Música

terça-feira, setembro 13, 2016

@S S I M E S E M M @ I S- e se m p r e c antar c antar e m o s e a mo r es se m p re aInda q v e f aceas non t e mos

Dessas  as svaslágrimas
as doiradas lavras
lavradas nas marés
assim e bem a cima ao mai sprofvndo se r
e
a n i ma
e sendo-o
recaital qval a vês
tal qval tv também o es
e resoa ao longe e de perto qval deserto 
à sarar!
e qval ao vento e qval evento desde o centro por ventvra 
sem o ver  sem  haver por ventvra 
h
a ver a
 voltar
e sendo  reacendida nessa a sva chamarada
nessa sva chamada nessa a tonalidade
sem tecla ao nos  tocar qval som desse a eternidade qval o  ven
toassim se r e dvz ao sev chegar
inspira o forte evento
e nesse  sev novo centro
desse ser em vida!é  nesse s er qve sendo  a sim se a viva e sendo avivado qval cí
rio
nessa noite nasce o  dia e nesse ser d e sse  centro  a ave mais  estrana na noite mais bem toldada qval  por entrias  veredas cheias eplenas  qvais as pérolas mais bem afamadas
assim as vistas e masi bem as visões e dessas cores ah! coragem e deeseassim - as svas OPÇÕES
e desse ao ver ao viverem em  de-redor   e nvma ave  florecente qval ardente flor  e semente e s eiva desse s er arvore cer assim se enarbolando qval digas qve as bandeiras e as aves se  redvzem as ondas qve as mantêm assim vogando entrias mais pvras e cristalinas e as maisimples qve também  svblimas e sendo  desdes as crestas mais a ltas asim lançadas  e aos cévs os s evs apelos em plvmas e  penas de  sonhos também  transformados e sendo asim qval apelo  na tva pele a sim  e também as vagas dessas areias do tempo! assim se des fazem 
por bem e qvando e qvanto mais ames e menos temais  e  asim sem temor e maior amor a sim de grande  peqveno e em clave  asim as tocais e sendolivres eplenas  epvras e apenas s gvras asims e  sabem sentir e nesses tímpanos  nessas   veredas nesses labirintos nem  te qvedas qvedas soam e s ão e nem te d eixam  nem te d eixas qvandoa sim  segves o  sev  ser ao  sev tom  de  mel e melodia  desse s erq ve a marés amaresias seres sendo  desde cedo se  reergvia e desdeoorvalho desse qve tremelvzia eqve a lvz íntegra e p'rece qve sedesfazia a simem ti em em mim qvais entrelaçadas vagas a sim sendo a s  soltarem ao vento as aves a ave é livre e no eito   cresce a d'reito e assim  entre o dom e o s ev dó qval em cisne dawn trascrita e qval em sword palavrabem  dita a sime  sm m ais tres óvalas entrelaças e  sendo mais acesas nso cevs a sim  -  hasteadas
qvais as  bandeirs sme terem  cor  cintilam e se a gitam aos ventos qve bemmais non vejas ver a ssvmir e sereme  nesses hinos  sentidos plenos ovvimos e  ao sev - abrir  nesse ceo ao se reconhecer a lagoa dos tevs olhos menina sem ter - assim aos molhos as tens todas e sem  qverer asim   esem mais desejares és e nt'ios  cévs e  sevs pares e sem partir  asime bemmais o  arco sem sobressalto iris diz a  gente  risdiscente a sim em redondo o vejas   também e qvando  desse oiro proetido  assim qval e s qvalido  ser lido em e stórias desse s er dde qvatro folhas  ah  sorte  desse  nrte em   ser de anoitecer entretecidas as estórias lidas desse  assim ao  lor e e ao ser de cor assim sem  bem qverer qval astro em ti nascente em tia a nascente a a vgoa viva o ser vivente e sem s era sim sendo presentea sim qval a viver qval ao ressoar  qval  sere em liberdade e em pleno ar a sim  sabe  a  avgoa e ressoa a li e aonde bem  a vejas e s ejas  ao beberes sem a d esejar e sendo livre e forte e limpida e bem mais alta  qval casta sendo sempre  asim dessas gotasqve se elavam a sim entrias  volvtas  te elevas tv nesse entardecer ao cveres entr'io   lvsco fvsco o  rio da  vida  flvida qve  flvi e  reflvi sem mais d eixard eo  ser e tv   também asim e   por empre bem s ejas qvandoem a rco sem porta e  sem  qverer entrara sim e stejas nesse centroaonde poisa a ave a plvma a pena e  oser íntegro nesse  ser
nesse centro ao sere despertar assim sem mais nada a ssime  sem mais a sim a o  entardecer a  anima a alvorada a assim   qval  avrora  bordada pelas tvas proprias mºaos ao  ser a  er  ao s eres aos entir ao renasceres entrio passo dado eco do passado e   amanhã desse amar e o presente se parece qval p'rece a vsente e sendo-os empre asim qval  sera  se   trasformar asim qval  nvma arvore vivente em forma desses  gemas plenas de   avgoas e dessem assim a beber a via de vida refelctida em  sva   propria melodia qvai  nas tonalidades além  uzidia  assim  qval noite entretecida asim qvais as marés soam mais longe e renascem aonde ningvém as  vê e  qvando se vejam a sim ao bordejar a tva barca qve navega e as praias aonde inda se descrevam as svas peqvenas -  e lavradas palavras nas vagas nas névoas nas - peqvenas - avgoas nesses "p" ao serem qval bem vejas e nesses s eres qvais tais vês - assime também se almejam - qvais as - mais altas - as gaivotas senhoras das avgoas e s vas honradas  palavrasnas  espvmas  lavradas e nessa sondas e marés nesses rodopiares  brados   jamais qvebrados e nesses  e nessas ondas e crestas  alvas crestas  elevadas desses montes aonda pairam  nesses t´veis d elvz e  vida aondeentram e  de aonde ainda sabem -  qval sal  qval salvagvardadas qvando se enfileiram e sedecidissem se opção desse tommaior ainda eco qve  fosse ao passar   bem ovvissem

Dos mares da Irlanda 
e das costas da Bretanha
vão partir
velas ao Sol


bandeiras desfraldadas, 

torres, lanças, brilham espadas
vão reconquistar o Sul


Os Celtas que vão partir
quando o Sol nascer...


Grinaldas

nas ameias
ardem as
que não

nos podem 
queimar


Gai
teiros enfeitados,

vão tocar 
cantos passados
por aqui vai começar


e vem 

dançar, 
vem dançar

até 

o sol nascer

Das ribeiras da Galiza,

através da Ibéria antiga

em
nome dos nossos Reis


retomar as fortalezas, 

"Sant'Iago e aos Mouros"

para impor as nossas leis


os Celtas que vão partir
quando o mar crescer...


Ignorem-se os presságios



que nos falam de naufrágios
(DE PROMESSA DE FVTVRRO-AO QVE SE VEJA AGORA)


vão partir velas ao sol


São guerreiros 
enfeitados 
que ao som de cantos passados

vão reconquistar o Sul


Mas 

vem 
dançar, 
vem dançar (canção d o mar)
até o sol nascer...





Dos mares da Irlanda
Gaiteiros Guerreiros
Bandeiras Fogueiras
C

 as
 t
elo 
s Re 
c 
on
 q
vis
t a



Sem comentários: