Música

terça-feira, março 15, 2016

@ T R@S P ALA VRAS A PEN AS - - - º o O - TRES ESTRELAS AS CERTAS tres MARIAS as rosas desertas - t r@s nomes desde orizonte ao oriente e desde a nascente ao horizonte voltando



Parado e atento à raiva do silêncio 
de um relógio partido e gasto pelo tempo 
estava um velho sentado no banco de um jardim
a recordar fragmentos do passado 

na telefonia tocava uma velha canção 
e um jovem cantor falava da solidão 
que sabes tu do canto de estar só assim 
só e abandonado como o velho do jardim

o olhar triste e cansado procurando alguém 
e a gente passa ao seu lado a olhá-lo com desdém 
sabes eu acho que todos fogem de ti para não ver 
a imagem da solidão que irão viver 
quando forem como tu 
um velho sentado num jardim

passam os dias e sentes que és um perdedor 
não consegues saber o que tem ou não valor 
o teu caminho parece estar mesmo a chegar ao fim 
para dares lugar a outro 
no teu banco 
do jardim 

o olhar triste e cansado procurando alguém 
e a gente passa ao seu lado a olhá-lo com desdém 
sabes eu acho que todos fogem de ti para não (se) ver (em)
a imagem da solidão que irão viver 
quando forem como tu 
um resto de tudo o que existiu 
quando forem como tu 
um velho sentado num jardim


sou 
eu 
- somos nós tu e eu que mais não parecemos

nas imagens nas noticias que todos os dias - vivemos - no ser de amor que esmorece e na família que era e que jamais e esquece - e na nação - que assim - arrefece - da sua viva opção a ignorância prevalece
quando
assim 
deixa 
de 
crer
de 
acreditar




assim a beleza 
- aparente e a intimidade -

aparência e a liberdade
ora a libertinagem 

os 
"teen" 
sem bandeira 
nem corredor

assim vogam
ao som 
- da
dor...





- no ser que antecedeu o ser que deu vida o próprio lugar ao lar aonde estivemos aonde  vive o calor a esperança esse aonde nunca morremos - memória viva chama ardente assim o passado se torna e retoma o testemunho presente  a face - assim de face ao futuro 
- um ser um quintal sem muro um riso um sorrir  um ir e saber regressar um voltara sorrir por etrio dia 
a
dealbar

e uma espera e uma esperança na mão de fraternidade em ser de  estar a  espera 
- assim - de ser - materna e bem  exposta...

esse algo  de perfeição 
esfera no "ventre" e mão em mão


- ao ver-te assim brilhar 
- quando assim -
expões
advogas

@
própria
vida que és e assim nos vens doar

desde
mar 
assim 
em
cimeiras altas 
crestas
cavas

assim 
qu@is
esses
"alvos"
cavaleiros

(que sempre - assim sendo - bem te resguardaram)



tal 
EVA


RENASCIDA

RUBENS TE PINTAVA


RESSURGIDA

DAS 
ÁGUAS 
 ÉS
VIDA

ASSIM em ti - e través - a vida flui e sabe ser gente e sendo fluida tu és mudança brio - e plenitude que assim e mais acima - nos abraça desde o tempo antes de o ser
desde o momentoq ue a vida em si mesma se fez assim
- conceber

vida somos - humanidade prenhe
dessa luz desse ser
e saber estar -SCENDETE
ar ardente qual sopro assim qual uma vida sabe a outra dizer no
sil
en cio
assim qual uma palavra descuidada
assim uma diga a bem cuidar
e quantas as linhas e os nomes e os testemunhos viventes que este mundo - 
A
TI 
"DEVE"
  em 
ti 
segue 
saber

d
o      i       a
r



j
@
M A

I
S

@ '  S

S  I M
@

- LIVRE E   @ MAIS -

NVNC@

@

ES
CR@
V@S


DE
S
S
SVA 
PR@ P RI@ 
SI
N
@


DE
SUA

SOMBRA

DESSE
@
VOLTAR 
O

SER
E ESTAR
JUNTO E COM
PLE

MEN
T
ANDO

PRÓPRIA

VIDA
EM
DER
 RED 
OR



E O
SER
AO 
NAS
CER

DES
SA

MESMA 
FONTE

Q
VE
VEJA

CEG@' 
SVA LVZ

EM 
D@R
R@D 
OR

AS
SIM 
RES
SO
A


MAIS 
NUNCA
DESDE

ESSE
MOMENTO

NO

Q
VE

- SE -

VE S TE 
- INV @ STE -

DE
S
SA

 F
COR
ÇA
GRA 
DA
SVA

 P
R Ó
P
RI@

 OR I GE
M
@
'

@
S
S I M 
D
E  S
D  E
@

P
RIN
 CÍ
 PI@

A
NASCENTE

A
BRANCA


 S
EM
ENTE


 A 
ALV     URA 

   O   
A MA
G O

O
R

 - A -
'
A
L
T
A

COL VNA
O

P
 I 
LAR 

@  S
S  @

 P  E   D
R
A

M
AIS

V
E    R
A

 VE N CE

   A 
D      O    R


A
S
S I M

@
M

ABRAÇO

D@
D
@

E
M
V  E  R
-
S
E

E
M
V
E
N
T
R    E

A
S
S
  I M 
R        E
PO I SA
E

T
AM@

BÉM

SE
DIZ
"BOA"

À
N
A           S
C
EN     TE

A

A
G  V  A
 ' 
A
PENH@
R
MAIS

EL
EVA
DA


 A 
MAIS
 HON
RA
DA

 F
L  O R
P
R  E  S
E  N
T
E


 NE  S TA 
NA Ç ÃO

 AI  N DA

 SE N  D@

 A 
S E N
H
 O  R  @


   @  '   S    
S  I  M
 - S  E M -

P
RE

      - H  -     
O      N
R

@  D  @


 VI       DA

Q
VE

E
 L H E

V      A
I

P
R      O
D
E N  T  R O

 A                      S
S
I
M

EN T RE

T
A           N

 T
@      S

SER

SEM 

PO D ER

- E M B  
R
EVE

NAS 
I
D     A

E
 M

F
  OR        M@ 
E

D                       E
V
M
A


F
OR
ÇA


Q
V  E
J       A
 I 
AM      OR 
C
O                     N

  
R          O 
N  T @

O R A
CON
 F   O   R  T@


para 
bem se abeirar 
em
 si 
mesmas 
as marés
 am@r 
@m 
ti

- é s in v estida

és 
sem 
sombra
qual uma onda
que se a senhora da terra integra plena
soalheira que vales mais assumas e que
colinas
em ti assim bemperfazes porser
assim a vida todai ntegra pkenae de "fluir e converger egerar
assim estando 
mão em mão
assim - em ti
a honra o peso o so
pesar

dessa balança dessa
viva
opção de saberes ser quem és
e saberes res
guardar tua viva "opção"

p
o r 
cor
g
em
as 
gens

assim
a
i
n

d
@

bem
t
'
es 
p
er
am


dess@
duvida

@
sen
hora

d
@
n
o       s
s
@

V  I  D
A



esféricidade
que se eleva

por todo tempo 
em 
verdade 
v
i
d  a
 e
@

p
@

l

A
V
R
@


assim 
qual
bandeira


segreda e secreta



 assim 
íntima 
se bem 
se acheg@

assim 
também chega a chama  a chamada 
a vela 
ao vêla 
pas
sar
@
 u n n
 @

mão na outra 
um saber crer
 e
 um acreditar
 e
 uma confiança
 e
 um saber voltar
 ao lúmen
 ao 
centro
dest@
 nos
s@
 vida

d
este 

"n o s
@
 s o "

l
VgA
r

 d
este 
no
s
so lar



  que bem 
s
 e 
r

e

  er  g ve 
sob re @  mais

   a    l
t
o
e
p
r  o
f
v    n
do


P
I
L   A  R

d        a 
V I D

da
N O S
S  A

 DIG
N@
IDADE

 H
 V
M@N
 @












Nós somos a forma bonita,  se comple(MEN)tar, 
de ser 
ao se saber entrelaçar
ao se saber encontrar
ao se encantar
em 
nós

somos 
voz

e a 
palavra

somos 
no 
tu
d
vo e  o  seu

- sempre -
ESTEJA
BEM

@
I

N
O

D
I
@

MA
N
T
I
N
O
DES
TINO
E
'
N
D
@
mais

A

L

G
V

@
M



quem
T
E

v      e
J

 @
''
  n   s   v
n        c      a

      v         ã           o 
   a        c        a
    b 
   @     R




cantando e amando


 
v i v
en     d@
  @  


c
o
m
to          da 
von       t       ade

q
v        e 
é

 p 
o   s

s          í
v
e  l
 @ 
 t 
e r
R
@

nós 
so m os

@
 "forma    bonita"

 com p  leta
d
@
o
 s e r 
@
o
vi v er



nós somos 
o ser

 ex
tr
ava
z
ado
n
is 
ora
'
o  r
 a
don
 a
 i

a
dona

se
g

ve

r
@

v     i     d
a
 m

a i s
G
n  @  n 
d
"
e         s
c
a
I

E
D     A

d    e
I
x

@


 que o nosso sentir

 n  o
  L  O
     d     @ 


 o 
mi     to
 co  @  mp
l
e                  x
i f i
c     N     a

 F
I
 A          T
L
V  O   S
S

A   N
d
R o S


AR
GON
@
V
T
@
S
e
m

b u s ca 
d        o 
q    v e 
n    o
"há"


cantando e amando e vivendo 
com toda a verdade que é possível 
a
i         n
d   @

d
e t   @   e r
n                            n
i n
a       r

nós 
somos

@
r
es
pi
r
@

l
á

H ' A
J   A

 l   A
 f       
or  ma

da
'
amais

e
s

S @ R
 bo   n  it @

c
o             nn
   p

             O      n   d @            
s
~

~
 
I     e      t
I

 s



@

 d 
              
 e 
    
 v                 i                  v
e
r



e eu canto e eu quero o que eu canto 
eu preciso cantar para encher essa forma 
eu sou o que eu canto 
é na voz que eu rebento de mim 
(cantico dos cânticos - do esposo à esposa - da alma - ao ânimo - do vasilhame - ao seu âmago - do estar humano à vida plena
do fluxo de um rio - qual cha
mar
ada 
assim 
-
@
@
ve           ra
ver    d     ad
ei          ra


@lguém
completado
 na 
vida


@  s
t        a
   o
   l
    a      r 








Sem comentários: