Música

terça-feira, julho 26, 2016

PARECE ESPIRAL PARECE S E r F R O n T E E d E f R EN T E S E L Ê - e @' ma's



nes se
sonh o
nes se
  sev
  e  n
s
e
  j
     o

n
    e
       s

s  e  '
 @
l
  g
    o
q
   v
     e
e
b
  e
m  @'s
s
      I
m
      s  e
so
    n
       h'@
  q
ve  ve
m e
v e m

e
   v
ogar
e

v
  o  l
     t
a
@'s
sim

     @
vi
    r
      '
     @'r

d
  e   s
d e  @
        '
c I
    m a
a  s
s
 I m a
o c e
      n
t
   r
      o
e
de
     volta
         e
    m
v
o l ' t  @
                @
  vida        '
nos
volta
         @  ' d
O  '
@ r
   


segunda-feira, julho 25, 2016

AS LAGRIMAS DO PROTODE ABRIGO QVE PARECE CÉV SENDO SEV EM PEITO DESSE SER MAIS ALTO - QVE AMIZEDE E SER ASSIM TESTEMVNHO - VIVO

Seres  qve sendo
 a viver qve sendo
 assim qvais as vidas 
qve sendo
n
@
   ’  
     s

    N
    O
    S
S@S
   '
     IMA
 G     E
       N     
S
      E
  
      E 
      M
S
P E L
H    O  

COM
PAI
XÃO
SENDO
DESDE
C
 E D O
S    E
R    E
V I  V
EM

  as
sim  
bem  certas 
qvais nas
lagrimas
 igvais 
de 
olhares 
tais 
@' sim 
e   bem 
também 
nessas 
veredas  
nas 
noites 
abertas


qvan
       do  
com
p
a
   I
x
   ã   o  s
        e
   s v s
t e n
do

@'O 

   f
   '
 @
 c
h o d
e s s a 
no i t e
se
n
do

rvbr@
n @ '
     s 
  v '
      @ 
 cor '
e @
 m
   ais 
a l
t a 
n a s
v  a  s
i
  na assina 
a viver 
assim na 
sva
 p
  ró
p
 ri
    a 
 vid
a
e en
si
n@'
'@s
s   i
        m 
@' r
       e
 viver 
a  

g
v
a
r
ida

desse ser
qve a de vir 
@' '@  
     d
       e
         s
      e     r


as
 sim s e m e
s e m se me
     ) 
                 º
   (
  e  
r
@s
sim e
@penas 
e
qvando 

ames tanto 
e assim
e bem mais  
a
o s e 
r
  e   s
 @ '    p
   e
     r
      s
    e
ver
a    r perseveres
é lembres 
qvando 
e
qvanto
o
bem
amavas 

e nem te aperceberias 
qve também assim ficavas
                  e
            d
a   v
     a  s 
q
ve 
 cedias

 q ve encontravas nas vias e nos caminhos 
enos seres mais simples  e comezinhos ora
assim e nos lvgares  nesses mais  distantes
qve sendo ENORMES e  VIVOS E BRIOSOS



apenas  
nas 
crianças 
n o 
      s 
   se v s 
par e s 


assim e ainda
e bem
sendo
são

c
 o m
p     a
          r

tem

saber 
dessa vereda  desse slvgares aonde ainda
a arvore da vidajaz tombada
oss evs ramos olham a  estrada
deses qve almejam  dos qve bem cedo   passam
e na noite  reacendem com artes qve se jam transcendeesn s vas  novas antigas e vivas vstes
qvais por entrias iamgens q v imaginaste
qvais por entre os sonhos qve  bem   viveste e celebrastepois os cpmcretizaste
e  assim e sendo - a té ao anoitecer non mais ceder
assim  contib«nvarvma a vma a s folhas
hão de ser a  ser e  arder a reviver
folhas de noites
de notes
notas vivas
flores qve pairam no ar e q ve toqvem e revivam novtras vidas
em  sejo em peitomaisalém s entido ov sentime to vagas memórias qve todos levamos po dentro
e ao contar ao cantar ao s egvir o  fogo o ovme do lar nesse  algo qve se entrelaça e  ergve  segve e per-se.vera
e verás
qve  desses seres
dessas sombras algo novo  assim farás
com arte e d evoção o som o tom do momento  encontrao brio a  fina  flor e a imagem  se  desfaz no o sentimento

e sev ser a sim atento e s evo sev lvgar e nocência ao see star  sem parar de  amar
send a sim qvais as folhas d escritas poeias qve e  vitas  qve  hesitasem ver a  vibrar qvais as cordas mais  sonoras qve anvnciem mais  qve  horas e horas
AH  FIOA a fio além  frio  qvente compaixãoe  sem se parar
assim gemas  dos dedos  gemeas as notas  e as noites q ve bems abemos  hão segvir noós a   encontrar e s egvindo averededa o caminho
o testemvnho de vivda vivido assime cod«s debrio em ti
serão
assim se refaça  refrãoa refrão bem e passa peor entrio  centro desse s ermais além d ailvsão
ao alvo ao  a noitecer ao ser alvorada  do dia  ase  reergver e nessa e scadaria desse brio  qve se anvncia
nessas avgoas de novo vivas
asimndo  assim sabes ovir
as escalas da snotas todas a sim contidas a esperara por ti e   um e dois se somam e  tr~es bem mais
e  sendo asims e assomam os seres qve  bem ais non temais
e qvando  encatar em cântico  sendo  já maislaé ar e s endo asim aprecidos  qvase q avse escondifos e    igvais a sim seres adormecidos d epsrtais1
e ao  despertares os sonhos q ve se  abrem  janelas ao bem s er  real  ora d eilvsão entre o  elevar e levantar entre o  jazeraind a dialbara  esperança
bema mada!a chamar a chamarada - aasim a zul a ssim verde espera assim qvando elevas a spalpebras ele«mbras o qve bem se  svecedera
e trazes e bem venhas  trzer mais e  ais s eres a asima s e  -  elevare svster e nessa melodia qve bem ame o d ia e na noite se  venha aembebecer
assimsendo em bevecida a senda  renascida e  o caminho de novo a permanecer 
lembra sem d emora q ve trazema sim    vm  sina  vma franja  vma  cravada adaga nesse s er  ave beme sperava a sim e   sem amsi a  reconhecer nessa
tva melodia atva a ssim a força amaiga a migo  fraterno  fraternidade no incerto e flecla a sim bem  lavrada   em chamas  ardentes cravada aonde  jazia o gêlo dese s erq ve passov  pensov  qve se d eixov  qval sêlo -q ve  ficov nas - costas de costas voltadas
qvais  dsejos q ve erm amor  entrias notas e cordasa sim -  meio enlameadas e dessa lama  se fez  gente e desse  algo parado rio flvente e ntria gente o  rio  qve  flvia se ovvia a   melodia desses er q ve jamais jamais   sndo cedia qve  jamais  jamais a sim sendo a sim  partia  qva  jamais jamais ainda a temer ora  de temor ainda sim elevava  na noite o  sev c«fcaho de amor a sim  em fvlgor ao poemte  fazendoponte entre o qve  bem sendo e o q ve bem priente  e  ssim endo desde  a noite apontado anrte sempre a sim  trasncede os er o tempo a sim transcendo ser  presente
assim sendo o  tempo  voa a asim sendo o tempo  +e  assim no tempo tv o vejas qvais bem vejam  qvais bem se v~e
assim
e também 
sejam
no sev lvgar e
nesse  - o SER
 qve 
tanto 
p
r o
c v r
a v a s
     e
n
e  s
s   e
 e  n
  s
ejo 

nasce
e
  n
   @'s
c
   e
n
    d o

    n 
  o 
peito 



ah! flor 
qve da
'@rvore

assim
 jamais 
encontra
v a
     d
   e
s...
















I walked across an empty land
I knew the pathway like the back of my hand
I felt the earth beneath my feet
Sat by the river and it made me complete

Oh simple thing where have you gone
I'm getting old
And I need something to rely on
So tell me when you're gonna let me in
I'm getting tired
And I need somewhere to begin

I came across a fallen tree
I felt the branches of it looking at me
Is this the place we used to love?
Is this the place that I've been dreaming of?

Oh simple thing where have you gone
I'm getting old
And I need something to rely on
So tell me when you're gonna let me in
I'm getting tired
And I need somewhere to begin

And if you have a minute why don't we go
Talk about it somewhere only we know?
This could be the end of everything
So why don't we go
Somewhere only we know?
Somewhere only we know?

[break]

Oh simple thing where have you gone
I'm getting old
And I need something to rely on
So tell me when you're gonna let me in
I'm getting tired
And I need somewhere to begin

And if you have a minute why don't we go
Talk about it somewhere only we know?
This could be the end of everything
So why don't we go
So why don't we go

This could be the end of everything
So why don't we go
Somewhere only we know?
Somewhere only we know?
Somewhere only we know?

     

domingo, julho 24, 2016

N@'S e n@ I ' @ g R I M @ 'S nas palavras entrelaçadas de vida! plenitvde esperança a svster e em "heaven" in to "heaven"parecem e se entretev«cem ao s e saberem - rever






SE
SENDO
VIZINHAS

as avezinhas
do cév
assim viessem

- sendo as primeiras
primas e veras
e assim e desde
  o
s  e
r  c
ed   o

 -
as
sim e
 
t
a m b
e
       m

 p
r o
f e
s
sem

@
  '
   '
    @

ne
  g
    r o
     e
al
vo
trazem
d e
b
@ ' r
 r    o
@ ' s
s
v
'
@ s

casas

per
f a z
e m
     a s

avgoas
beijam
e  n o s
c  é   v s

c'@n
    t @ m
       '
   p
  r
    i
       m  ore
               s
e
trazem
flores e frvtos de mais de mil amores
qvando bem se entrelaçam nos  ares
assim desfazem sevs seres pares
sempre o sendo e
sevs peqvenos
rebentos qvais
flores nas
avgoas do
r i o
b e
b
  e
      m
e  s e s o
e r
   g
     ve
           m
      -
      as
      sim
      n
       o
       s
    v   e
      n
d    o
n
 ós as ve
    j
amos



sexta-feira, julho 22, 2016

POESIAS SEM NOME E POETAS SEM - LEME NEM TEMA NEM TREVA... APENAS NVM POEMA...



VER ENTR'O
VERDE
E SE DEIXAR
DESSE VER
DESSEVIVER

ASSIM...
SENDO-O:



T
 Ã
  O

 F
    I
     N
A
Q
  VA
     L
      E
         S
 S A
A LI
NHA

DES
  SE
DES
CRE
VER
ES
E
DES
SE
SER
A  0
ESCOLHER-TE
ASSIM
       AO
         R
 EVE
R-TE


E
QVANDO
E
DESDE
O
MAIS
CEDO

O CANTAR
 DESCE
ORA
DESCENDE


AS
SIM
DES
PER
TA
  S
  SES


 A S
     SIM
  E DES
   DE O CANTAR
DO
PEITO
AO
SEV
DES
SEM
EM
PLE
NO
NO
PLE
NO
  L
   V
      G
      AR
  Q    V  E
DESDE
AI A DENTRO...


ASSIM
E
 BEM
 SENDO
  AS
SIM
E
B E M  S  E
I L  V  M I
N    A      S
S              E

quinta-feira, julho 21, 2016

ASSIM a lá gr i m@ 's endo - desde o momento na qve se rim - @' - mais

dos caminhos qve se preenchem
das gentes qve  non se deixem
e  
dos
hinos
e dos
lvgareso
sendo e ainda
estando pares  
desses tempos
desses fvdares
desses fvdamentos
 
qve todos lemos
e non os detemos
e nem nos detiveram
assim e em tantos...
nesses...
nossos...
vossos...
...anos e
em tantos
qvais
o s prados
 e
a s pradarias  
e
 p
  o
   r
   e
  n
 t
r
I
  os os
    b
    r
    I
    o
  s o s
além
veredas
e além
dessas
as mais
a l t a s
a o
 re
  -
   v
    ê
    l
   @
  '
s
qvais
nessas
as
tais
velas
verdes
e
pvras
e
belas
e
nas mais simples
e svblimes horas
nesses
 o
  s

s
  e
  v
s
sop
ros
qve
 t
  a
   m
     b
   ém se
     s
    i
   n
       t
  a m


(
. . .
 c
      O
 n
t  I   '
n v  @
    r
 @
'
...
)





sexta-feira, julho 15, 2016

NVM@' L@'GRIM@ - AP@'RTE PRIMEIRO E VM POEMA É EM SI - SO-@LHEIRO - SOL E CORAGEM E LVAR DESS@' MAIS @ SV@ SEN S I V EL C @'R @'GEM

@'s
m @
o  lvar e

entrios movimentos
risos ao svstentar
em por
en
t
r'os
fvndmamentos das
svas tvas nossas
e
nessas as vossas
as palavras
d@ vida
 a
  s
   s
    i m
      @
      '
      s

sendo
trazem
trazendo
assim em dó de
peito essa
@' coragem
@' palavra


entria

aver
tigem
e
@
vor
agem
assim

ao bem
. . .
se re
  -
en
con
t
rarem



e
sendo
assim
e
b
em
mais
s
 vst
I d as
 e m p
   @'
  l
 m@s
  '

de mão assim
@cim@' bem@'
abertas...
qvais flores
e n @' s
f
l o r
e s t @ s
...



e se des
sem svas
 v
  I
   d
    @'s
    ...
     e
     m
    c
   é
  v
 s
   ...
  r
   a
     m
   o
 s
  @'s

    s
     I
      m
s
e n
d o
d e s

    p
   e
  r
 t
  @  ' s



nes
s@
@
n
  o
    I
    t
  e

@
' m
  @
  'I
    s
se
  n
    d
   o
qval
bem
mais
s  e

 f

r ' @

nessa
na
noite



@'
m
 @
  I
    s p
     e  r

     f
   v
m@ '
d@ @
m@
  s
Im e
    s
   c
  v
 r
a mais
í
 ntima
 a
n
 o
Ite
   m @
   I s
     b
   e
 m
d
 e
  I
   )-(
  @'d'@


e
@'
@
M e n
o s b
e m l
I d @
 a s
 s
 I  m


   @'O



    m
    e
r

    g
v
 l
   h
@'s
   n o s
   s o n
    h
o s s e
   m
f
vn
do

e
en
con
tr@'
s'@
s v @
  p r  o
   p
I
@  '
-
p
  e  r  s
p e  c
           t
     I
      v @'@' s
  s  I   m


sem
se
de
ter
nem
@'d
eter
o v
m I
n
  @
  'r

@
 '
  h
   !

 V
   I
    d
 @
 '

segunda-feira, julho 04, 2016

DESDE 2005 - 2-7 NON NOVE - assim- vma tina e a ovtra diz qve non - "xove"



a  s
sim
e s
m e m
 ais 






e a linha essa fina linha

qve sendo-o
assim
tão esgvia
tão parecida

a
  qval
     nv
ma
 f ol
ha


vista
    em
    ver
       so


nem de frente

nem
e m
    s e v
     s e r
t
 r
  @
     '
       n
           s
           v
 e  r  s   o
   e
sendo assim
q
   v
    @
      l I
    l v
m
I
  n
   @
 e
 b
   em
 sendo a ilvminar
 folha qve
também
       n
        ave
         g
           as  n
             o f
               l
              vIr
da vid@'
s e m
sede
t
  e
    r

ne
ter
de s e
deter
m  i n a r
nesse
o sev c v r s o
o sev r v m o

em n o m e
e  n  a  sv
m
v l a
assim
sem
ser

o s e v
 -
e s
s e
   n
       c
  I
    a
l e r
   r
e
 @
' l


assim a nervvra

 b em a
d escrever
@h
 q
validade!
  da v ia
do ser
dess@
  h
    v
m
an
     I
d
     a
de
desse ser
 em ver
    da
     de
de s s e s
     e r q
        v e   sendo-o ainda poderá  almejar  amais
ao  ser em centro
 aos sevs igvais
 a d  j v vando
 ora
es
mor
e
cen
do ao ro
do  p     I ar



 entre
 ares
non mais
sabIdos
 e
ent r'os
         mais

simples...
rodopios...
dessas...
avgoas...
qve
também
nos soam


qve bem nos ilvminam
qve nos d o a m
 assim
@'O sa
b
  e
     r 
o sa bor
da
vida!...


e sendo as s i m
a se
 d
e s p o
 j a r
  des
   des
      s
    a
a
  a
   r
 v
ore d
a vid
  a

ínteg r a
e s e
  p a r

s e n d
o 
a p a
r
e
c
  I d a
  n a s
som
  b
r@'s
    d e

ovtr  a s
'@ r
    vo
        r
          e
             s

altas!


bem
e voga e pas
 s @
e  traz a paz

 desse   sabe
                 r
 ver e sentir o s
                     e
                  v

d
 o m
 a o s e
 a
b r
i r e m
  a s o
         n
das


e    m
d  e -
re d o r
           as
 sim
sendo
qvais
as óvalas
qvas e
feIt@ s

perfeI
t as as
  n
   as sv
      a
  s m
    ais
cên
t  r
 I c
a s e s
f
 eridades

ef
éme
r @ s


 e
non
     a s
   sim
se n d o
a o s s s e
   v  s
p
 @'
  r e s


pois a ti sendo

já  che g a m
a o s e as
Imaginar
em
e
  s
    e
      n
    d
o -o p o r dentro te eleva
nessas as dvassvas  tvas

minhas
e
nossas
e
nas svas
e
nas vossas








em ti e em mim ao  par ao aparecerem os primeiros lampejos desse  vniverso na noite velado apenas para ti  sendo qval labirinto consagrado e ao despertares... com o nome em lábios...  com a imagem de ovtro ser...  nesse ser tido.. lado a lado..
 assim qval "vm" ... sendo -o  nvma... dança... qve se  estende...  ai e aonde ainda a sva consciência  mais além paz e ciência - desse se aproc«ximar - te  savda qval a folha mvda aolongo do ano ao pasar a  flvir a rodar qvala folha  láminaafiada em branco para a pena a plvma o tema d atva vida a descrecreverem - ao ser bem descrita asim nessa pena qve  voga nesse ar nesse evento e nonmais exita e sim! sim EXISTE! e bem a vês qvandoa sim em  pleno ser bem  sendo te abrite -  o seio   assim o coraçºaoa sim mais bela e   mais s vblime  - canção - melodia sendo a aparecer  entria  magia d anoite e os ev a alvorecer