Música

sexta-feira, abril 01, 2016

OS ASSINALADOS AS NAVES E AS BANDEIRAS E AS DITAS "ANIMADAS" ESPERADAS PALAVRAS DAS PESSOAS DESSAS PERSON AE - AINDA POR SEREM - SONDADAS

@

UMA 

MANEIRA
DE 
SENTIR

VERDE E O VELHO 
E A
VERDADE

VELHICE

QUE
SORRISSE

PENAS
EM LI
BER
DA
D
E




os espaços os tempos os lugares - s«os primeiros que soam a ser os últimos sempre os primeiros 
EM FRENTE

 qual 
Amália 
amaria 
ser a voz

de 
Portugal

todo 
@! 
voz de todos nós!
...



- qual assim "Portvgal" 
assentia 
quando 
a
outra
Maria

lhe diz  
bem 
por 
mal

- e -
quando 
tr@va 
bem 
pas
sa
se




e a
sim mais non
se 
abeirassem

os
antigos
sendo
novos

sem 
abrigos  
sendo 
povo
de
Humanidades








assim 
se 
entregues
sendo

 apenas 
umas
comum

idades

que 
sendo

em 
verdades veredas viveram 
esmor
es 
cendo
-

q
van
do
riem 
so
r
riem

re
 acendidas 
quando 
prend@m


chamas
veras

quando
 assim 
as 
velhas levas
 assim sarem 
@
sua 
nossa 
as
vossas
condoídas
eferedidas


e
s
s@s
letras 
g
ar
rid@s


assim
ao 
vento

 a
uma
suplica

que
sem
lamento
ora

por
  ser  
a
dentro 
por
estar 
assim

qual
evento

assim
alent@

 assim 
@lent@
 - 
assim 
@o 
ser
es
maior

que
seria 
sempre

@
primeir@

-
bandeira 
de 
riso e dor 
-


de
sa b er
além
dor
assim


assim
se 
doar

e
quando

tivesse 
três mãos 
em 
pares

que
bem
não
se
esquecem

assim
e
bem
a
mais

 sabedoria 
a
sim
bem
mais
saberia

assim 
bem
mais

- seria -

aprendar
qual
um
ancestro


- qual uma arvore cipreste -

assim
qual
preste

assim

sempre

se
havia

de
nos
ver
encontrar
ao 
longe ao longo


deste 
caminho
leve
assim
 sendo
elevado

 - quando uma chamarada antiga desde o brio -

desse
tal
frio

tivesse
caminho
andado

e
quando

os
passos dos caminhos
 tantos e tantos destinhos


 -
destinos
assim
entrelaçar

entre
cidades
lugares

pares
as
sim

por
sempre

mais
bem
por
igual
que
sendo

o
sentido
ao
centro animo

de 
ninho de ser ave
 de 
novo e voar


vogar
entre

avós e avôs
e o 
nosso


doce
lugar


entre
a
ave 
e
árvore

de 
vida 
esse

o
lugar 
de 
inicio

o
centro
e  a
ver
assim

 a 
chegara
partidas
assas
derramada

pelo

meio da vereda 
ainda

por
ser
trilhada

e
quando

assim
ver
erguer
estátuas
de
fogo

vivos 
e
mais
non
esquecer

entre 
empórios
de
desertos
de 
 pátios

vazios
de 
casarios



abertos 
de 
placas
de
nomes
ressoando

assim
soando ao longe 
por 
entre 
tanto e tanto 
clamor

de
brio
ora
de
ruído

entre
o
riso

alegria 
dor 
assim

ser
mais
antigo a servir
  
@
sen
hora 
@! mais antig@



assim
as 
pereza
desse


novo
sentir
quam

uma
tal
arvore
e
ave


em 
chamas 
ainda
nova e viva 

por
 sempre

qual
@ mar  
@ maria
...Amalia...









Sem comentários: