Música

domingo, março 27, 2016

QUANDO PAGAR AM O NOME GAL EGOS E COLOCARAM ESQUINA - ASIM FIZERAM OS MAIS BRADOS LEDOS E AS MASI ANTIGA SMEMORIAS PISCINA A AGORA VER VOLTAR O STEMPOS EMANETERO S FUNDAMENTOS DO ROCO SOM - ASSIM SENDO CNSENSOS QUANDO UTRO SLÁ NOS SEUS EIDOS SABEM DESDE OS AIS ALTOS ACENTOS DIZEREM CONDOM


DE UM LUGAR AO OUTRO seguimos encontra
ando
assim qual e quais as sete  senhoras que nos seguem a bem apel and@
e qual o alto e qual o mais baixo se reflexos em mim  no minho sem fim assim desde o  sil ora o -minhor  assim ver o val e  vale asimo valor maior  quais aogoas de viver de doirado ser a sim mais acima das perdes decoradas destas nossa vidas  assim tranlsucidas traduzidas ora pintadas pelo amor de serema  sim por sempre entre laçadas quando asim  desde coira fontoira asim bem se diz e s egue dizendo ora asver ems. i«ulião asime também  quando correm as a augoa spor aia fora e bem por dentro tesoiros debem dizer quando esas argas deixaem de "chorar
"qual flor luzidia
 a sim 
diz do dia 
@
sim

e
qual

nes
@
 flor 
da
noite

 ama 
consorte


asim qual flor de a zar que bem s elevava qual o  ser que a sim virtude em lar e   cor de laranja a sim transf«giversava uma chama de conco petalas  e uma de quatro - ditas "espadas2 na rosa as suas -  directas dircções entre oito ou doze ao centro - asim - sendo apontadas de prudencia - bem sabedoraa  ciencia a e de temperança a sim renasce a esper  a pesperança e apaciencia vestida de pudencia e temperança da forçaa fortaleza que  as vezes se ve e outras nons  mostra quando assim permence - e quilibrio qual em mim . nascid@ asimdesde as aogoas -a sim essaa estrela a tua a pel 
apela a sim qual umaJUSTIÇA ADE S ER EMCRISTA ONDAE V«CAVA  e  aonde se sopesavam -a penas as mai plumbeas flores dos ceos olhoares aos meus  pares cendo a sim quais bm sope
sares os ares esses ar«irinhos que a inda renascem por ai fora   e de ancora a a escora a sim -  sabem e bem sabem entrelação duas ci«ordas duas vidas de bem entrelaçar e quando asu«im - se sabem asim sabem dizer que as ditas escamas orescalas desde aquario de DAN"vazia" ASSIM MENOS - DITAS NUNCA DESCRITAS SÃO ASSIM - PLENAS  POR PREENCHER

anforas novas novos rebentos novos os tempos que ainda se esperam e  as remissões das noçãs ditas 2acções2 entre nascidos e pro ainda ver  nascer e quant@s e quant@s ainda sem -a brigo do que em ti levas do que  asim levo comigo ainda s epossam ver a  ever-se acender ao se entenderem ao se estender numlugar simples quais a s aguas HOMILDES que «bem mesturaram - umalama e uma vida e vida em força e  forma humana

e quando si m o calod do ser maior qual um amã quem bem asim -  amasse
assimqual uma agua que limpar a dor a sim trouxesse o quem bem trepsasse e uma linha e um cinzel e um toque a oque  um 2teque2 para retirar as esquirolas de tantas e tanats horas que se deixaram por ver -a sim vogar  e aind aa s que  poderã vir a chegar s er a servir amsi al+em do ter  dopoder o amor ao proprio -   mão em mão o caminho ailusão dosnho a se conceretizar e um  suave - nome s em nome por ventura um lugar - uma sina uma perspectivaa  de vida entrelaçada  já por si mesma vivida e
entre 
vida e vida 
vereda

aberta  e estrada  
-
completa
espera

 a
tua
passada

o
eco 
das
minhas

lágrimas

as
tuas

assim
assumidas


quais
no
m
es

os
vá r i os
teus


nomes

que 
reflectem e honram 

a
tua 

...pró p ria...
 ...vida...



um ser que nunca aparece

 - gato negro dragão vermelho -  
assim 
qual
 o ser

o conselho

 qual
veste
mais
alva

que 
assim
se 
faça trapo velho

qual 
valor 
do 
su or
de  se
  en t r e gar

as
sim

ao
se
entregar

 e 
qual 
valor
des
s@
 ca
s@

saúde

or@
'
 s
a v
d @ d
e
s


@
m
@

I
o   r
a

a
n
d
o

amo
r

d
a
en t re

@
a s
s i m


s
em
régua



s
e j a
@

r@s

ªgª
@

t
@

r

ora
as
entregar


QUANDO
POR 
DENTRO

O
AMOR É SEMPRE

O
QUE

 BEM
SE LEVA 
E
QUANDO
SIM


 PREENCHE
E
VEM 
VENCE

TREVA
DE

SE
VER
POR 
FORÇA

 ME N OR

AS
SIM
QUAL

O
QUE
PRENCHE


E
SE
B
EM 
OV
T
OR
ªGª
@

l
 E 


M
A  I  S

c
om


 o

 B
EM
SE

D
@
A


AS
SIM

T
AN TO

D
E

P
RO
f

V N D
@

Q
VE

P

REN
C
H
EN
D@

 MA

I
 S 
F
E
C O
V   I   N
D A N


D
O

P
OÇO



UM
@

C@N

T

I
C   @


noutra

e  
s  a 

O   V
T

R
@

V
O
Z

H
@
J
@


V
M

S@R

D
@
S   S
@


V
I
 D
@

@
S      S

I
M


 L
@
'

P
E R 
T








  E  
N
T
E



 EM
NÓS

A
VIVE 
A
BARCA

 A 
V I V
@

@

A

CHAMA
D@

 A

V
I
V
A

ES
'
O R A
 P
A R C A



ESPER
EST R ELA 

AMIGA

DE S SE
@

ES TE
NOSSO VOSSO  (confim sem ter d eter entrada nem saidala birinto aberto pelomais doce castigo de continua apeseb«verar  quandoa sim -senso estando  assim - sempre est @ ndo
 -
 con
 si
g
@


j
A  R
DIM
DESTA 
NOSSA

LINHA E VIDA

num
@
ilha

quase
sempre

  honrada
@

penas 
para quem bem sabe 
lá  
chega 
enquando 
sabe 

assim
bem
 se ca la

A
P
R O M

M
@
S     S
A
M
A  I  S



@
l
e
@

A
N
T

I

GA

R
AN    ÇA
Q
VE

DE

V
I
D
A
AS S IM


Q
va n do

S
 E 

EN T RE 

C
OR T AV
 A 

ORA BEM SE CORTE JAVA ORAA CORTE MAIS MADA DE LAR  ASSIM CHAMARADA D ELUME DESSE TAL  LUGAR DESSE LUMEN A SSIM BEM SE REESCREVRA EM LETRAS QUE SÃO INVERS@S ASIM QUAL UMA ANIMA LEVAA SIMO CANT
@R
DAS
AVGOAS
CONCEBA

UMA NOVA E DOCE
"ERA"

ASSIM 
Q
VA N DO

N
ÓS

D
EST  R ELA


Ç   A
D
O    S




 N
Ó S
D@S A T A D@S

AS
SIM

L I V
R @ S

E            M
f

O R

A         S 

D

E

S@ R @S


H
V  A
 N @  S

MANO A MANO


S
E
M
P

R                  E

   E      S 
 T
@


A
I
N

D   O

E

 D    E

     M Ã
@ M Ã
O


 A S
SIM

 N
OS

ENTRE 
j
VD @  ND


O
 - 
A
SIM
Q
V  A
l

UMA
MEL

O
DIA

Q
VE

VE
M

@

@

E

V
I
@j@

  P

  @
  R


D
E    N





"she"
- assim dita uma musical idade - 
que
abre
entre
duas
ondas

q
ve
bem
e
@
se
entre


b
@
I
j
@
m

@

m
a I s

b
em 
se 
sabem
 saber


ao sal que vem sendo
vertido
pelo lacrimal 
d
e  s
s   e
@

O
t

e v
o
lh
ar



 svs
tid
@

w
@v@

VMA
v          a
ªgª
a


assim
@

f
@
n

o
m
I
l
h
o    r

n
@

f
I      n
@


q
 v     a 
n d o

s@ b @s

 S @

G
v
e

V I R

T
v d
E



a
o

s e
m
a  n
t
e
r
@

m
@
I
s

@
p
o  r

s
e
m

p
 r  e 
p
r e

m
@     n

t
e   r
 er
guid

@

 a C e 
s
 s  @ 
s   I
 n  @

@



coragem 
essa
 ventura
 de
ser
  uma estrel
a
n
a  s
s
e  r
n
e   s

n @
noite 
mais 
escura


uma 
i
d
e   a

@
as
sim

q
val
@
ima


 mir a gem

(
um 
oa s i s

num 
de s erto

um
@
l
@
r

g
o

n

qual ar que non respires nem dizes non e qual bem digas ainda que mal dizes que @
sim
en
t
r'@s
(nascidas horas sem serem - serenas sereias as praças mais bravas e as tuas notas - tão cheias comoas ondas de praias mil - que ainda sondas por  assim seres de encantos mil)


 e 
 l 
v
z
e s
q
v a
 l 


monte e faro
(
três ilhas 
um 
"principio"

  um@ princesa 
uma rua 
um 
lugar
um
"sitial"

 - dess@ altitude
 entre 
a
 natura
a
tua 

natureza

 dessas aguas
re
nas ceu

p
or
b
e
m
I
ªgª

v
@
l

em
quais quedas de aguas vistas assim quantas entre visadas assim quando 
os teus olhares 
des
pistas as marés
@
s
mais 
alt@s
 permanecem
 - 
v @r   
d @  
d @s




q
 ve 
-
se  n do
@
v
  
  I 

  v  @
'
s


@
o
M


b
m
a z v

l
IN   H @S
s

q
va n do

bem
s
e

r

@

l
v
    z 
   
es
 assim

I
G
V
A
L

por 


DI
Z
@R

S

E  M

D
  I  

E
R
E S
Z

E
R@S

NOVAS
 E 
BEM
DI
T
OS  AS


AS
SIM
BEM
P
@R E CI
D
@S 
Q
VAI   S A S VOS
 S  A S




 NA D AS


AS
SIM

ENTRE
O

"TUDO"
E AS BR ASIM BRILHAR ESPELHOS DE VIDA EM  
VIDA ENTRE AS LINHAS DE PONTES A SABEREM SEGUIR EESTAR A UNIR  EBM MENOS A SEREM  EM PAR  ES CENDO APENAS QUANDO  O MAIS TRISTE VENTO  ORA O
MAIS

T
R I S 
T
L A
M  EN T@

AS
SIM 
A
 BEM
AS 
VEN
H
@

 - 

C
ON

H
ECE
R

E
DE PO IS
S@ 
BER
BEM

@M@
R

TERAS
"TEARS"
EILAS
CHEIAS
AS PAL
PE BRAS

MEIAS


AI N DA 
P
O R 
SE R EM 

A
M

S
E
 B E M

@
j
v

N
@

T
A  R N 


VM 

LV

G
B
R
I
 L  H  A

R


AR

 SEM 
TER  DE TER  
TEMPO

NUM TEMPO 
SEM 
TER

DE 

DE 
FI N  IR

 L V G @R



"EIR@S"



Q
VE

SÃO

Q

V
I
A  S
V

E       R
DES E       DOIRA
D  @ S 

A  S
SIM

Q
VAN
 DO
 NES
T
A

TE R RA

IN
TEGRA



 I
N
T
IMA 
E  

BEM

VERDAD

EIRA 

SABE
R

SABER

SER 
ESTAR

CUI DAR

EM

DE

VIDA
 EM

VIDA
CUIDAR


DESSE
LUGAR 
LAR
EM

SEGUIDA E CUIDAR 
DE
QUEM


BEM SE VEJA A VER ASSIM

Q
VAL

TU
C           L
AMAS

SE 
C     H
AMAS 

@
S
SIM 
Q
VE R ES 

Q
VE EV 
@
ND@
  
E

 A      S
S   I  M
?



- A BEIRAR 
QUANDO
AS  
AGUAS 

TODAS 

SE

CALEM

ORA SE DEIXEM
@

SA B ER
 CA L @R




AS S IM
O
CA L OR



 DOS 
RAIOS

DO
SOL

OU

DA

L
V
A

 RV G EM 
Q
V  A
L


VM

VE N TO

E
M

V E N

D
@    V 
A
L



Q
V  A
L

VM@

F E R@ 
F E RID@

 Q
VEL


VM
CE R TO
HINO

ASSIM BEM DIZIA 

QUE IRIA PODER CHEGAR 
PAS    SAR


 Q
VANDO 
CERTAS FRIDAS 

ASSIM 
"EFERIDAS"

 ASSIM
AS 
ERRES 
NON 
SOUBESSEM

 DOB RAR



E
"FICAR"
@

 PRENDA
DA...



DE AGUAS DE VIDA AINDA ECOS DE SABER OUVIR E CASTELOS VIVENTES 
POR 
ENTRIAS
AVGOAS E OS RIOS CORRENTES DE BEM SABEREM  ASSUMIR E SEGUIR
ASSIM
 - AO VENTO AO SOL A O LUAR AO SEU - 

MAIS INTIMO - 
FUNDAMENTO 
A ORIGEM 
ASSIM 
AO 
VENTRE 
DESTA

  TERR@
 MATERNA



A VERTIGEM DE SUBIREM AS PIRANDO 

AS MONTANHAS BEM AS SABEM

 ASSIM 
RECONHECER E TANTO E ESPIRAIS  E FILIGRANAS E MAGIAS MAIS
ASSIM  QUAIS AS PARCAS PALAVRAS BEM SE ENTRELAÇADAS ASSIM
QUANDO EM VAPORES DEMAIS  DE MIL CORES MIL AMORES POR SEMPRE DIZEM

  ESTAS FLORES NAS NOSSAS DESDITAS 
- ROSAS LIDAS - 
 E 
N A S 
M A I S


AMADAS

D
ES S AS 
AR G AS

 QUE 
AS
ROSINHAS 
MAIS
BEM 
GUARDADAS

PER
MAN E CI @M








uma
sombra

sen h ora

assim 
uma 
forma
que
se 
sabe 
bem
 conjugar



  

eva e vida  e fonte @ Maria
dessa 
agu@ pura 
que 
bem
SEJA
quando 
bem
assim
sabe
doce lar 
doce 
sustentando
quando a aguas da terra integra plena e d reita vem a vgar oq ue bems e sabe pro dentro nem lugar nem mentira nem par nem  nada por ainda  espatar nem palha nem espatalho a depor nem  nenhum lugar qual o teu coração @ maior...



  
a bem 
bem jorrar e canta conta "estórias" e vivas e a viv@s 
assim

a  smemórias por bem saberes cantar qual um cantico de destino breve que ros  a lia a sim também bem descreve que folhas as novas as  alvas as verdes verdades contadas apenas as noivas bem firmes aguentam até que sejam das augoas regressad@sos marinheiros dos mais de sete mares que contam erazemes tórias para seus olhares sendo ao pares aos  molhos aism se agitam pos nossos campos quando vêjam  chorar os teus olhos
aegria em nós  sorrir em mim - por horar de cor a  cor a sim deus de @ cor
agem 
de 
seguir 
dizer 
que
...sim...





alvas e vivas 
quantos 
montes 
digas

que são
a sm - de luzir ora luzidia q uendo renasce a espera a esprança s«nese faro de pico mais alto de veijama s mil i«onda de saude de saudara saudade de ver em vida e saber em verdade ali beme star  quando beme stejas a simq uando foste  evieste parara  este nosso 
ch
@
@m
 que
 assim 
também 
beijam

farol

 -  
@ asim
dizes e des d izes  asimmedisseste nemdizeres  teu nome em  
"
h
i    s

p
a     i

o
l
@


 -e matizesseres sendo a sim rea cendidos e os mais felizes cantares e canticos entre os "canteiros" ainda
des
 "perdi  d@s"
a
s
ce
 na 
rocha mais pura  salva guardada por quem bem sabeo teu olhar nesse
olhar
 meu 
ainda 
assim 
dur@

por 
entrio
brio e estio 
asim - um aancora deste se  de pas
sagem assim qual uma vereda entre os mjares e os teus ceos abertos e quando a stempestades a sim be mora sem ter de ser
sen
hora
assim es
tando
quando sabes ir alémd o tempo e ao tempo asim- por bem 
reg
r@s
sa n do


estar erguida e bem te e rgues  por sempre ora assim  de forma
normal


sus
pira
ava o  sol pela mar amada eassimsegueo sendo a cendida essa bruma por entrias ondas ea sterras  mais - redondas destes nossas montes e vales verdes veredas mais plenas verdades e quando vejas que todas elas que tão bem
amas quando viajas  por netre as "setas" a procura de 
c@r
val
h
@
s


sh
r
i
n
e
T
'
R   @

e

non se  ouvia assim quandoalguém ama alguám se deixe trespassar e as velhas cicatrizes e s sonhos mais felizes possam a o final - principio meio - e ugar serem livres libertar e ajudar a ser assim . par em par mão e m mão e  uma  musica
que ressoa qual livre liverdade a simc oraçãoq e voga hora voltaa ser ao  centro ao ser
(és)

 verdade...




@ DA VIDA A SIM QUAL ALTO E BEM FECUNDO   CHÃO "JOCUNDO" QUE RENOVE ESTE
NOSSO

NOV 
- MUNDO -  
TEU

ASSIM

POR 
VIR 
A
 SE 
VER

SEGUIR ORA O MEU
AINDA 

POR
VER
NASCER

ORA 


TEU
AINDA
POR

AI   N  DA
S E


VER

S                       E
G
VIR

A
SE
VER
...
@
SUMIR

e perder por entrio mar -a sim quantas vezes
o ir e  votar de sol a sol ao lugar ao luar  na chuva ora no sol e subir monte  amonte seja de  falar em galego o ra mportgues ora em espenhol e menos veres asim brilhar o teu nome s em par entre tantas  e tantos nomes que já se  foeram asim tu - reascida  asim renascendo uma chamarada antiga  esmorece quando a tua propri a- sina e scolhas 
-
VI
VE 
N D@
@




vida és eu vida em força Humana  tu sensível força e forma que das augoas en hora se fez senhora e também bem nos alcança ora nos salva quando em momento de riso e dor  assim -  permanece - um cristal ser igual por fora 
ainda
 no
p@race





Sem comentários: