vivo ser que assim levamos POR DENTRO...


vida - num carvalho num "freixo"... num teclado
-.que sendo assim. qual fiel de balança de uma nota d'esprança... de uma ode: bem universal 


-  de ode universal- que encaminha poemas e poesias que - de certo - de PEITO ABERTO mais ninguém quer nem requer... nem vai LEVAR... nem a BEM nem A mal...

assim vai ler e reler - e sentir esse mesmo ser . em si mesm@ a divagar... até a bom porto de arriba - assim chegar e arribando - um bando de fiel encontro... cântico de promessa devida soubera a bem - evocar recordar e entoando em vez de  se ir esvaecendo...por  entre o mundo - de formas -  de tanto ou quando - verazes e do que as formas assim transformam - em "formas parecidas e menos ou mais bem capazes... ficamos com as palavras que bem são nascidas de um peito eloquentes aves que são quais - de irem além ente e trazerem novidades dos lugares que tu bem sabes...






 


Sem comentários: