Música

terça-feira, setembro 11, 2012

Camino de Santiago - algumas ideias em Setembro

O caminho de Santiago é COMPLETAMENTE SEGURO. Pensa que é o Primeiro itinerário cultural Europeu e que - como tal - o Governo Espanhol investiu no bem estar e segurança dos peregrinos modernos de forma a que estes tivessem uma viagem completamente pacífica;




Agora - as responsabilidades do peregrino relativamente à sua PREPARAÇÃO PRÉVIA e GESTÃO AO LONGO DO CAMINHO - são importantes para o BEM ESTAR do caminho que DECIDIU percorrer.



Coisas a ter em conta:



A RAZÃO QUE LEVA A CAMINHAR determina o caminho. Pessoas caminham pelo DESAFIO físico e fazem etapas LONGAS; pessoas caminham pelo interesse cultural e PARAM em lugares de interesse; pessoas caminham pelo interesse Espiritual e discorrem por roteiros alternativos… o caminho oferece surpresas, vida e magia a todos eles. E há sempre algo a aprender – sem necessidade de ir muito longe com a imaginação – basta abrir-se à experiência e querer.



O CAMINHO TAMBÉM FAZ O CAMINHANTE.



Já vi muitos jovens trilhar o caminho; na sua maioria - como a grande maioria dos peregrinos - são estrangeiros; Jovens que terminam o Liceu e decidem fazer uma pausa prévia a escolher ou enveredar pelo ambiente académico.



A PREPARAÇÃO



Um bom livro GUIA do CAMINHO.

Existem imensos livros que falam do caminho.

Um bom guia - que justifica um salto a Espanha ou a encomenda pela internet - é a do PAÍS AGUILAR.



É completo, fácil de utilizar e actualizado. Vale a pena seleccionar as ETAPAS em FUNÇÃO do tempo disponível.



Depois a PREPARAÇÃO DO PRÓPRIO.



Convém CAMINHAR - de forma prévia - umas duas a três horas por dia, com o MESMO PESO e SAPATO/BOTA que se vai levar, pelo menos uns quinze dias antes e num terreno semi-montanhoso (algum monte ai da zona).



Assim não há diferença entre o início do caminho e a fase prévia e é mais fácil evitar BOLHAS e incómodos que - no início não se notam mas que - a longo prazo - podem arruinar a viagem.



Depois - o material:



As botas/ sapatilhas são o companheiro CONSTANTE de viagem - devem ser leves, flexíveis e - se possível de "Gore tex" que é um material impermeável que transpira bem. Deve treinar bem com elas para não ser novas;



Já vi pessoal a caminhar de Sandália – são poucos. A sandália é um apoio para o fim do dia, para o pé respirar e relaxar e – eventualmente – serve para os duches sempre diversos de forma a evitar micoses alheias e indesejadas.



Os pés não precisam de ser preparados para a “fritura” cremes e afins fazem deslizar o pé dentro da peúga técnica que já vem preparada para gerar a aderência necessária.



Uma boa massagem a seco – no entanto – é sempre bem vinda – pés, glúteos e base das costas agradecem já que o peso da mochila não exactamente o “natural”.



A mochila - não muito mais de 30 litros - O QUE IMPLICA QUE DEVE GERIR BEM O peso QUE VAI LEVAR E O MATERIAL QUE LÁ VAI METER.



A adaptação às costas e ombros deve ser tomada em consideração - treinar com alças - que se ajustam e deslizam - é importante. Em subida - mochila contra as costas; em descida - mochila "pendurada" a fazer contra peso. Estas pequenas coisas treinam-se e descobrem-se.



As peúgas: eu gosto da Thorlos - o tipo de peúga de trecking pode variar - semi-montanhoso é o melhor. Não são finas - o que implica mais atrito do pé e bota - nem grossas - mais suor. O tipo de ponto é importante - há um da "dupont" que é bem bom e que ajuda a transpiração.



O material a incluir - roupas e afins:



Se conseguir aproximadamente 10% DO PESO CORPORAL - na mochila é o ideal.



Três mudas de roupa e quatro de peuga é bom. T-shirts de algodão já usado (para não gastar muito dinheiro em material "técnico" como camisas especiais e afins) e com resistência demonstrada. Ter em conta que LAVAR A ROUPA TODOS OS DIAS É PARTE DAS ROTINAS DO CAMINHO.

Usar FRALDAS DE ALGODÃO como Toalha é uma forma de EVITAR PESO - são fáceis de lavar, não pesam e secam logo. A alternativa é material técnico - mais dinheiro a gastar.



Um impermeável - GORE TEX é o melhorzinho: é CARO. Se houver ou alguém emprestar - melhor.

Uma protecção para mochila e depois lembrar que a pele - quando se caminha - não se chateia muito com a chuva. Só a temperatura MUITO BAIXA e a chuva contínua e com VENTO podem estragar a viagem - por isso - não se preocupar muito com isto.



Comprar um "camelback" - que é uma bolsa de "borracha" com um tubo e um doseador que se pode utilizar a qualquer momento sem necessidade de parar. Tem a vantagem de ficar - CONTRA AS COSTAS pois a maioria das mochilas têm espaço para o colocar.





Truques - a água como o resto do material - fica melhor CONTRA AS COSTAS E NO FUNDO. O MAIS PESADO - NO FUNDO e CONTRA AS COSTAS. Quanto mais perto do centro - coluna - melhor. Quanto mais nivelado melhor - equilibrar o peso do lado direito e esquerdo.



Se o material for para a MELHOR ÉPOCA - Março/ Abril. O verde e a gente que caminha são diferentes. Alternativa - entre Setembro e Início de Outubro. Apanha-se sempre alguma chuva - a diferença é mesmo que numa se entra na verde galiza com Primavera estável e noutra se entra com as chuvas de Outono no seu início... chuva apanha-se quase sempre ;)



Um Forro Polar pode resultar interessante - já que na noite a temperatura corporal desce e o aconchego é importante. Como são fáceis de transportar e se podem usar depois como "outwear" - se usar uma casaca de fecho deste material serve para outras coisas e poupa-se no material técnico (mochila, bota, impermeável e afins despendem bastante dinheiro - por isso é bom pensar nisto desde o início e IR COMPRANDO O MATERIAL que não necessita usar para adaptar ao corpo - como a bota, meia ou a mochila).



O caminho - actualmente - é uma OPÇÃO PESSOAL que oferece cultura, arte, tradição, história, natureza, espiritualidade, desafio e muito, muito conhecimento de outras pessoas, culturas e tradições. Pessoas de todo mundo caminham diariamente, por vezes andamos entre centenas de pessoas (como no dia no que se passa dos Pirenéus para Roncesvalles e se arranca de manhã desde este ponto - o primeiro da Espanha no caminho da Navarra).



Que aproveite esta diversidade e que tenha bem prontinho o Inglês - assim pode conhecer e partilhar experiências com outras pessoas interessantes.



Caminhar o caminho implica ter uma CREDENCIAL DE PEREGRINO - que pode adquirir em postos de turismo ligados ao caminho Português, em paróquias ou em abrigos do caminho oficiais ou alternativos (como certas corporações de bombeiros). Aqui na zona de fronteira adquire-se muito fácil - não é dificuldade.



LEMBRAR - o caminho tem LOJAS e pode-se comprar alguma coisa que se necessite ou se tenha esquecido. Não há problemas.



O mais importante - é o caminhante (ou peregrino).



A sua abertura para o caminho vai determinar a forma como o caminho se abre para ele.



Agora - É UMA EXPERIÊNCIA EXTRAÓRDINÁRIA.



Qualquer dúvida que necessites esclarecer não hesites em contactar.

A caixa dos comentários serve mesmo para isso... e para conversar também - porque estamos sempre a aprender mesmo quando TEMOS MUITO A PARTILHAR :)



Um abraço

Sem comentários: