Música

segunda-feira, setembro 26, 2016

sem menos e sem mais sem perfazerem sons parecids amar amaria asmarinhas bem contadas das costas jamais a serem viradas espr'aças nvnca apagadas entr'ias tranas e seres com tempo para as saber trançara onde non haja qvem as saiba assim pelo apelo desses cabedelos ovvir e ver e svster em mão...






E SE ALGO CANTOV
a
val
 a alta
 tocha
e
entr'os
francos
e nós hinos
invsitados
e disse-o
- em plena voz
 a vós assim e
 sempre sendo
 e fomos nós
a ovindo e a
ver aventvrar
 ent’rios

fogos novos
e tantos!...
 dos velhos
qve se viam
a sorrir
sorriam

enqvanto se
desvanecer
 e crecem
se se
desvanercer
se
 r
  i
  am a o
frvto do fvtvro
ao tempo a pontar
e ora se nos chegassemos
parcos e as parcas
frvtas das iagoas
das iarvores
das frores
dessas
diademas
e das gemas
dos dedos a saberem
a tanger
- sem mais a
amparar
e sem terem

em si o poder...




Sem comentários: