Música

domingo, novembro 02, 2014

PT I - A torre Exaltada - ou defendida... ou abandonada




voa pensamento voa
nas asas de imaginação
voa para onde é tua casa
aqui o nosso eterno coração...



Brasão de Santa marta - coração e rosas
algo que se leva "na casa portuguesa"
e num certo galo de "Bar Cellos"




Nos dias que se maldiga:
Nas noites mal prezadas

Essas… relações antigas:

Que voltam entre romarias
Nas nossas festas sagradas;

Nesses dias, eternos…
Sol algum as pautava…

Nessas noites em seu luzeiro:
Cobriam céus e dias inteiros:
Luz nossa em forma humana


desde o lugar mais afastado
ao seu ponto mais prezado
esse algo que nos é dado 
nem vendido
nem comprado




Correntes nessa Luz que nós Somos…
que entre a noite  dos dias cintilavam
Nós assim dentre as veredas seguiam

procurando assim as nossas vidas
entre horas por outrem pautadas:

esses dias entre horas
essa a noite anunciada





essas veras horas marcadas
essas as nossas horas livres
essas, por sempre sagradas

esses os lugares antigos:
dessas antigas passadas;

como esses ecos… vivos
veras vozes lembradas…







Vivos aqui ainda avançam;
ainda assim vida alcançam

Entre sua voz de menina, mulher e criança:
Como vida que se alça na voz da esperança

Coros de vidas, Vida assim abraçam:
Coros da Vida essa em mesma graça;

Coros das flores vivas
De Invisíveis louvores


esse lugar
a norte plantado
onde é nascido
e não esquecido
 o que falo

esse país
onde se fazem os rios
e os verdes prados
e o mar´seja Atlântico
seja a norte
a morte
que mais não se vai nomear...

das lareiras
das corredouras
de vida tão cheias

seja esse o tal fazer
o tal lembrar
o não esquecer

a luz do lar
entre o rapaz mais pequeno
e o velho a acompanhar

as lendas e marés bem fazejas
das costas de cruzes tão cheias
como se fosse o mesmo mar
de lágrimas  e sal

uma folha que se esvai
num carvalho de lés a lés

a se demostrar

 (carvalho sobreiro ou azinheira
mesma voz, mesma força
mesma fala
mesma maneira
de ser pátria
tantas vezes honrada
tantas vezes
de novo esmagada)

umas vezes empolgado
outras esquecido "olvidado"
umas vezes crendo

em fogo de lume lento 
outras vezes duvidando

entre as cinzas de um Lume
vivo
esperando




Se passam
Como vivas flores
Que falam



A quem assim souber
…Tomar…
E Tocar
Em si acolher abraçar…

Cuidar, ajudar a renascer
E a viva vera a bem viver;
onde se possam proteger
De quem as quiser cortar;

Espinhos cravados nessa nossa mão viva deixados;
Assim ferindo todo, quem não souber bem mentir
Assim esvaindo, toda vida que nos foi dada a gerir

Vertendo o sangue, onde era para ser vivida;
Rasgando a vida ali onde poderia ser garrida;

Estando livre, exultante e protegida… assim plena em si mesma;
Assim plena em nós mesmos assim de nós, em nós preenchida;

Plena nos tempos que nem temos,
Nem no que somos, nem sabemos;

Não vilipendiada nem demarcada ou vendida:
Feita vida escrava de entre mãos desprendida


se não és terra guardada
se não és terra amada

se deixas que levem
a tua mesma vida
para onde ela não
seja reverenciada

o medo como bandeira
separada

assim um credo de morte
como se fosse vida anunciada

pinhais de outrora
plantados neste mesmo lugar

para suster a onda
que nos poderia arrastar



Nossas vozes que assim calam
Para quem se atreva as cortar…

que antigos mais não vivos
nos dizem em seus abrigos
com peles de cores baças…


por sete caminhos
se vão achegando
em cores subtis
assim chegando...




que própria vida, que passas
deixou poema para se rever

para que pudesses ser tu

de novo, a voltar, e a ler:


as portas da água da vida
que banham estas costas
de vida florida

as mesmas águas
puras
que nos guiam
e iluminam

três as figuras
que assim
nunca

por eles
entre eles
se viam

esperando a aurora

desse tal lugar

esperando o tempo
PRESENTE
que se pode
e deve
se se quiser
assim
anunciar



que própria vida, que passas
deixou poema para se rever

para que pudesses ser tu
de novo, a voltar, a o ser;

Assim de novo sendo:
Tendo deixado de ser

por ti essa própria vida a cantar:
por ti mesmo essa vida desvelar

vida sem ninguém a poder mediar
Essa vera via, vida que apenas tu
poderás viver, sentir, experiênciar

fazer assim 
rir chorar...
ir ou voltar



despindo a terra
despindo a lágrima da sua água

despindo o coração de um povo
do calor que clama
do calor que por amor se chama



É da torre mais alta
Que eu canto este meu pranto
Que eu canto este meu sangue,
Este meu povo
Dessa torre maior
Em que apenas sou grande
Por me cantar de novo,
Por me cantar de novo.

Cantar como quem despe
A ganga da tristeza
Como quem bebe
A água da saudade,
Chama que nasce e cresce
E vive e morre acesa
Chama que nasce e cresce
Em plena liberdade.

Mas nunca se dói só
Quem a cantar magoa
Dói-me o Tejo vencido
Dói-me a secura
Dói-me o tempo perdido
Dói-me ele de lonjura
Dói-me o povo esquecido
E morro de ternura
Dói-me o tempo perdido
E morro de ternura.







Sem comentários: