Música

sexta-feira, junho 26, 2015

ESPERAR DANÇAR - ESPERAR E DANÇAR E ENTRELAÇAR (A) UMA LINGUAGEM PARA QUEM BEM ENTENDER .... A MEIAS - PALABRAS ASSIM BASTEM...


o rei está no CAMPO 
- assim sendo consagrado - terra e gente e vida- assim distribuída- 
UM POUCO POR TODO LADO...


cada terra o ser real - cada bandeira sem estar sendo assim afim - semelhante semente - afinidade de bem geral - árvore que nem tempo nem idade assim ao tempo - entre tempos de solidão algumas dizem que sim - e outras a bem - dizem bem - não...






BAIJAR
o pendão
de ser e saber e sentir e viver e aspirar
r@mar

 e
 letras 
linhas 
saber

seguir

entre
 linhas

 letras dos nossos 
avós

VOZ

de 
TODOS NÓS

nós
assim
sendo

desatados

- linhas 
encontros -  
(recantos
de 
encantos) 
velados






UM SUAVE SER  - a pairar – entre assim adormecer e esquecer e assim poder – ficar….

Quando – alguém nos diz que avida – TEM SENTIDO – e que procuramos – por entre terras inteiras e pelo nada mas frio – encontrar – uma bandeira – derradeira – de gente de povo – mais não vencido;
Quando vamos por aqui e além entrando – pro entre lares e lugar e sonde o povo mais não vê nem entra nem a tv assim pretende bem demonstrar – que cuida – DIA A DIA – uma duas mil gentes através dos anos – A NOS TRESPASAR em – espaço tempo e lugar – vais procurando – ansiando – encontrar – tanto… tanto… ser de vida assim por um fio sustida – para poder – regressar –e voltar –com uma panaceia;



…uma solução uma candeia que ilumine vida vontade coração…
Assim um sonho transparente – por entre tanta e tanta gente – sendo assim cuidada – de nós assim se prendando – assim sendo – trespassados – uns e outros – tanto… tanto…
 – uma família – reconhecida- por anos a fio e sem fim – sabendo nomes as fotografias as histórias segredadas – sendo de branco as vestes pintadas – qual confissões de corações que sendo e devendo tudo ou nada descarregam suas antigas – armaduras – que são quais pungentes vigentes correntes – baças ou doiradas… as fotografias nas paredes – de seres – afins...


– os aromas os cheiros – de jasmim – os mais altos encantos que poderás algum dia esquecer – quando um ser se esvai e tu és e estás ali a defender – a dignidade que TU TAMBÉM ÉS… 

...assim se cuidavam os e cuida EM TODO E QUALQUER LUGAR nuns lugares ainda somos gente vivente noutros – quais números seres CONTAR – histórias de memórias de encontrar…




...terra inteira - forma d'arte...








Lembra – cada letra – TAMBÉM ÉS TU – cada poesia cada tema – que sustenta estrela s- é uma noite de gentes- belas – transformadas em poesia- essa uma forma simples de eternizar a tua memória e mai-la minha – essa forma de pensar que assim –a bem ou a mal – fica o segredo vedado – ninguém adevinha quem és – e assim tu – um dia –seja tocado com o dom de ser –q quem realmente queres – és e vês-  para assim tochas de vida levar – passar testemunho e acariciar – faces deste estranho e grande imenso mundo…



cada lugar um sina
uma consigna 
a estrada a outra passagem 
outra a coragem de ser estar 
- em voluntariedade - 


assim com vocação e condição de vera cidade
entre campos e linhas 
 entre campos assim mantidas
 entre as veredas 
mais ledas 
as  
aldeias mais antigas


as gentes assim estando
 - entre os rios - assim ficando -

 entre linhas  e prisões e os mais antigos  e veros-

 corações a meio partidos - santas que assim conservam discretos "canticos" e nobres vestidos...

- assinalad@s- os cântaros de agua bem levados 
 elevados em cabeças - sendo regias - as coroas 

-assim o oiro da terra 

-sendo assim daqui além - até à Lisboa 
sendo - aguas e veredas discretas- tão belas- assim sendo - em perspectivas vistas- sendo em verdade sentido e veracidade assim sendo 
relidas em tempo e espaço até se dar o abraço 
que nos componha 

essa (esta) @barca silente 
sendo - 
@ presente 
assim quais as paragens 
mais 
discretas assim se comprazem...







Com palavras de suave sentir
- que a vida toda contêm – 
com letras transformam

 – esses dias horas atitudes -  que a vida (aparente mente) assim detêm… em humanas formas....







TURISMOS e a«habitações e programas de promover - 
A HUMANAIDADE  que já se detinha a identidade do quem se sabe - e a legitima idade de que assim - em milhares de anos e seres de presença centenários

 - assim reunindo - uma povoação a outra -  "povoação"  - assim afim semelhante  - condição 
- afim assim assumindo...

(precipícios afins assim reunindo)






Como ir ao outro lado do mar e ver – seres vigentes –que nem se deixam de amar – nem pelo trabalho nem pelo reluzir mais doirado e candente – assim cuidam e se mantêm entre quem assim vêm – de outros lugares seres e melodias de seres nados – seres latos e régios quais suaves canas de salgueiro a baloiçar seres de idades sem tempo e sem calendário ou relógio a comandar – e seres de alta rectitude –atitude saber amar – assim sustendo FAMÍLIAS DE MAIS VINTE – não digito s- pessoas de saber por igual – a sal – assim escritas placas nesse lugar –doiradas letrinhas – entre o mais escuro de xisto – de existir sem desistir e perseverar – como as letras da terra s- todos – vulcão vermelha plena de vocação assim sendo qual terra a QUEIMADA – que sendo durante uns messes de VIDA – outros NOVE assim esperada – e as gentes os locais  às ruas- descalças e andam e caminham e festejam – essa VIDINHA tão cara…





promover implica "MARQUET PLACE" - algo que se sabe fazer desde que o "marquet" em pensares se inventou 
- discretas formas de bem reconhecer - como convenser - assim e também rimando e somando linhas de cantiguinhas e linhas de discreta condição estrelas e magias de mão em mão...






Assim – lado a lado – com ferro – a mão trabalhado – a vertente mais ingreme – de terra de vulcão – coração de coragem e m coração de coragem – seres de OPÇÃO DE VIDA POR VIDA UMA VERA OPÇÃO… seres sem tempo ou idade a mesma HUMANA DIGNIDADE e a mesma rocha negra a ser a dois temperada e a mesma terra –q eu se FESTEJA quando vem a chuva do campo à cidade…  E QUANDO AS GENTES LEVANTAM

 – quais “penlas” de festas de cocas e redondelas - assim crianças belas nas mais altas alturas lembradas – entre as ondas das rias e  a verdes aguas – assim e também – AMBAS SENDO SAGRADAS…

 – as vidas entre estes estimadas – assim se compreende -  qual o calor da vida e porque água  e vida - estão nesses lugares – consagrad@...


E quando – vem veloz – um ser de audácia – um ser qual uma tempestade que mais não passa e esses risos e suaves contares e cânticos suaves assim – se esvaem – qual brisa – e se deixam – murchar e silêncio atinge a alegria que se estava a elevar…







Uma imagem – num certo porto – de ar – de uma certa cidade de um outro lado do mundo – chuva – A CÂNTAROS – e gentes muitas a celebrarem as vidas que eram e são – mesmo dos bairros a se unirem – a passarem – a jogar futebol na praça mais Centrica- como visita de uma selecção de uma nação de gentes que lhes trespassavam

 – posses e ser e coração – 
eram motas sendo vendidas e doadas – eram campeonatos ase "europas" entre as asiáticas terras “bem deixadas”…



Depois – vem a tempestade – e os mais feros- pequenos seres – CRAVAM – uma  e outra vez – como a mim – me doeu – essa mal dita área – esse algo que também – ambas juntas de forma – não ordinária – e as alegres plantas e as alegres flores e as alegres vidas eram assim levadas – quais sementes quais pétalas ao vento para outras paragens sendo ainda sustidas – as milhares de milhares nas ruas entre cores – quais novas escolas que nascendo de internacionais gestos pintavam como “pintarolas”...


- essas que estas não queriam – com as que brincavam – quando as internacionais hostes assim a. Bem ou a mal as entregavam – ver crianças a brincar – a jogar “a malha” com elásticos – de prender – dos asiáticos seres por ali a vender – entre as “pintarolas”... 

-  da internacional – díspar associação – assim uns riam outros choravam e no meio desta linda e bela confusão da Humanidade e de humana condição...


–se não fosse algo – de ETERNA IDADE – assim mais não se “poderia”…

– assim entrever – como ver – pais a ver filhos  a partir – sem nada mais poder fazer do que passar e suster e sorrir ou condescender…

E ver terras inteiras- ATÉ AOS MAIS ALTOS PILARES DOS MAIS ALTOS PATAMARES ficarem CEGAS...

– nem já chorando entre as lágrimas de verdes e nobres verdades…






ESTRANHA FORMA DE VIDA
- QUE ASSIM BEM PERGUNTEM- 
SE A VOCAÇÃO QUE PERMANECE ESCONDIDA ASSIM É PARA TRANSEUNTES E PARA BOAS GENTES
panteóns assim sendo lacrados 
pelos povos ainda sendo 


- bens velados...







Um cai - outro se rala - e entre a mundial comoção ninguém vê quem são e quem cala - assim entre os mais altos altares elevados uns são tidos lidos e outros tidos afastados - entre as gentes populares - nos seus NOBRES E VIGENTES CANTARES - perante toda a mundial expectação explicando - ser que assista e divisa- e entre quem assim entende - tantos e tantos seres - assim - A VIS - s@m







Os nobres das mais humildes localidades- entre chãos e braços sentados - e os cadeirões bem preenchidos - das intenções que já sabia - ledas lidos - entre os que de mundial expectação assim entrevistavam - mantinham-se pequenas veredas e lugares de noites ledas e os mais antigos cantos cântaros e cantares e os outros lugares eram de CICLO E DE CIRCULAÇÃO 




- assim um ciclo entre quem dizia bem que sim e quem assim diziam mais ou menos que bem não...




CANTIGAS DE POVOS AMIGOS E CENTENÁRIOS 

ASSIM 
CENTENAS DE POVOS
AMIGOS
 POR
MUNDO
INTEIRO
ESP@LHADOS












Sem comentários: