Música

domingo, abril 17, 2011

p a i s a g é n s p a i s é g e n t é s p a í s n a m e n t é s



Enquanto te recorro: pé ante pé... dormente, 
em mim revejo esse sonho, neste eco sempre presente;




Ouço os ecos das ruas, revejo a história que passa
Contemplo perdido o restolho, vide sem fruto e escassa





É nas tuas paisagens e ruas, no mirar de toda a gente
que passo com passo tristonho, enquanto me perco neste presente



Nas capelas dos fundos, nas luzes distantes
Nas crenças, nos mitos, nas vidas errantes




E passeios  velados em tardes de estio
Ficaram tapados nos dias despidos



Já ninguém voga na barca do rio
Já ninguém cruza na ponte das almas



Está este tempo entre as gentes perdido
Silencioso o sino já não chama quem  passa




Ficaram as uvas pendentes sem brio
Ficaram os moços sem vida e sem graça



Onde outrora houvera vida, romaria
Há agora silêncio, uma escura vidraça





Onde os corações ansiando, onde a guarda do caminhar
Onde os jovens rumando defronte, onde a virtude de andar




Peito aberto, olhar sereno, fronte erguida ao ver-te passar
Rosto simples, voz sem ruído, corpo sóbrio no teu divagar...




Nem tudo se compra, nem tudo se vende - não há virtude que se possa pagar
Um só dedo, em um corpo livre - tem mais vida que uma vida a arrastar




Vê os laços e os compromissos, que teu futuro pretendem quebrar
Se tens brio, sentido profundo: ouve o apelo que te faz palpitar






Quem te perdeu... Portugal?

Sem comentários: